Eleições na Argentina servirão de teste para um Observatório de Combate à Desinformação

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Outubro 2023

As eleições do próximo dia 22 de outubro, na Argentina, serão um teste para o Observatório Interamericano de Combate à Desinformação Eleitoral, motivado pela desinformação divulgada nas eleições peruanas de 2021, e aprovado pela XV Conferência da União Interamericana de Organismos Eleitorais (Uniore), no mesmo ano.

A reportagem é de Edelberto Behs.

Além disso, o Poder Ciudadano, uma fundação voltada aos direitos cívicos na Argentina, publicou recentemente, com o apoio da Unesco, um Guia Prático sobre Desinformação Eleitoral, informa a jornalista Soledad Domínguez em matéria para o portal LatAm Journalism Review, do Knight Center.

Ao estilo Jair Bolsonaro, o candidato da ultradireita na Argentina, Javier Milei, um dos principais postulantes à presidência do país, declarou, sem qualquer comprovação, que teve 5% de votos a mais, mas que foram roubados nas eleições primárias. As primárias definem os candidatos aos cargos eletivos de cada partido para disputar as eleições gerais. A Câmara Nacional Eleitoral do Poder Judiciário veio a público afirmando que nenhuma denúncia foi apresentada à Justiça Eleitoral quanto ao roubo de votos!

A vice-presidente da Poder Ciudadano, Karina Kalpschtrej, disse à repórter que “a desinformação é hoje mais um ator na disputa eleitoral”. Segundo o pesquisador de mídia e plataformas digitais, Daniel Mazzone, a desordem informativa desvia a atenção da agenda real e dos problemas que a sociedade precisa resolver.

É preciso, pois, combatê-la, numa ação conjunta que exigem a interação da sociedade civil organizada, do Estado e dos meios de comunicação para promover a veracidade das informações.

A magistrada mexicana Martha Ramírez lembrou à repórter Soledad Domínguez que “as raízes do uso das redes sociais como forma de propaganda política remontam às eleições presidenciais de Barack Obama, em 2008, que foi um dos primeiros políticos a descobrir a utilidade das redes sociais como ferramenta pra se conectar mais estreitamente com seus eleitores”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eleições na Argentina servirão de teste para um Observatório de Combate à Desinformação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU