E vamos para o segundo turno nas eleições presidenciais colombianas! Gustavo Petro e Rodolfo Hernández vão disputar a presidência

Mais Lidos

  • Milhares de pessoas foram resgatadas de trabalho escravo contemporâneo em 2023 no Brasil. Entrevista com Frei Xavier Plassat

    LER MAIS
  • Um histórico encontro de oração entre protestantes, ortodoxos e católicos na Roma papal

    LER MAIS
  • Polícias do Rio de Janeiro, Bahia e Pernambuco cometeram 331 chacinas em sete anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Mai 2022

 

  • "O que mais me preocupa é o machismo e o racismo que essas eleições mostraram"
  • "A mulher ainda não está na imaginação de muitas pessoas que podem ocupar os principais cargos do país, e muito menos se ela for uma mulher negra e pobre. Isso me prejudicou muito nesse período de campanha porque houve muitos comentários nesse sentido"
  • "Veremos se aqueles de nós que dizem ter fé continuam determinados a excluir as pessoas por causa de seu passado, incapazes de superar o classismo, o racismo, o patriarcado, o neoliberalismo"

O comentário é de Consuelo Velez, téóloga colombiana, publicado por Religión Digital, 30-05-2022.


As eleições na Colômbia neste domingo, 29 de maio, resultaram em um segundo turno com um primeiro candidato, Gustavo Petro, e um segundo, Rodolfo Hernández. Este último, um personagem quase desconhecido que com uma campanha totalmente populista, vencendo com seu jeito de ser desobediente, grosseiro, improvisado, com pouquíssimo preparo político, manejando um discurso anticorrupção - discurso que não fica claro que ele próprio encarna de acordo com os resultados de sua gestão política como prefeito - mas isso convence os eleitores que não conseguiram se libertar do imaginário "antipetrista" e pensar seriamente no país.



Dos pontos positivos desta eleição, podemos destacar alguns, principalmente, a derrota do Uribismo. Ao menos, isso é um bom sinal , porque já é "justo e necessário" sair das "garras" daquela visão de país que nos levou ao que temos hoje: um país em que não foi possível consolidar a paz e um país cada vez mais empobrecido, porque a única coisa que a linha Uribista deixa claro é manter seus privilégios à custa de semear o medo no povo para que ele não ouse sonhar com nenhuma mudança.


Outro ponto positivo é o número de pessoas que querem uma mudança e que continuamos nos esforçando para alcançá-la. Não devemos baixar a guarda e serão três semanas de muito esforço para consolidar a vitória de Gustavo Petro, que está realmente preparado para assumir os destinos do nosso país.



Mas não ter conseguido vencer no primeiro turno revela o imaginário de tantos colombianos que, pessoalmente acredito, impediram que Petro conseguisse. Um primeiro imaginário é resistir a votar em Petro por ter sido guerrilheiro. Mostra a incapacidade de tantas pessoas - e infelizmente de muitos que se dizem crentes - em aceitar a reincorporação da guerrilha na vida pública, em valorizar a capacidade de retificar suas opções. Mas, sobretudo, de uma pessoa que continuou a lutar pelo país, contribuindo com o que é, sabe e pode, toda a sua vida ao serviço dos outros.



Agora, o que mais me preocupa é o machismo e o racismo que essas eleições mostraram. Ouvi muita gente falando mal de Francia Márquez dizendo que ela era negra e sem instrução. Não havia como eles entenderem que ela é advogada, líder social, ativista ambiental, defensora dos direitos humanos, uma pessoa que, por sua condição socioeconômica de mulher pobre, conseguiu superar todas as adversidades e ter tantas conquistas pessoais e sociais. Mas uma mulher ainda não está no imaginário de muitas pessoas que podem ocupar os principais cargos no país e menos ainda se for uma mulher negra e pobre. Isso me impactou muito nesta campanha porque foram muitos os comentários que ouvi a esse respeito.



Também vi quantas pessoas repetem esses falsos slogans de que o país tinha que ser salvo do comunismo, do socialismo, do castro-chavismo etc. E, no momento em que escrevo isto, alguns dos candidatos estão dizendo que aderem à campanha de Rodolfo Hernández, invocando que não deixarão a Colômbia cair no socialismo. É definitivamente difícil entender que tantas pessoas que parecem tão inteligentes em muitos aspectos não podem ser maduras o suficiente para criticar o programa do Petro, sem esses falsos slogans, mas mostrando razões válidas. Os debates presidenciais mostraram como os demais candidatos baseavam seus discursos na repetição dessas fórmulas.



Acho que chegou a hora da verdade. Aqueles de nós que continuarem com o Petro não vacilarão em nossos sonhos e continuarão a fazer tudo para tornar a mudança possível. Veremos se todos os outros preferem votar "contra Petro" e deixar o país nas mãos de uma pessoa que mostrou a imaturidade de sua proposta política para enfrentar uma Colômbia tão carente de paz, justiça social, às mudanças que são necessárias no contexto global.



E, como sempre digo em meus escritos por causa da minha posição de crença, veremos se aqueles de nós que afirmam ter fé continuam determinados a excluir as pessoas por causa de seu passado, incapazes de superar o classismo, o racismo, o patriarcado, o neoliberalismo, em outras palavras, esta visão tão distante do Reino de Deus, anunciado por Jesus, que parece não ser conhecido por tantos que comungam diariamente ou que se gloriam da sua fé.

 

Leia mais

 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

E vamos para o segundo turno nas eleições presidenciais colombianas! Gustavo Petro e Rodolfo Hernández vão disputar a presidência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU