Aquecimento global aumentará os déficits de alimentos na África

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Outubro 2022

 

Sob o estresse combinado de populações crescentes e tendências atuais de aquecimento, muitas nações africanas enfrentarão crescentes déficits na produção de alimentos nas próximas décadas.

 

A reportagem é de Aaron Sidder, publicada por Futuro da Terra e reproduzida por EcoDebate, 10-10-2022. A tradição e edição é de Henrique Cortez.

 

A África tem uma das taxas de crescimento populacional mais rápidas do mundo. Os modelos de crescimento projetam que a população atual do continente de cerca de 1,3 bilhão de pessoas quase dobrará para 2,5 bilhões até 2050 – e é provável que continue crescendo além disso.

 

Ao mesmo tempo, a desnutrição é generalizada na África – 21% da população enfrenta insegurança alimentar – e o continente é especialmente vulnerável às mudanças climáticas. Regiões mais quentes já estão passando por desertificação e áreas de baixa produtividade agrícola são suscetíveis a choques climáticos de clima adverso, seca , inundações e chuvas irregulares. Os efeitos combinados do crescimento populacional e das mudanças climáticas levantam uma séria questão para o continente: como a África alimentará sua crescente população em condições cada vez mais hostis?

 

Beltran-Peña e DOdorico aplicaram os resultados de modelos agro-hidrológicos, climáticos e socioeconômicos para avaliar a autossuficiência alimentar e a vulnerabilidade climática de 49 países africanos em um cenário em que a temperatura média global é 3°C acima dos níveis pré-industriais até século.

 

Eles descobriram que, sob um clima 3°C mais quente, a África enfrentará um grave descompasso entre o tamanho da população e a autonomia alimentar. Em 2075, a produção de alimentos na África será capaz de alimentar apenas 1,35 bilhão de um número estimado de 3,5 bilhões de pessoas – uma descoberta que já explica o aumento da produtividade agrícola por meio de melhorias na irrigação e práticas sustentáveis.

 

Sob este cenário climático, as nações africanas terão que expandir as terras agrícolas e depender mais fortemente da importação de alimentos. Ambas as abordagens vêm com desvantagens: a expansão das terras agrícolas traz ramificações ecológicas potencialmente desastrosas, enquanto a dependência das importações tornaria a África mais suscetível à volatilidade dos preços globais dos alimentos. A análise indicou que a África Oriental e Ocidental terá as necessidades de importação mais significativas.

 

 

A pesquisa também sugeriu medidas para lidar com a previsão sombria. Aumentar a proporção de alimentos à base de plantas consumidos e melhorar o armazenamento de água – principalmente em regiões áridas – pode ajudar a mitigar a crescente insegurança alimentar, por exemplo. Além disso, reduzir pela metade as taxas atuais de perda e desperdício de alimentos poderia aumentar a produção doméstica de alimentos e alimentar mais 130 milhões de pessoas. No entanto, observam os pesquisadores, essas soluções não eliminarão os déficits alimentares projetados no continente.

 

O segundo dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas é acabar com a fome e a desnutrição. Esta pesquisa sugere que esse objetivo pode não ser viável na África sob o atual paradigma de emissões e aquecimento. (O Futuro da Terra, disponível aqui, 2022)

 

Referências

 

Sidder, A. (2022), Food deficits in Africa will grow in a warmer world, Eos, 103, disponível aqui. Publicado em 5 de outubro de 2022.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aquecimento global aumentará os déficits de alimentos na África - Instituto Humanitas Unisinos - IHU