Mudanças na Colômbia

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Junho 2022

 

"Faltam três semanas para o segundo turno. É pouco tempo, mas a política colombiana vive em constante aceleração. Neste domingo o desconforto e o desejo de mudança real venceram. Ambos são fatores legítimos que muitas vezes alimentam o populismo e a radicalização: nenhuma das condições favorece a prosperidade de um país com feridas profundas", afirma editorial publicado por El Pais, 31-05-2022.

 

Eis o texto. 

 

A Colômbia votou no domingo contra a continuidade e o estabelecimento. O primeiro turno das eleições presidenciais, com 54% de participação, deu a vitória ao esquerdista Gustavo Petro (40,8% dos votos). Sua vitória foi menos surpreendente do que o surgimento do candidato populista Rodolfo Hernández, que, com 28% e absorvendo votos da direita, passou ao segundo turno, a ser realizado em 19 de junho.

 

Os dois candidatos, ideologicamente situados no extremo oposto do espectro, endossaram a aspiração de mudança de grande parte do eleitorado. O profundo mal-estar que a sociedade colombiana vive alimenta um desejo que nos últimos anos se aprofundou pelo efeito de uma dura pandemia que empobreceu um país já economicamente fraco e por um governo incapaz de superar o descontentamento social. Nesse contexto, a vitória de dois candidatos que se apresentam como alheios ao sistema, além da falácia de tal posição, evidencia o fracasso de uma rede de poder elitista e míope diante das transformações ocorridas na Colômbia. O compromisso do Uribismo com Fico Gutiérrez (23,9%) falhou miseravelmente, fechando um ciclo histórico, principalmente após o apoio explícito que recebeu tanto do Partido Conservador quanto dos Liberais para bloquear o caminho para Petro. Ao mesmo tempo, o centro entrou em colapso com Sergio Fajardo (4,2%), cujo discurso moderado foi soterrado pela turbulência da polarização.

 

Uma etapa foi fechada e o futuro ainda é incerto. Nesse sentido, o avanço de Hernández,77 anos, um populista que segue parcialmente os passos de Donald Trump, levanta todo tipo de questões. Em julho, ele terá que se sentar no banco para um caso sombrio de contratação quando era prefeito de Bucaramanga, e para seu crédito há uma longa lista de idiotices (incluindo uma declaração de admiração por Hitler que ele corrigiu mais tarde) e palavras dilacerantes contra as mulheres e homens, migrantes. Esses antecedentes não impediram sua surpreendente ascensão eleitoral. A seu favor, também joga o realinhamento de forças que o segundo turno traz consigo. O próprio Fico, em sinal da alta capacidade mutacional do Uribismo para se manter no centro do poder, já pediu voto nele, aumentando muito suas expectativas de conquistar a presidência.

 

Essa reviravolta desafia abertamente

 

Petro, cuja aparição na noite da eleição dificilmente foi triunfante. À luta contra seu teto eleitoral (nunca na história recente da Colômbia um esquerdista conquistou a presidência) ele agora tem que somar a entrada em jogo de um candidato que é soprado pelos ventos do populismo e de uma direita cheia de recursos. São obstáculos que ele só conseguirá superar se, além de somar apoios no centro menos propensos ao uribismo, se mostrar capaz de sair de seus pesqueiros naturais e convencer aqueles que não votaram nele de que a mudança que propõe representa realmente uma melhoria para todos os cidadãos.

 

Faltam três semanas para o segundo turno. É pouco tempo, mas a política colombiana vive em constante aceleração. Neste domingo o desconforto e o desejo de mudança real venceram. Ambos são fatores legítimos que muitas vezes alimentam o populismo e a radicalização: nenhuma das condições favorece a prosperidade de um país com feridas profundas.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças na Colômbia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU