Algumas reflexões no fim do Sínodo. Artigo de Severino Dianich

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Novembro 2023

"O tema subjacente ao qual foi convocado o Sínodo que, em última análise, é unívoco e muito simples, ou seja, a promoção de formas sinodais pelas quais todos os fiéis da Igreja possam partilhar a responsabilidade pelas decisões a tomar, ao longo do Caminho Sinodal. Estes últimos dois anos foram inevitavelmente carregados de muitas questões que hoje pesam na consciência eclesial".

A opinião é do teólogo e padre italiano Severino Dianich, cofundador e ex-presidente da Associação Teológica Italiana e professor da Faculdade Teológica de Florença, em artigo publicado por Settimana News, 02-11-2023.

Eis o artigo. 

Com inesperada rapidez, na noite de sábado, 28 de outubro, às 21h30, na véspera da celebração final na Praça São Pedro, os principais membros do Secretariado deram uma coletiva de imprensa e publicaram o “Relatório de Síntese” dos trabalhos da Primeira Sessão do Sínodo dos Bispos 2023-2024.

Os comentários na imprensa multiplicaram-se rapidamente. O tom geral, pelo que pude perceber, não foi de dura crítica, mas quase todos observaram a timidez nas propostas de soluções para problemas que exigiriam ousadia no seu enfrentamento.

É difícil resumir

O tema subjacente ao qual foi convocado o Sínodo que, em última análise, é unívoco e muito simples, ou seja, a promoção de formas sinodais pelas quais todos os fiéis da Igreja possam partilhar a responsabilidade pelas decisões a tomar, ao longo do Caminho Sinodal. Estes últimos dois anos foram inevitavelmente carregados de muitas questões que hoje pesam na consciência eclesial.

Os editores do Instrumentum laboris tiveram o cuidado, com razão, de não abandonar nenhuma das muitas questões que tinham sido apresentadas e que foram cuidadosamente recolhidas nas seis assembleias continentais da primavera passada. Foi assim que os sinodais, no início dos trabalhos, se viram com uma Planilha nas mãos, de 50 páginas de papel 30x20, munida de uma bateria de planilhas repletas de perguntas. Demasiados ferros no fogo para uma assembleia de 350 pessoas num mês, mesmo durante 46 horas por semana (coisa para trabalhadores do século XIX!).

Os grupos de 10 a 12 pessoas (círculos menores) trabalhavam todos os dias em um subtema de um tema e, portanto, era bem possível focar no tema, enquanto as Congregações Gerais eram sobrecarregadas por intervenções genéricas e não específicas … raramente fora do assunto. Os moderadores foram demasiado benevolentes: apenas num caso a palavra de um discurso que foi anunciado como irrelevante foi removida.

Vêm das mais diversas partes do mundo, diferindo na língua (o serviço de tradução simultânea é excelente), nos costumes, nas formas de pensar, nas situações de vida e até nas mais variadas vestimentas, desde os diferentes toucados dos bispos orientais até às toucas das freiras. À elegância refinada das senhoras, cada uma sentiu a necessidade de dizer como vivia a sua Igreja e quais os problemas que tinha de enfrentar.

Mas foi difícil fazer um balanço do tema, tal como os comentadores agora lutam para o fazer: “Por uma Igreja sinodal”. A justificar ambos está o subtítulo, que pretendia difundir a reflexão em três eixos: “Comunhão, participação, missão”, ampliando enormemente os espaços de reflexão. Se, como muitos observaram, o relatório de síntese cobre demasiados temas, sem os aprofundar adequadamente, se sofre de uma certa imprecisão, repete perguntas e acumula referências para estudos mais aprofundados, em vez de apresentar propostas de soluções, deveria ser à amplitude das questões que surgiram na consulta ao povo de Deus nos últimos dois anos e ao objetivo relativamente modesto a alcançar, dado que nesta sessão tivemos que parar a meio caminho, entregando a tarefa final ao trabalho da Segunda Sessão.

Para dizer a verdade, é preciso notar também que o nível de reflexão teológica e a profundidade de análise das situações concretas de algumas intervenções não foram muito brilhantes. Em particular, fiquei impressionado com a dificuldade de muitos em encarar e tirar as consequências do fenômeno do abandono da fé, na Europa e na América do Norte, por um grande número de pessoas batizadas.

Um evento histórico

O Sínodo dos Bispos, que fique claro, não é um concílio ecumênico. Não tem poder deliberativo. É um órgão consultivo do Papa, ao qual cabe tomar as decisões finais. Não teria sido realista esperar decisões perturbadoras, especialmente desta primeira assembleia sinodal.

No entanto, confesso que durante todo o trabalho a memória do Concílio Vaticano II me assombrou. Sou agora um dos poucos que pode dizer: “Eu estava lá”, mesmo que sem qualquer função: simplesmente agia como secretário do meu arcebispo. Embora o clima deste Sínodo tenha sido completamente pacífico, apesar da diversidade de posições assumidas, o do Concílio foi quase sempre agitado.

O conflito entre as diferentes posições dos padres, porém, foi fecundo e revelou de fato que o Espírito Santo guia a Igreja: no fim, de fato, os padres conciliares chegaram a decisões muito ousadas e, depois de muita batalha, chegaram quase consenso unânime em todos os documentos.

Uma vez constatadas as fragilidades desta primeira sessão do Sínodo, seria tolice não medir a real dimensão do acontecimento, cuja importância merece, sem temer o uso exagerado do termo, ser definida como histórica. É a primeira vez na história da Igreja, salvo uma negação improvável e excluindo a experiência das Igrejas da Reforma, que bispos e cardeais, fiéis leigos e leigas, freiras, padres, diáconos e frades foram vistos sentados no mesma mesa, com o mesmo direito de voto para determinar as decisões a tomar.

As próprias imagens das 36 mesas redondas na luminosa e magnífica Sala Nervi [Paulo VI] estão destinadas a ter um impacto singular no imaginário coletivo dos fiéis. O próprio “Relatório de Síntese”, apesar das suas limitações, não deixa de nos dar, aqui e ali, declarações surpreendentes, que não podem deixar de se revelar fecundas no futuro.

Algumas questões relevantes

Não é de estranhar mas, a meu ver, é de fundamental importância o reconhecimento recorrente de que os fiéis leigos são verdadeiros sujeitos da missão nas suas atividades sociais, de que as suas experiências e competências são a concretização, para cada um, de uma vocação específica. Portanto, não é a sua frequência assídua aos espaços eclesiais que estabelece a sua relevância na participação nos processos de decisão da Igreja, mas sim o seu “genuíno testemunho evangélico nas realidades mais ordinárias da vida”.

Outra solicitação relevante presente no Relatório de Síntese é a necessidade, reiterada diversas vezes, de empreender uma revisão do Código de Direito Canônico. Mesmo entre teólogos e canonistas, poucas vozes se levantaram no passado para perguntar a mesma coisa e não creio que seja fácil encontrar uma proposta deste tipo em qualquer documento oficial. No entanto, o Código de 1983 é decididamente inadequado para satisfazer as necessidades de uma promoção séria da sinodalidade.

O relatório também sugere algumas áreas de atuação: tornar obrigatórios os conselhos pastorais em diferentes níveis, dotando-os, sob certas condições, da capacidade de dar voto deliberativo, conferindo também às mulheres "papéis de responsabilidade no cuidado pastoral e no ministério" e do papel de “juízes em todos os processos canônicos”, favorecendo “um exercício mais colegial do ministério papal”, libertando o bispo da função de juiz, a ser confiada a outros, para lhe permitir exercer a sua paternidade.

Além disso, no contexto da ordem canônica das Igrejas Orientais, é solicitada uma atualização das suas relações atuais com a Santa Sé no que diz respeito à nomeação dos bispos.

É também a primeira vez, salvo eventual negação de uma verificação a realizar, que num documento oficial se levanta a questão da obrigação do celibato dos sacerdotes: "Se a sua conveniência teológica com o ministério presbiteral deve necessariamente ser traduzida para o latim Igreja em obrigação disciplinar”.

A denúncia, especialmente das mulheres, do chauvinismo e do clericalismo é recorrente e robusta. Tanto é assim que, no fim, a assembleia sentiu o dever de expressar toda a gratidão da Igreja aos sacerdotes pelos seus esforços diários no ministério pastoral, para evitar até mesmo a aparência de querer emitir um julgamento negativo generalizado sobre eles.

No tão esperado debate sinodal sobre a questão do acesso das mulheres ao diaconato, o relatório sumário permanece na mistura, apontando a existência daqueles que o rejeitam porque não está presente na Tradição, daqueles que veem nele a recuperação de uma Tradição das suas origens e de quem a considera uma “resposta adequada e necessária aos sinais dos tempos”.

Depois de ouvir uma bela e convincente lição de um teólogo australiano, Ormond Rush, sobre a “Tradição Viva”, eu teria esperado um passo concreto em frente, o que não aconteceu. Se há uma área da doutrina católica dos sacramentos em que a tradição se revela extremamente móvel, é precisamente a do sacramento da Ordem. Entre os mil detalhes que poderiam ser lembrados, bastaria dizer que, para o Concílio de Trento, o subdiaconato era um grau da Ordem, enquanto o episcopado não era, enquanto para o Concílio Vaticano II o episcopado é enquanto o subdiaconato desaparece de cena.

Cristãos LGBT

As expectativas da opinião pública, para ser honesto, alimentadas artificialmente pelos meios de comunicação social, que produzirão maiores desilusões, dizem respeito à possível inclusão de pessoas LGBTQ nos papéis ativos das comunidades cristãs.

Não que a assembleia sinodal tenha ficado indiferente ao problema: houve uma grande emoção ao ouvir uma jovem polaca falar sobre uma das suas irmãs que se tinha suicidado, depois do seu confessor ter negado a sua absolvição.

Foi reafirmado o imperativo cristão de não desrespeitar a dignidade de qualquer pessoa e o dever da Igreja de corresponder "às pessoas que são ou se sentem feridas ou negligenciadas pela Igreja, que desejam um lugar para voltar para casa (...) e onde se sentirem seguros, para ser ouvido e respeitado, sem medo de se sentir julgado".

Mas, ao abordar a questão de como reintegrá-los nos papéis comunitários, a assembleia reconheceu realisticamente que as questões relacionadas com a identidade de gênero e a orientação sexual também são controversas na Igreja, porque colocam novas questões.

Sente-se o dever de promover o discernimento sobre os aspectos doutrinais, pastorais e morais da questão “à luz da Palavra de Deus, do ensinamento da Igreja e da reflexão teológica”. Acrescenta-se a intenção de envolver “especialistas de diferentes competências e formações” na reflexão comum e de “dar espaço também à voz das pessoas diretamente afetadas pelas controvérsias mencionadas”, garantindo-lhes “um contexto institucional que proteja a confidencialidade dos debate e promove a franqueza de comparação”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Algumas reflexões no fim do Sínodo. Artigo de Severino Dianich - Instituto Humanitas Unisinos - IHU