Javier Milei é um paleolibertário?

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Agosto 2023

Muitas das propostas de Milei consideradas originais, como a denúncia de uma “casta”, vêm na verdade do movimento “paleolibertário” da direita americana, dos anos 90. Sintomas e semelhanças do “candidato motosserra”.

O artigo é de Luis Diego Fernández, doutor em Filosofia (Universidade Nacional de San Martín) e bacharel em Filosofia (Universidade de Buenos Aires). Também é professor de Problemas Filosóficos na Universidade Torcuato Di Tella e autor do novo livro Utopia e mercado: passado, presente e futuro das ideias libertárias (Adriana Hidlago Editora). O texto é publicado por Clarín, 21-08-2023. 

Eis o artigo. 

É bem possível que os 30% dos votos que Javier Milei obteve nas eleições primárias argentinas (PASO) se devam mais a razões sociológicas e antropológicas do que políticas: uma modificação das placas tectônicas em nível relacional e laboral, um colapso do Estado como mito e autoridade, produto de sua ineficiência ou inação burocrática em muitos aspectos. Isso fez com que um grande setor da população fosse composto majoritariamente por jovens da classe média baixa que exercem atividades autônomas, não recebem planos estatais e foram os mais afetados pelas políticas restritivas e disciplinares durante a quarentena, criando seu próprio trabalho com a ajuda emancipatória da tecnologia e das plataformas digitais, não exigindo nada do Estado, não esperando nada dele. Outro vasto setor do seu eleitorado, pelo contrário, depende do Estado há décadas para sobreviver. Se o que se aproxima é uma reinicialização completa do sistema político argentino do qual Milei é um sintoma, é melhor começar a se familiarizar com a tradição libertária, seu vocabulário e conceitos: é algo que veio para ficar.

Neste sentido, é importante esclarecer que, se a posição de um liberal clássico baseia-se, desde o século XVIII, no princípio da autolimitação do governo (laissez-faire, laissez-passer) como reação contra a monarquia absolutista e a defesa das liberdades comerciais e pessoais, o liberal-libertário, por outro lado, é um produto puramente americano da segunda metade do século XX, o resultado da síntese de três tradições políticas baseadas na não intervenção sobre três níveis: liberalismo clássico na esfera econômica, anarquismo individualista na dimensão moral e a velha direita isolacionista no nível internacional. Para compreender a filosofia política por trás do “fenômeno Milei”, é necessário ler um manifesto publicado em 1990 sob o título Um apelo a favor do paleolibertarianismo, do conselheiro político e editor Lew Rockwell, no qual ele sustenta o seguinte: “'Questione a autoridade!', diz um adesivo de para-choque de esquerda que se tornou popular nos círculos libertários. Mas os libertários erram ao confundir a distinção entre autoridade estatal e autoridade social, pois uma sociedade livre baseia-se na autoridade social”.

Desta forma, dentro do libertarianismo americano (não confundir com o liberalismo tradicional) começou uma revisão crítica de certos pressupostos que visavam desativar a ideia de que todos os libertários tinham fobia de autoridade quando, estritamente falando, segundo Rockwell, o problema precisava ser resolvido, residindo apenas na autoridade ilegítima do Estado que se intrometeu precisamente em figuras de autoridade legítimas, produto de uma ordem natural espontânea e expressa em instituições intermediárias não estatais, como a família ou a Igreja.

Com isto, Rockwell procurou reconciliar os fundamentos próprios do libertarianismo com uma defesa dos valores morais ocidentais que, em sua opinião, estavam degradados.

O panorama de fundo desta intervenção deve enquadrar-se num equilíbrio que o movimento libertário começou a realizar desde os seus primórdios, após a Segunda Guerra. Esse olhar crítico que exemplifica perfeitamente o texto de Rockwell é consequência reativa de duas situações. Em primeiro lugar, a filosofia libertária, visível no calor da efervescência contracultural da década de 1960, fomentou, nas mãos de um dos seus fundadores e activistas mais enérgicos, Murray N. Rothbard (que converteu Rockwell ao anarcocapitalismo em 1975 ). ), uma aliança com a Nova Esquerda ( New Left), devido ao seu acordo tático sobre as liberdades individuais e o intervencionismo antimilitar(particularmente contra a Guerra do Vietname e o recrutamento), que foram o germe do esquerdismo cultural predominante dos libertários da época, atravessado pelos movimentos pelos direitos civis, pelos Panteras Negras e pela experimentação lisérgica. Murray também é o nome de um dos cachorros de Milei.

Em segundo lugar, a institucionalização do libertarianismo com a fundação do Partido Libertário em 1971, segundo Rockwell, teria consolidado a imagem do libertário como libertino e hedonista durante duas décadas, alguém refratário a toda autoridade tradicional, não apenas por causa da crescente incorporação de pessoas com estilos de vida alternativos, profissionais do sexo ou drogados ao partido, mas, e sobretudo, pela legitimação filosófica que possibilitou esses rendimentos com base nos princípios que o próprio Rothbard havia definido no canônico Manifesto Libertário (1973). Lá ele postulou explicitamente que o libertário era um esquerdista em matéria de liberdades civis e um direitista em economia, elevando a figura dos “crimes sem vítimas” (pornografia, prostituição, sexualidade dissidente, uso de drogas, jogos de azar, etc.), como aquelas atividades que devem ser descriminalizadas desde que não constituam agressão a terceiro ou invasão a terceiros e a propriedade.

O que Rockwell questionou então foi a própria semente dos fundamentos do libertarianismo durante três décadas, por razões estratégico-táticas. Ou seja, o Partido Libertário nunca havia ultrapassado 1% dos votos, em sua opinião devido à sua marginalidade moral em relação à cultura majoritária americana – tradicionalista, religiosa e que enfatizava o respeito à autoridade dos pastores, dos empresários de sucesso e dos pais.

Neste sentido, Rockwell apelou à implantação do que chamou de “paleolibertarianismo”, tomando o prefixo paleo como as raízes culturais americanas, as antigas ou primitivas que tiveram de ser recuperadas após décadas de progressismo cultural. Para isso, tornou-se necessário definir um programa que acrescentasse à condenação do Estado, à entronização da propriedade privada e do mercado livre como pedras fundamentais, à reparação da autoridade social (encarnada na família, na Igreja ou na comunidade), para proteger o indivíduo contra o Estado e como chave necessária para o desenvolvimento de uma sociedade de tradição judaico-cristã livre e virtuosa, baseada em normas de moralidade.

Bases do novo populismo de direita

Dois anos depois, é o próprio Rothbard quem publica um panfleto incendiário intitulado Populismo de direita: uma estratégia para o paleolibertarianismo no qual afirma: “A estratégia adequada dos libertários e paleolibertários é uma estratégia de 'populismo de direita', isto é: expor e denunciar esta aliança profana, e exigir que eles nos libertem a nós: a classe média e trabalhadora desta aliança midiática da subclasse liberal do ensino médio”. Rothbard, já muito distante de sua proximidade com a Nova Esquerda e até mesmo de seus textos dos anos 70, produziu uma virada reacionária no movimento libertário, em continuidade com Rockwell, que consolida o paleolibertarianismo ao definir uma estratégia populista de direita que atribuirá a origem de todo o mal a uma “casta”.

Posteriormente, Rothbard detalha um programa político simples e radical que não pode deixar de ser surpreendentemente atual quando lido sob as condições de leitura atuais, a saber: cortes drásticos de impostos, desmantelamento do estado de bem-estar social, “mão forte” sobre o crime, abolição de “privilégios” de classe e gênero (ação afirmativa), abolição do Federal Reserve (banco central americano) e da centralização bancária, corte da ajuda econômica a países estrangeiros e críticas à globalização (América em primeiro lugar), promoção de valores tradicionalistas e religiosos (educação nas mãos de instituições intermediárias como a família ou a Igreja e não o Estado) e a descentralização dos “crimes sem vítimas” (cada Estado decide).

Assim, a posição de Rothbard completou a visão de Rockwell ao adicionar consistência estratégica, a fim de remover o libertarianismo da sua irrelevância eleitoral e da sua aura libertina, através de uma retórica populista de direita que apelava para encorajar o conflito entre a corporação política (casta) formada pela elite dominante (establishment progressista), empresas subsidiadas, meios de comunicação, academia e minorias raciais e sexuais versus o povo (trabalhadores, classe média, empresários, o “indivíduo médio”).

Os paleolibertários, definidos programaticamente por Rockwell-Rothbard, formarão um novo ramo da árvore que o libertarianismo começou a tomar forma na década de 1990, que se distanciou dos libertários niilistas ou "de maneira" (que permaneceram no partido e continuaram a defender posições da esquerda em questões morais) e procurará uma aliança com o tradicionalismo de Pat Buchanan, bem como com o núcleo mais reacionário da cultura americana, incluindo setores abertamente racistas e homofóbicos.

No entanto, esta nova ala do libertarianismo irá desenvolver-se clandestina e silenciosamente ao longo de três décadas, cristalizando efetivamente um establishment progressista (do clintonismo a Obama), e entrando em erupção violenta com o vulcão da campanha de Trump em 2016.

O paleolibertarianismo e a sua estratégia populista de direita é hoje a imagem reconhecida e divulgada nos meios de comunicação tradicionais e nas redes sociais do “boom libertário”, que tipifica o programa da nova direita de Trump, Bolsonaro, Orbán, a italiana Meloni, o Abascal espanhol ou o próprio Javier Milei, em cada caso articulados de forma particular com os setores reacionários do seu país. Nessa direção, a figura de Milei opera na Argentina como o paleossintoma local que no nível estratégico-tático implantou com sucesso o manifesto de Rockwell em favor da autoridade social e os oito pontos detalhados por Rothbard em 1992 sintetizados com os restos da direita tradicional. Argentino (nacionalismo católico, setores pró-vida, militarismo, negacionismo, etc.) encarnado em sua companheira de chapa Victoria Villarruel.

No entanto, este paleolibertarianismo do século XXI, apelando a um discurso satírico, zombeteiro e agressivo (memético) e a uma estética disruptiva (que Milei encarna com o seu casaco de cabedal e o seu cabelo irascível), encontrou plena convergência com o seu eleitorado, constituído maioritariamente por jovens provenientes de setores médio-baixos, nascidos após a crise de 2001, que viveram toda a sua vida sob o peso do mal-estar estatal e, por isso, exigem uma maior autonomia individual após duas décadas de estatismo, intervencionismo, inflação e crise econômica.

Milei é a personificação do paleolibertarianismo crioulo após 20 anos de hegemonia cultural kirchnerista, e dentro do qual o intervalo Macrista é percebido pelos seus eleitores como uma continuidade inócua ou leve. Mas o sintoma paleo local também deveria ser um imperativo da autocrítica do progressismo, após décadas de políticas de identidade, endogamia, encerrados em debates muitas vezes irrisórios (como a linguagem “inclusiva”), discursos moralizantes e estratégias punitivas. Se esse campo quiser reinventar-se, terá de contestar o conceito de liberdade, conectar-se com formas não estatais da economia popular e reavaliar a noção de autonomia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Javier Milei é um paleolibertário? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU