Eleições primárias na Argentina, agosto de 2023: FMI, inflação e extrema direita

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Agosto 2023

"É importante lembrar que as eleições primárias da Argentina não definem as eleições e sim quem vai disputar o pleito. Há volatilidade dos votos, mas não ao ponto de mudar mais de 50%. Com 70% de comparecimento eleitoral, o país se divide em três terços de preferência de votos e outros trinta de abstenção", escreve Bruno Beaklini, editor dos canais do Estratégia & Análise, militante socialista libertário de origem árabe-brasileiro, doutor e mestre em Ciência Política pela UFRGS, em artigo publicado por Monitor Oriente Médio, 15-08-2023. 

Eis o artigo. 

No domingo, 13 de agosto deste corrente ano, ocorreram as eleições primárias na Argentina. A coalizão liderada pelo economista ultraliberal Javier Milei recebeu 30,0% dos votos. O resultado “surpreendeu”, porque nas eleições provinciais em que o partido Libertad Avanza concorreu, terminou por sofrer derrotas enormes. Já a coalizão da direita (composta pelo PRO somado a maior parte da UCR), denominada “Juntos por el Cambio”, saiu em segundo lugar, com 28,3% da votação. Em terceiro chegou o oficialismo, com duas candidaturas, totalizando 27,3% dos votos.

Os ultraliberais liderados pelo midiático Milei – um economista e operador do mercado de capitais que já foi o mais entrevistado do país por cerca de três anos consecutivos – não tiveram disputas internas. Sua candidata a vice é deputada nacional como ele, e esta é a formação da bancada da extrema direita de linha chilena, com discurso que oscila entre Trump e Bolsonaro. As internas mais duras foram as da direita, com elementos de ultradireita. O prefeito da Cidade Autônoma de Buenos Aires (CABA, capital federal), Horacio Rodríguez Larreta, perdeu a primária para a ex-ministra de segurança de Mauricio Macri, Patrícia Bullrich (a diferença foi de 17,0% para 11,3% respectivamente).

Já no peronismo que participa do atual governo, a interna foi favorável ao atual ministro de economia, Sergio Massa (ex-prefeito do município de Tigre e ex-candidato a presidente em 2015), com 21,4% dos votos, que ganhou da esquerda cristã de base peronista, liderada por Juan Grabois, que registrou 5,9% dos votos. Este segundo fez dobradinha com Paula Abal Medina, cujo sobrenome carrega consigo o peso do tio mártir da resistência e do pai que foi secretário de Perón e trabalhou junto ao breve período de Héctor Cámpora na Casa Rosada. Já Massa, tem como vice a Agustín Rossi, ex-diretor da Agência Federal de Inteligência (AFI, sucessora da mal afamada SIDE) e, no presente, chefe de gabinete ministerial do presidente Alberto Fernández.

Duas votações minoritárias foram para o peronismo das províncias, em Juan Schiaretti – atual governador da importante província de Córdoba – com 3,8% dos votos nacionais. Por esquerda, a frente eleitoral trotsquista (uma delas) somou 2,7% das preferências, indicando Myriam Bregman como candidata escolhida a concorrer no primeiro turno.

Duas eleições regionais ocorreram simultaneamente e têm relevância nacional. Na interna da direita para disputar o governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires (CABA), Jorge Macri, primo do ex-presidente e ele mesmo um ex-prefeito do município vizinho de Vicente López, recebeu 28,69% dos votos, ganhando de Juan Lousteau (o favorito de Larreta), que registrou 27,19% dos votos. Já o peronismo representado por Leandro Santoro fechou com surpreendentes 22,17%, quase 10 pontos a frente do representante de Milei para a capital, Ramiro Marra, que recebeu 12,98%.

No maior colégio eleitoral e mais importante território, a Província de Buenos Aires, o atual governador e ex-ministro de Economia de Cristina Fernández de Kirchner, Axel Kiciloff, ganhou com 35,6% dos votos, 10 pontos a frente das duas listas de Juntos por el Cambio e 14 pontos adiante da candidata da extrema direita, Carolina Píparo. Desta forma, capital e o conurbano boanerense não deram a vitória para Milei nem para seus prepostos, se tornando a grande possibilidade da virada, já que Milei ganhou em 16 dos 24 distritos eleitorais do país.

As dificuldades estruturais da Argentina após o governo de Mauricio Macri

Em junho de 2018, o então presidente Mauricio Macri (líder político de Juntos por el Cambio, fundador do partido PRO, da direita neoliberal e com passado menemista) assinou o acordo junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que ultrapassa em 127 vezes a capacidade de endividamento do próprio país. Pode ter sido o último de uma série de empréstimos que são assinados desde 1956. É importante lembrar que no primeiro ano do governo de Néstor Kirchner foi decretada uma moratória que abateu mais de 70% da dívida contraída nas administrações anteriores, em especial na desastrosa presidência de Fernando De la Rúa – que termina escapando de helicóptero pelo teto da Casa Rosada, a sede do Poder Executivo argentino. Vale observar que Patrícia Bullrich era ministra também no desastre de 2001.

Os quase 57 bilhões de dólares contraídos junto ao FMI deixaram uma dívida para ao menos duas gerações de argentinos e escasseia as reservas internacionais de uma economia que é bimonetária. Infelizmente, a poupança argentina é praticamente dolarizada e o país depende das safras agrícolas voltadas para a exportação. Com a dívida privada coberta pelo Tesouro Nacional, a falta de empenho do governo de Alberto Fernández em cobrar e coibir o crime financeiro – e a escalada do câmbio especulativo –, e a seca no campo do país (em 2022), as condições de pagamento das parcelas da dívida externa e de financiamento do Estado caíram bastante.

No plano regional, a meta do peronismo oficial é buscar transações bilaterais entre Brasil e Argentina – sem fazer uso do dólar como moeda aduaneira entre os dois países –, assim como estipular bases e acordos que não usem o dólar para estas transações. As relações entre a Argentina e a República Popular da China, com empréstimos em yuanes e a possibilidade de pagar parcelas junto ao FMI na moeda chinesa, são outra meta estratégica. Do mesmo modo, são variáveis importantes os acordos do Mercosul junto à União Europeia, tanto na atração de fundos de investimento como na complementaridade de ambas economias. Outro vetor fundamental é a conclusão do Gasoduto Presidente Néstor Kirchner e as possibilidades de uso do gás como commodity de securitização das transações bilaterais com o Brasil, incluindo uma possível fábrica de fertilizantes.

Quase todos os planos estratégicos citados acima são parte da campanha do candidato oficialista Sergio Massa, um operador político de centro-direita, mas com uma inflexão de algum desenvolvimento e reindustrialização. Não há um compromisso público de Milei ou de Bullrich neste mesmo sentido, cuja inflexão é muito mais neoliberal do que o passado recente de Massa e apontam para aumentar a primarização econômica sem entrar no problema da generalização da pobreza e da concentração de renda.

Surpreendentemente, a economia argentina está crescendo, apesar da pressão inflacionária gerada a partir da fuga de dólares (há um PIB inteiro de recursos financeiros da elite argentina em depósitos no exterior). A distribuição de ingressos é baixa, como acusa a presença eleitoral mais à esquerda (notadamente com forças trotsquistas, que ultrapassa pouco de 3% do total eleitoral, assim como outras correntes da esquerda eleitoral) e cada vez mais cresce o trabalho informal. A correção deste rumo, buscando um nível efetivo de emprego direto, trabalho vivo e renda em toda a pirâmide social está distante muito em função da crescente concentração empresarial e da pouca efetividade do atual governo (de Alberto) em combater este mesmo fenômeno.

Sempre há uma possibilidade de conspiração jurídico-midiática na política argentina

Por fim, cabe observar a ofensiva legal do sionismo na Argentina. Após os dois atentados da década de 1990 – contra a embaixada do Estado de Israel em março de 1992 e contra a Associação Mutual Israelesen Argentina, AMIA, em julho de 1994 – há um grande constrangimento na realização de críticas contra o sionismo e sua presença imperialista e aliada dos EUA. As operações de Lawfare (emprego da lei como arma de guerra) ganham ainda maior relevância após o misterioso suicídio do procurador Alberto Nisman – que acusava erroneamente a Cristina Kirchner de ser cúmplice ao esconder provas nos inquéritos do atentado da AMIA, em janeiro de 2015.

Nao se pode dissociar a derrota eleitoral dos aliados do kirchnerismo neste ano de 2015 com a difusão midiática da campanha de Nisman contra o Poder Executivo. O fantasma da violência política, em um país com mais de 30.000 mortos e desaparecidos durante a última ditadura militar (1976-1983) esteve presente no atentado contra a vice-presidenta (e ex-presidenta) Cristina Fernández de Kirchner, em setembro de 2022. Os envolvidos diretos estão presos, mas as investigações não avançam e as provas contidas nos celulares foram simplesmente apagadas! Outra demonstração cabal do pouco empenho e contundência do governo Alberto em solucionar os problemas reais e solucionáveis do país.

O jogo está em aberto

É importante lembrar que as eleições primárias da Argentina não definem as eleições e sim quem vai disputar o pleito. Há volatilidade dos votos, mas não ao ponto de mudar mais de cinquenta por cento. Com 70% de comparecimento eleitoral, o país se divide em três terços de preferência de votos e outros trinta de abstenção. Definitivamente, hoje não há uma previsão do resultado eleitoral no país, mas há uma boa chance do peronismo conseguir chegar na realização de um segundo turno.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Eleições primárias na Argentina, agosto de 2023: FMI, inflação e extrema direita - Instituto Humanitas Unisinos - IHU