Argentina detém (por enquanto) a extrema direita. Artigo de Pablo Stefanoni e Mariano Schuster

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Outubro 2023

O resultado do primeiro turno eleitoral mostra a volta do peronismo e abre um novo cenário rumo ao segundo turno, no dia 19 de novembro, que será entre o peronista Sergio Massa e o libertário Javier Milei. Algumas das razões da reviravolta do eleitorado.

O artigo é de Mariano Schuster, jornalista, e Pablo Stefanoni, jornalista argentino, publicado por Nueva Sociedad, 23-10-2023.

Eis o artigo.

A Argentina acionou o freio. Depois de uma onda de oposição que, nas primárias do último dia 13 de agosto, superou o peronismo dominante e colocou o libertário de extrema direita Javier Milei às portas da Casa Rosada, o eleitorado pareceu reagir ao que parecia ser um salto para o vazio. Entre as PASO – primárias abertas, simultâneas e obrigatórias – e as eleições deste 22 de outubro, a possibilidade de vitória do candidato libertário disparou todos os alarmes, e essa sensação permitiu a um peronismo recuperar terreno que conseguiu o milagre que esperava sem muito esforço e convicção. Exceto no caso do próprio Massa, um político com uma vontade de poder excepcional.

Massa obteve inesperados 36,6%; Milei, do La Libertad Avanza (LLA) estagnou em 30%; e Patricia Bullrich – da aliança de centro-direita Together for Change (JxC), caiu para 23,8%.

Pode parecer estranho que Massa, sendo ministro da Economia do atual governo peronista que provoca uma inflação superior a 120% ao ano e altas muito fortes do dólar, tenha obtido este resultado. Mas o candidato aproveitou a sua posição para tomar uma série de medidas – depreciativamente chamadas pela imprensa de “plan platita” – que incluíram a eliminação do imposto sobre o rendimento dos salários e vários paliativos à crise social que o país atravessa.

Além disso, numa campanha caracterizada pelas invectivas profanas de Milei e de uma Patricia Bullrich que depois das primárias não encontrou um eixo, Massa apareceu como o “adulto na sala”. Enquanto Milei tentava ancorar, de forma caótica, sua utopia “anarcocapitalista” em um projeto governamental, o apoio a Massa acabou sendo uma espécie de voto defensivo de uma parte da sociedade. Milei até se envolveu com sua proposta mais eficaz – a dolarização – e uniu forças com o pior da “casta” que ele afirmava estar combatendo, como o sindicalismo filomafioso do líder gastronômico Luis Barrionuevo.

Massa mostrou-se como candidato presidencial e apelou ao seu proverbial pragmatismo: conseguiu conter o voto da esquerda, parte do qual nas primárias foi para o líder social Juan Grabois, e manteve a sua aliança com Cristina Kirchner, mas também se tornou o instrumento para parar Milei, principalmente diante do perigo de que ele vencesse no primeiro turno. Até os eleitores tradicionais da esquerda trotskista decidiram “tapar o nariz” e votar no ministro da Economia.

Ministro e candidato, Massa mostrou sua astúcia política ao se apresentar como alguém que “agarrou o ferro quente quando ninguém queria” e como o homem que, apesar de tudo, “deteve o surto”. Nesse mesmo sentido, conseguiu estabelecer, pelo menos em seu discurso, que os diversos males que afligem a atual economia argentina derivam das imposições do Fundo Monetário Internacional (FMI), devido à dívida do governo de Mauricio Macri, e das tentativas desestabilizadoras da oposição de direita. Ao mesmo tempo, conseguiu se desvencilhar do kirchnerismo, mostrando que como presidente não será o mesmo que ministro de um governo peronista caótico devido às brigas entre o presidente Alberto Fernández e a vice-presidente Cristina Kirchner. Além disso, Massa estabeleceu uma aliança sólida com o governador da província de Buenos Aires, Axel Kicillof, que conseguiu a sua reeleição num território-chave para o peronismo.

Massa empreendeu uma campanha na qual se posicionou como o único político capaz de administrar o Estado argentino. O atual ministro da Economia vestiu, em suma, a roupagem que mais lhe convém: a de um homem da classe política capaz de transitar pragmaticamente por diferentes áreas, incluindo a do establishment, e oferecer diálogos em várias direções. Afinal, como representante da “casta” política tão insultada por Milei.

Nos debates presidenciais, transmitidos simultaneamente em diferentes redes de televisão, Massa confrontou os seus rivais com um discurso que destacou a necessidade de avançar numa nova etapa política, sem destruir as conquistas dos 40 anos de democracia, que se completarão em dezembro próximo. Diante das posições mais ideologizadas do kirchnerismo, que têm feito e evidenciado o “confronto com a direita” e uma conspiração permanente do “fascismo”, Massa utilizou um discurso que, em suas próprias palavras, se baseou em evitar "a raiva e o ódio".

Diante de Milei e Bullrich, ele apresentou propostas específicas em diversos assuntos, e mostrou que sua será, em diferentes áreas, uma política “centrada”. Contra a direita de Milei e Bullrich, tentou aparecer como uma espécie de centro-extremo e apelou a um “governo de unidade nacional” com “todos”, incluindo o centro-direita e os libertários. Ao mesmo tempo, sua campanha baseou-se no poder territorial do peronismo que, após ser surpreendido por Milei na PASO, acionou todos os recursos do seu poder local. Não devemos esquecer que, para as primárias, o peronismo fortaleceu Milei de várias maneiras para enfraquecer a coligação JxC, que considerou mais difícil de derrotar numa segunda volta. No fim, essa estratégia pode funcionar.

Enquanto a oposição de Milei e Bullrich projetava uma visão fortemente decadente do país, Massa concentrou a sua campanha numa mensagem positiva e na ideia de que “não somos um país de merda”. Para reduzir Milei, afirmou que a proposta estrela do candidato libertário (dolarização) só foi aplicada em três países: Zimbábue, El Salvador e Equador – hoje imersos em uma crise profunda –. E para contrariar os ataques de Bullrich, que foi muito duro, dizendo-lhe que tinha “dobrado a taxa de inflação”, o candidato peronista afirmou que a proposta de divisão monetária do candidato de centro-direita parecia “copiada da Venezuela e de Cuba”, dois países com aqueles que a direita, logicamente, tradicionalmente se relaciona com o Kirchnerismo.

Outro aspecto fundamental da campanha de Massa foi a forma como ele se apresentou à sociedade. O peronismo, mesmo de matriz progressista, apresentou Massa como um “homem normal” diante da “loucura” de Milei. Esta ideia de “normalidade” foi combinada com a defesa do Estado contra o “anarcocapitalismo” da lei da selva de Milei. Massa, apesar de seu próprio papel como ministro, e contra todas as probabilidades, conseguiu tornar convincente seu discurso de “previsibilidade”.

Após a vitória nas primárias, Milei não conseguiu aproveitar o ímpeto para gerar uma onda imparável. Os próprios libertários achavam que estavam perto da vitória no primeiro turno (com 40% e dez pontos de diferença em relação ao segundo). Mas, aos poucos, seu perfil extravagante foi o afetaram. Suas famosas frases como "Entre a máfia e o Estado prefiro a máfia. A máfia tem códigos, a máfia cumpre, a máfia não mente, a máfia compete"; as suas posições contra a educação pública, bem como a sua ideia de que deveria haver um mercado para órgãos humanos ou a sua posição a favor do porte gratuito de armas,  começaram a perfurar sua armadura. Como a sua negação do terrorismo de Estado durante a ditadura, que faz parte do consenso democrático vigente no país.

Milei, no entanto, não foi apenas afetado pelas suas próprias declarações - muitas das quais foram anteriores à campanha eleitoral - mas também por algumas outras figuras do seu círculo próximo. Por exemplo, a candidata a deputada Lilia Lemoine disse que seu primeiro projeto seria uma lei que permitiria aos homens renunciarem à paternidade, uma vez que as mulheres, com a aprovação do aborto na Argentina em 2020, têm “o privilégio de [poder] matar seus filhos” e desistir de ser mães. E um dos conselheiros de Milei, Alberto Benegas Lynch, propôs suspender as relações diplomáticas com o Vaticano enquanto Francisco continuar papa.

Há alguns anos, o próprio Milei considerava o Papa Francisco como “o representante do Maligno na Terra”. “O idiota em Roma deveria ser informado de que a inveja, que é a base da justiça social, é um pecado capital”, disse ele, aos gritos, num programa de televisão. E então declarou: “Os Estados são uma invenção do Maligno”. Embora as declarações tenham sido feitas em 2020, elas se tornaram virais após a vitória do libertário na PASO. A resposta foi imediata e veio da própria Igreja, quando um grupo de “padres aldeões” (padres de bairros populares) organizou uma massiva massa de reparação. A grande questão é como seria, num possível governo Milei, a sua relação com o papa argentino, que nunca visitou o seu país depois da sua nomeação em 2013 e disse que queria fazê-lo em 2024. O que está claro é a opinião do papa, que, poucos dias antes das eleições presidenciais argentinas, afirmou sem mencionar o destinatário: "Tenho muito medo dos Pied Pipers... o Messias é o único que salvou a todos nós. O resto são todos palhaços do messianismo". Massa anunciou, em seu discurso pós-eleitoral, que tentará que Francisco visite o país no próximo ano. Talvez hoje Milei se pergunte, como fez Stalin, quantas divisões tem o Papa?

A ideia de Milei do Estado como um mal absoluto assumia por vezes um caráter sombrio, como quando disse na televisão, já como deputado: “O Estado é um pedófilo num jardim de infância, com as crianças acorrentadas e banhadas em vaselina”. Na verdade, a sua estabilidade psicológica foi uma variável nesta eleição. A própria elite económica desconfia dele – em parte porque se vencer será uma minoria no Congresso e não terá equipws governamentais sérias – e a revista liberal The Economist considerou-o um perigo para a democracia argentina.

Neste contexto, o apoio de Jair Bolsonaro sem dúvida não lhe trouxe respeitabilidade. O candidato Libertário não deixou nada por fazer nesta eleição. Não só criticou a casta, mas confrontou os grandes meios de comunicação e considerou vários dos seus jornalistas “ensobrados” (subornados). Além disso, criticou impiedosamente Patricia Bullrich, a candidata apoiada por grande parte do establishment e que ele próprio havia elogiado pouco tempo antes. Ele a chamou de "Montonera assassina" por seu ativismo no peronismo revolucionário da década de 1970. Negadora das mudanças climáticas e admiradora de Donald Trump e do partido ultra-direita espanhol Vox, e com uma serra elétrica como símbolo de campanha, Milei incorporou o que o americano Jeffrey Tucker chama “libertarianismo brutalista”, com um projeto e encenação que atraiu muitos eleitores (os seus 30% eram inimagináveis ​​há alguns meses), mas também assustou muitas pessoas, que votaram para impedir a sua vitória.

JxC terá, apesar do seu declínio nas eleições presidenciais, um grande número de governadores provinciais. Mas muitos deles pertencem à União Cívica Radical (UCR), uma força política histórica que compõe o JxC, mas que teve tensões com o partido de Mauricio Macri -Proposta Republicana (Pro)-. Com a derrota eleitoral de Bullrich, surge a questão sobre a continuidade desta coligação. Milei conseguiu virar a cabeça — pelo menos nesta disputa eleitoral — e alguns dos que compõem o JxC poderiam tomar outros rumos. Irão os líderes radicais aderir ao “governo de unidade nacional” proposto pelo candidato peronista? As incógnitas serão esclarecidas nos próximos dias.

Abre-se agora um novo cenário: Massa procurará aproveitar a mudança de expectativas para dar um impulso decisivo à sua campanha e terá que atrair eleitores de centro e centro-direita, e também os do dissidente peronista Juan Schiaretti, que obteve quase 7%. Milei, por sua vez, procurará atrair os votos de Bullrich para alcançar, nas suas palavras, a “revolução liberal”. Após os resultados, o libertário mudou seus ataques para o “Kirchnerismo” e convocou tacitamente Bullrich e seu setor para uma aliança, tentando suturar feridas. O palco está aberto, embora a quadra tenha inclinado neste 22 de outubro a favor de Massa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Argentina detém (por enquanto) a extrema direita. Artigo de Pablo Stefanoni e Mariano Schuster - Instituto Humanitas Unisinos - IHU