Depois de Bonn, a COP28 precisa ser uma correção de rumo na ação climática

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Junho 2023

Existe uma demanda crescente por ações climáticas. No entanto, isso não foi o que o mundo obteve das negociações climáticas de meio de ano nas Nações Unidas.

A reportagem é de Gina CastilloEduardo Agosta Scarel, publicada por National Catholic Reporter, 22-06-2023.

Em vez disso, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de Bonn, realizada na Alemanha de 5 a 15 de junho, trouxe uma preocupante falta de urgência e uma falha dos países afluentes em reconhecer a situação dos mais pobres enquanto eles enfrentam mais desastres climáticos – como inundações e secas – que causam deslocamentos, perda de meios de subsistência e aprofundamento da pobreza.

Muitos observadores e delegados das partes envolvidas ficaram insatisfeitos com o processo e os resultados. "Os países estão muito longe de cumprir as promessas e os compromissos climáticos", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, em uma coletiva de imprensa no último dia da conferência de Bonn. "Vejo uma falta de ambição. Uma falta de confiança. Uma falta de apoio. Uma falta de cooperação. E uma abundância de problemas relacionados à clareza e à credibilidade".

A questão crítica tratada pelos participantes em Bonn foi a adoção da agenda para a Conferência da ONU sobre Mudança Climática, COP28, que acontecerá de 30 de novembro a 12 de dezembro em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A agenda só foi acordada no fim da conferência de Bonn. Os países desenvolvidos queriam incluir o programa de trabalho de mitigação estabelecido na COP26 em Glasgow e na COP27 em Sharm el-Sheikh, visando aumentar urgentemente a ambição e a implementação da mitigação nesta década crítica, de maneira que complemente a Avaliação Global, um processo para avaliar o progresso em relação às metas do Acordo de Paris sobre mudança climática.

Em março de 2023, a União Europeia e o Grupo de Integridade Ambiental – grupo de negociação composto por seis partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima: Suíça, Coreia do Sul, México, Liechtenstein, Mônaco e Geórgia – solicitaram a inclusão do programa de trabalho de mitigação nas agendas provisórias da reunião. A maioria dos países em desenvolvimento se opôs fortemente, argumentando que os esforços de mitigação não podem ser discutidos sem considerar o financiamento. O debate levou o grupo dos Países em Desenvolvimento com Posições Semelhantes – grupo que se organiza como negociador em bloco e representa mais de 50% da população mundial: Argélia, Bangladesh, Bolívia, China, Cuba, Equador, Egito, El Salvador, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Jordânia, Kuwait, Malásia, Mali, Nicarágua, Paquistão, Arábia Saudita, Sri Lanka, Sudão, Síria, Venezuela e Vietnã – a propor um "item contrário" referente ao aumento urgente do apoio financeiro dos países desenvolvidos.

Essa situação criou um dilema para os tomadores de decisão. A avaliação foi clara. Os esforços de mitigação são atualmente insuficientes e devem ser substancial e rapidamente aumentados. Ao mesmo tempo, os países em desenvolvimento querem que os países desenvolvidos cumpram suas promessas de fornecer financiamento para ajudá-los a se adaptar às mudanças climáticas. Em 2009, os países ricos se comprometeram a mobilizar US$ 100 bilhões anualmente até 2020 para apoiar ações climáticas nos países em desenvolvimento. Espera-se que essa promessa seja cumprida este ano. No entanto, grande parte do dinheiro foi disponibilizada na forma de empréstimos, o que aumenta a dívida dos países em desenvolvimento.

A injustiça é evidente. Como e por que se espera que países pobres e altamente endividados cubram os custos de se adaptar às mudanças climáticas das quais tiveram pouca responsabilidade? "É hora de acordar e agir. É hora de reconstruir a confiança com base na justiça climática. É hora de acelerar a transição justa para uma economia verde. Ainda é possível limitar o aumento da temperatura global a 1,5°C. Devemos encarar isso como um momento de esperança. Mas será necessário reduzir as emissões de carbono em 45% até 2030", disse Guterres. "A solução é clara: o mundo deve eliminar gradualmente os combustíveis fósseis de maneira justa e equitativa – deixando o petróleo, o carvão e o gás no subsolo, onde pertencem, e aumentando massivamente os investimentos em energias renováveis em uma transição justa".

Apesar de tudo isso, as discussões sobre o programa de trabalho em trajetórias de transição justa foram consideradas proveitosas por muitos delegados, assim como as discussões sobre a Avaliação Global, que ocorre a cada cinco anos. A aguardada primeira Avaliação Global, agendada para ser concluída na COP28 no final deste ano, é como fazer um inventário, significa examinar tudo relacionado ao progresso das ações e apoio climático no mundo, identificando lacunas e trabalhando juntos para traçar um caminho melhor para acelerar as ações climáticas. Espera-se que isso leve a planos nacionais de ação climática mais ambiciosos, alinhados aos objetivos do Acordo de Paris.

Em Bonn, também houve progresso na operacionalização do fundo de perdas e danos e nos acordos de financiamento. Da mesma forma, medidas de transparência para futuros eventos da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima foram introduzidas para abordar preocupações sobre conflitos de interesse, como a participação de observadores de empresas de petróleo, como vimos na COP27.

A um mês da Conferência de Bonn sobre Mudanças Climáticas, em sua última mensagem para o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, o Papa Francisco nos exortou a "transformar as políticas públicas que regem nossas sociedades e moldam a vida dos jovens de hoje e amanhã. Políticas econômicas que promovem riqueza escandalosa para poucos privilegiados e condições degradantes para muitos outros, significam o fim da paz e da justiça. É claro que as nações mais ricas contraíram uma 'dívida ecológica' que deve ser paga".

O Papa Francisco se junta militantes do clima ao segurar uma faixa durante uma audiência em 5 de junho no Vaticano, com os organizadores do Festival Verde e Azul. (CNS | Vatican Media)

Francisco também nos lembrou de “ouvir a ciência e instituir uma transição rápida e equitativa para acabar com a era dos combustíveis fósseis”, bem como todos os processos extrativistas que destroem a natureza e destroem a dignidade humana dos mais vulneráveis. “De acordo com os compromissos assumidos no Acordo de Paris para conter o aquecimento global, é absurdo permitir a continuação da exploração e expansão de infraestruturas de combustíveis fósseis”, disse o líder católico.

A COP28 precisa ser uma correção de rumo. Em Bonn, o presidente da COP28, Sultan Ahmed al-Jaber, admitiu que a redução gradual dos combustíveis fósseis é "inevitável", mas não sugeriu um cronograma. Dado que al-Jaber é CEO e diretor administrativo da Abu Dhabi National Oil Company, há preocupações dos observadores da UNFCCC sobre sua preparação para ser imparcial e mediar e garantir um resultado justo e bem-sucedido.

A conferência de Bonn abriu caminho para discussões em andamento sobre arranjos de financiamento e um fundo para perdas e danos durante a conferência de mudança climática da ONU em 2023. Mas, como exortou o Papa Francisco, ainda precisamos de mais acordos sobre uma eliminação rápida de todos os combustíveis fósseis, uma transição energética justa e acelerada e compromissos financeiros substanciais das nações ricas para apoiar os países pobres no enfrentamento da crise climática e na adaptação de uma forma que deixe ninguém atrás.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Depois de Bonn, a COP28 precisa ser uma correção de rumo na ação climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU