Campanha Despejo Zero: 190 mil podem perder suas casas, 11 mil no RS

Mais Lidos

  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Outubro 2022

Novos dados indicam aumento de mais de 400% de famílias ameaçadas de despejo com fim da medida do STF que garantia o direito à moradia durante a pandemia. Capital terá ato e caminhada nesta sexta-feira.

A reportagem é publicada por Jornal Extra Classe, 26-10-2022.

Em meio a um período eleitoral que trouxe à tona a ausência, ou a tímida presença, de políticas públicas para o setor de habitação nos planos dos candidatos à Presidência, a Campanha Despejo Zero, articulação formada por 175 organizações lança novos dados sobre a atual situação da área habitacional no país.

O mapeamento, com registros comparativos de março de 2020 a setembro de 2022, traz o aumento expressivo de grupos familiares ameaçados de despejo. Atualmente, há quase 190 mil famílias nessa condição, o que representa um crescimento de 901% em comparação com o início da pandemia.

O destaque é para o estado de São Paulo, que acumula quase 60 mil na iminência de despejo, seguido do Amazonas, com cerca de 28 mil famílias ameaçadas. No Rio Grande do Sul, o movimento estima quase 11 mil famílias gaúchas que poderão ser despejadas a partir de 31 de outubro com o vencimento do prazo da ADPF 828 do STF.

O balanço também revela um aumento de 453% no número de famílias despejadas no mesmo período. Em março de 2020, havia 6.373 atingidas por ações de despejo, em setembro de 2022 o registro é de mais de 35 mil famílias despejadas.

Com o corte de 98% no orçamento para a produção de novas moradias, realizado pelo governo federal, e com um déficit habitacional de quase 6 milhões de habitações, a suspensão dos despejos durante a pandemia e crise social tornou-se ainda mais necessária.

O levantamento aponta que, devido à ADPF 828, que restringiu as ações de remoções, despejos e reintegrações de posse durante a pandemia, mais de 151 mil pessoas foram protegidas de despejos forçados.

Ato e caminhada em Porto Alegre contra despejo

Nesta semana estão ocorrendo diversas mobilizações pelo país, reivindicando a prorrogação da suspensão dos despejos. Em Porto Alegre, na sexta-feira, 28, haverá concentração às 12h na esquina democrática e caminhada até a Defensoria Pública Estadual.

Uma reunião está agendada para às 14h entre dirigentes da Campanha Despejo Zero/RS e a dirigente do Núcleo de Defesa Agrária e Moradia da DPE/RS (Nudeam), Defensora Sabrina Backes, para a garantia do direito à moradia nas ações de reintegração de posse.

Será entregue à defensoria o relatório da Missão-Denúncia que visitou várias situações de irregularidade fundiária e de violações aos direitos humanos no estado onde foi possível registrar situações de conflitos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Campanha Despejo Zero: 190 mil podem perder suas casas, 11 mil no RS - Instituto Humanitas Unisinos - IHU