Papa Francisco tem feito mudanças radicais para a Pastoral LGBTQIA+. Artigo de James Martin

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Outubro 2021

 

“A abordagem de Francisco para com as pessoas LGBTQIA+ é de acompanhamento pastoral, movendo-se lentamente, com certos limites, evitando as declarações dramáticas que algumas pessoas podem almejar. O seu enfoque sempre esteve na pastoral de cuidado com as pessoas, defendendo-as da violência e apoiando aqueles que com elas trabalham, de formas que não teriam sido apoiadas pelos seus antecessores”, escreve James Martin, jesuíta estadunidense, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 01-10-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Dois anos atrás, 30 de setembro de 2019, eu me encontrei com o Papa Francisco no Vaticano para falar sobre meu trabalho com católicos LGBTQ. Durante esse encontro, o Santo Padre pediu-me para que eu continuasse com meu ministério “em paz”. Esse foi um dos muitos passos que Francisco tem dado ao encontro dos católicos LGBTQIA+. Mas frequentemente as pessoas ignoram os pequenos passos que Francisco deu nesta área, os quais, quando juntos, são mudanças radicais para a Igreja Católica.

Como eu tuitei ontem, eu vejo 11 importantes passos que Francisco deu desde sua eleição como Papa em 2013. Vejamos cronologicamente:

 

1. Quando perguntado sobre os gays em 2013, Francisco proferiu as cinco palavras mais famosas do seu pontificado: “Quem sou eu para julgar?”. Com essas palavras, ele também se tornou o primeiro papa a usar a palavra “gay” tão publicamente. Isso foi uma “revolução da ternura”, para citar o Papa, contida em um questionamento.

 

2. Durante sua visita pastoral aos Estados Unidos em 2015, Francisco se encontro com seu ex-aluno, Yayo Grassi, e o companheiro de Grassi. O afetuoso encontro, não apenas com Grassi como também com seu companheiro, falou muito sobre a abordagem pastoral do Papa Francisco com os casais homossexuais.

 

3. Em sua exortação apostólica Amoris Laetitia (“A Alegria do Amor”), Francisco escreveu que quando se faz pastoral com a população LGBTQIA+, nós deveríamos “antes de tudo” afirmar a dignidade humana e o desejo da Igreja de se opor à violência contra eles.

 

4. Em 2016, em uma entrevista coletiva, no voo de volta da visita ao Azerbaijão, Francisco encorajou um ministério de “acompanhamento”, dizendo que Jesus nunca diria a um gay: “Afaste-se de mim porque você é homossexual”.

 

5. Durante uma entrevista coletiva no avião voltando do Encontro Mundial das Famílias em Dublin, Irlanda, Francisco disse que filhos LGBTQIA+ nunca deveriam ser expulsos de suas famílias pelos pais. “Não condene. Dialogue, entenda”, disse ele, resumindo o que diria aos pais. “Dê espaço à criança para que ela possa se expressar”. Os comentários do Papa podem ter salvo muitas vidas e evitado que muitos jovens ficassem desabrigados.

 

6. Seu encontro de 30 minutos comigo no Palácio Apostólico em 2019, foi listado em sua programação pública oficial e acompanhado por fotos da Sala de Imprensa da Santa Sé, um sinal de seu apoio à pastoral LGBTQIA+.

 

7. Em 2020, enquanto defendia o ensino tradicional da Igreja sobre o casamento entre um homem e uma mulher, Francisco, no entanto, sinalizou seu apoio às proteções legais para as uniões civis em um documentário chamado “Francesco”.

 

8. Também no ano passado ofereceu seu apoio a irmã Mónica Astorga, uma argentina que trabalha há 14 anos com transexuais, dizendo: “Deus, que não foi ao seminário nem estudou teologia, te recompensará abundantemente”.

 

9. Em março de 2021, ele nomeou Juan Carlos Cruz, um homem assumidamente gay e sobrevivente de abusos do clero, para uma comissão de alto nível do Vaticano. Em 2018, Cruz relatou que Francisco havia lhe dito “Deus te fez assim” (Francisco disse a mesma coisa publicamente durante sua entrevista coletiva na volta de Dublin naquele mesmo ano: “Sempre existiram gays e pessoas com tendências homossexuais”). 

10. Em junho, ele escreveu uma carta calorosa por ocasião do webinar do Pastoral LGBTQIA+, e também afirmou suas orações por este “rebanho” de pessoas LGBTQIA+. “O coração de Deus”, disse ele, “está aberto a todas as pessoas”.

 

11. Em uma conversa no mês passado na Eslováquia, ele encorajou os jesuítas naquele país a alcançar pastoralmente “casais homossexuais”, não apenas indivíduos. Isso marca uma mudança significativa na abordagem do Vaticano.

Em conjunto, podemos ver como a abordagem de Francisco para com as pessoas LGBTQIA+ é de acompanhamento pastoral, movendo-se lentamente, com certos limites, evitando as declarações dramáticas que algumas pessoas podem almejar. O seu enfoque sempre esteve na pastoral de cuidado com as pessoas, defendendo-as da violência e apoiando aqueles que com elas trabalham, de formas que não teriam sido apoiadas pelos seus antecessores.

Desde sua eleição em 2013, Francisco tem se mostrado pastor para os católicos LGBTQ e suas famílias.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco tem feito mudanças radicais para a Pastoral LGBTQIA+. Artigo de James Martin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV