Como latas vazias

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Mai 2022

 

De todas as notícias de guerra, muitas das quais de brutalidade infernal, esta dos cadáveres de soldados russos deixados no chão como latas vazias, e não reivindicados por Moscou, talvez seja a mais cruel. Se não houvesse numerosos testemunhos diretos, de muitas fontes diferentes, seria difícil acreditar que tal traição aos próprios filhos pudesse realmente ser realizada. Porque é disso que se trata: garotos de vinte anos enviados para morrer pelos seus pais e esquecidos na poeira e na lama. Levar de volta aqueles corpos para casa e entregá-los às suas famílias significaria admitir que os mortos russos são muitos milhares, talvez dez vezes mais do que os números oficiais.

 

A reportagem é de Michele Serra, publicada por La Repubblica, 15-05-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

O cuidado dos mortos é tão antigo quanto a civilização humana. Expressa piedade por aqueles que abandonam a vida e, ao mesmo tempo, contém a esperança de que a jornada continue em outro mundo.

 

Especialmente por esta razão em todas as culturas as práticas funerárias são tão precisas: é uma longa jornada, e tudo dever estar em ordem.

 

(Fonte: Reprodução Facebook Volodymyr Zelensky)

 

Especialmente para quem tem fé, ou diz ter fé, deixar um cadáver para os corvos e os ratos é um sacrilégio. Será que o Patriarca Kirill tem algo a dizer sobre isso, admitindo que ele encontre tempo, entre uma bênção da guerra "em defesa dos valores tradicionais" e uma maldição do Ocidente corrupto, para finalmente ser padre e lembrar de levar os sacramentos aos mortos, e dar-lhes sepultura.

 

Porque aqueles cadáveres abandonados inevitavelmente fazem pensar que aos líderes da Rússia os valores tradicionais não importam minimamente. Paradoxal que caiba a nós, não crentes, lembrar o patriarca de sua função.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Como latas vazias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU