Principal autoridade da Itália sobre abuso sexual na Igreja critica comissão independente da França

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2022

Dom Lorenzo Ghizzoni, chefe do escritório de proteção a menores da Conferência Episcopal Italiana – CEI, critica duramente os bispos franceses por permitirem que “pessoas que nada sabem sobre a vida da Igreja” investiguem e denunciem abusos sexuais

A reportagem é de Loup Besmond de Senneville, publicada por La Croix International, 22-11-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

O bispo católico que supervisiona as denúncias de casos de abuso sexual clerical na Itália emitiu uma crítica contundente a seus confrades na França por permitir que uma comissão independente investigue os abusos na Igreja.

“Não vamos projetar dados ou fazer uma amostragem, como fizeram outras entidades eclesiais, com cifras que só atraem quem quer criar problemas”, disse dom Lorenzo Ghizzoni, que está à frente órgão de proteção a menores da CEI, na conferência “Ao lado das vítimas”, proferida no último sábado (19), na Pontifícia Universidade Lateranense.

Os comentários do arcebispo de 67 anos, relatados pela agência de notícias ANSA, foram vistos como uma crítica implícita à Comissão Independente de Abuso Sexual na Igreja – CIASE, da França. A comissão publicou um relatório devastador em outubro de 2021 que dizia que cerca de 216 mil crianças foram abusadas por padres e religiosos entre 1950 e 2020.

Este método “produziu danos em outro lugar”

“Não vamos criar uma única comissão nacional formada por pessoas que nada sabem da vida da Igreja, que só são qualificadas como objetivas porque não são bispos, nem padres, nem crentes”, continuou Ghizzoni, que administrou a Arquidiocese de Ravenna, no norte da Itália, desde 2012. Ele disse que tal comissão nacional “produziu danos em outros lugares” e “não deve ser imitada”. “Vamos analisar os dados reais e tentar encontrar formas de prevenção”, continuou ele. “O que nos interessa não é expor os padres à punição em praça pública, mas prevenir os abusos”.

Suas observações foram feitas apenas dois dias depois que a CEI apresentou seu primeiro relatório sobre abuso sexual relacionado à Igreja na Itália. Ele disse que 89 supostas vítimas se apresentaram durante o período de um ano entre 2020 e 2021 para denunciar abusos. O texto da CEI diz que os casos de outras 613 vítimas italianas foram enviados nos últimos anos ao Dicastério para a Doutrina da Fé, que é responsável por investigar o abuso sexual de menores.

“Não estamos muito interessados em números se não forem para prevenção”, disse Ghizzoni ao La Croix em março. “Queremos uma análise qualitativa, não quantitativa, para conhecer nossos pontos fortes e fracos”, afirmou.

Dados “questionáveis”

A CEI adotou uma abordagem interna e está baseando sua reportagem em casos que já são conhecidos, seja por serem resultado de denúncias feitas a centros de escuta diocesanos, seja por terem chegado ao Vaticano. Não é a primeira vez que os bispos italianos criticam a CIASE, apresentando o método escolhido pelos bispos franceses como um contraexemplo que não deve ser seguido para combater o flagelo da pedocriminalidade na Igreja.

“Alguns dados podem ser realmente questionáveis, como vimos na França, e não queremos criar polêmica”, disse o cardeal Matteo Zuppi, presidente do CEI, em maio passado. “Vamos assumir nossas responsabilidades. Mas, na verdade, já assumimos”, afirmou na época. “No que diz respeito à pesquisa (da CIASE) na França, recebi outras três pesquisas realizadas por acadêmicos que a destroem”, disse ele um mês depois em entrevista ao jornal La Repubblica, de Roma.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Principal autoridade da Itália sobre abuso sexual na Igreja critica comissão independente da França - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV