Jovens africanos demandam iniciativas ecológicas aos bispos em encontro sobre a Laudato Si’

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Julho 2022

 

Nesta semana, bispos se reuniram em Dar Es Salaam, Tanzânia, para discutir formas de implementar a encíclica “Laudato Si’, sobre o cuidado da Casa Comum”, do Papa Francisco, e receberam sugestões dos jovens da região. Os jovens pressionaram os prelados a priorizarem energias renováveis e práticas verdes nas instâncias eclesiais, a apoiarem esforços de reflorestamento no continente, e a levantarem a bandeira ecológica como parte da ação ambiental e educacional da Igreja.

 

A reportagem é de Brian Roewe, publicada por EarthBeat, caderno do National Catholic Reporter, 14-07-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

As demandas dos jovens foram entregues à reunião dos bispos como parte da 20ª plenária da Associação dos Membros das Conferências Episcopais da África Oriental, um agrupamento regional de bispos da Eritreia, Etiópia, Quênia, Malawi, Sudão do Sul, Sudão, Tanzânia, Uganda e Zâmbia.

 

A reunião de nove dias (10 a 18 de julho), realizada em Dar Es Salaam, Tanzânia, foca no tema “impacto ambiental no desenvolvimento humano integral” pelo prisma da encíclica Laudato Si', do Papa Francisco. Espera-se que os bispos desenvolvam diretrizes para a Igreja Católica na África Oriental em todos os níveis para responder aos desafios ambientais como as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade que a região enfrenta.

 

“Este é um desafio urgente, pois a degradação ambiental e seu impacto ameaçam a própria existência da humanidade que Jesus veio salvar”, disse dom Charles Kasonde, da Diocese de Solwezi, Zâmbia, presidente da associação dos bispos da África Oriental, durante uma missa ao ar livre que abriu a plenária no domingo no Estádio Benjamin Mkapa.

 

Antes da reunião dos bispos, a Rede de Jovens Católicos para a Sustentabilidade Ambiental na África realizou sua própria assembleia de 8 a 9 de julho, onde os participantes compilaram uma declaração abordando os líderes da igreja e propondo 13 etapas a serem tomadas pela igreja. Trinta jovens delegados participaram do encontro, no qual discutiram a Laudato Si' e suas próprias respostas a ela, bem como os desafios que a igreja enfrentou para fazer o mesmo. Entre eles: a falta de apoio dos pastores e a falta de recursos para os jovens, principalmente a falta de empregos.

 

A juventude católica disse que as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade e a poluição são os principais problemas que o planeta enfrenta, mas também impactam desproporcionalmente as crianças e os jovens. Segundo o Índice de Risco Climático Infantil da UNICEF, cerca de 1 bilhão de crianças em todo o mundo – ou metade de todas as crianças – estão em “risco extremamente alto” dos impactos das mudanças climáticas, um risco especialmente concentrado no continente africano.

 

“As crianças e os jovens carregam o maior fardo das mudanças climáticas e estão chamando todos, especialmente os tomadores de decisão, a agir com a urgência necessária para garantir que não apenas as crianças e jovens de hoje, mas também as gerações futuras herdem um planeta habitável”, disseram os jovens católicos africanos em sua declaração.

 

A ameaça das mudanças climáticas já é evidente, acrescentou o jovem. Os últimos oito anos foram os mais quentes já registrados, 19 dos anos mais quentes ocorreram desde 2000 e o planeta já aqueceu aproximadamente 1,1 °C desde o final do século XIX. Nas taxas atuais, o mundo vai aquecer 1,5 °C – o limite de temperatura mais ambicioso estabelecido pelas nações sob o Acordo de Paris – em algum momento da próxima década, dizem os cientistas. E a perda de biodiversidade está acelerando em taxas históricas, com até 1 milhão de espécies em extinção até o final do século.

 

Sinais de impactos climáticos estão em toda a África. Grandes inundações mataram centenas de pessoas na África do Sul na primavera, enquanto secas prolongadas afligiram o Chifre da África. Ciclones destrutivos atingiram lugares como Malawi e Zâmbia, enquanto cidades costeiras como Dar Es Salaam enfrentam o aumento do nível do mar. Os desastres climáticos foram agravados pela pandemia de coronavírus e pela guerra na Ucrânia, que juntos contribuíram para uma crescente crise humanitária de fome em países africanos que dependem fortemente do trigo da Ucrânia e da Rússia.

 

“Estes são todos sinais críticos de alerta de uma verdade urgente e inegável: nosso planeta está doente”, disse a juventude católica a seus bispos, chamando sua seleção de temas necessária e oportuna.

 

Allen Ottaro, diretor-executivo da Rede de Jovens Católicos para a Sustentabilidade Ambiental na África, disse ao EarthBeat que as realidades ambientais e econômicas na África Oriental tornam a mensagem da Laudato Si' cada vez mais relevante “pois fala tanto ao grito da Terra quanto ao grito dos pobres”.

 

“O foco na implementação da Laudato Si' [no plenário] é, portanto, significativo, porque contribuirá para a ação urgente necessária para enfrentar a crise ecológica”, disse ele.

 

Diante de “esta imagem sombria de nossa casa comum”, os jovens católicos em seu comunicado disseram que permanecem esperançosos, em parte por causa de Francisco, “que falou tão poderosamente sobre a emergência climática e mais especialmente na Laudato Si', e que encorajou os jovens a conduzir um movimento para fazer a diferença.”

 

Nesse espírito, disseram os jovens católicos, eles ofereceram aos líderes da Igreja suas recomendações para que a Igreja na África Oriental aja de acordo com os ensinamentos da Laudato Si', citando uma passagem da encíclica para cada um de seus 13 pedidos.

 

Eles pediram aos bispos que adotem energia renovável, incluindo painéis solares, nas instituições da Igreja como forma de reduzir o consumo de combustíveis fósseis, o principal motor da mudança climática. Eles também pediram que as reuniões da Igreja abandonassem os plásticos de uso único e os substituíssem por materiais reutilizáveis, e incentivassem mais reciclagem, menos desperdício e a rejeição do consumismo.

 

Eles também propuseram que os bispos assinem a Plataforma de Ação Laudato Si' do Vaticano, uma iniciativa global que convida instituições católicas de todos os níveis a se comprometerem com planos de sete anos para concluir uma série de ações relacionadas à sustentabilidade e ecologia integral. Além disso, os jovens pediram que os bispos encontrassem maneiras de trabalhar em estreita colaboração com a iniciativa da Grande Muralha Verde da África – um grande esforço de restauração de terras que procura plantar dezenas de milhões de árvores em todo o continente na região do Sahel para impedir a expansão do deserto do Saara, incluindo Sudão, Djibuti, Etiópia e Eritreia.

 

Dentro da Igreja, os jovens pediram maior educação ambiental nos programas de formação da igreja para clérigos e leigos, que os ensinamentos ambientais fossem incluídos nas homilias e aulas de catecismo e que os bispos “liderem pelo exemplo” participando de plantações de árvores e remediações ambientais.

 

Eles também propuseram que os bispos criem “clubes Laudato Si'”, juntamente com um fundo Laudato Si', para liderar projetos comunitários, inclusive durante o Tempo da Criação (1 de setembro a 4 de outubro) e em um Dia Laudato Si'. Junto com isso, eles encorajaram os bispos a criar comitês ambientais intergeracionais nos níveis diocesano e regional para realizar esforços de conservação e capacitar jovens e mulheres em papéis de liderança.

 

“Pedimos aos nossos bispos que incutam nos membros da Igreja o espírito de cuidado da criação e participem ativamente da implementação da Laudato Si'”, disse o comunicado da juventude católica.

 

Ottaro disse ao EarthBeat que os jovens católicos sentiram que a declaração foi uma maneira importante para eles mostrarem seu compromisso de agir concretamente na vivência da Laudato Si' e demonstrar o diálogo e a ação intergeracional.

 

“Embora sejam a geração que arcará com o fardo mais pesado da crise ecológica, eles também estão em melhor posição para acelerar ações que ajudarão as comunidades a se adaptar e construir resiliência e adotar novos estilos de vida mais sustentáveis”, disse ele.

 

Ao proferir a homilia na abertura da plenária, o cardeal filipino Luis Tagle, chefe da Congregação do Vaticano para a Evangelização dos Povos, encorajou todos os cristãos a cultivar um espírito de cuidado com todos os seres vivos e com os delegados presentes para abordar as raízes dos desafios ambientais do mundo.

 

“Precisamos discutir a causa raiz da degradação ambiental para termos resoluções concretas após a assembleia. Caso contrário, teremos resoluções cosméticas da assembleia”, disse Tagle.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Jovens africanos demandam iniciativas ecológicas aos bispos em encontro sobre a Laudato Si’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU