Ucrânia: Igreja Ortodoxa ligada a Moscou contra iniciativas de lei que "visam descaradamente privar milhões de ucranianos do direito à liberdade de religião"

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • Fogo atinge floresta da TI Yanomami e Hutukara pede providências

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Abril 2022

 

"Apesar do apelo do presidente Zelensky para não incitar ao ódio religioso durante a guerra, os parlamentares ucranianos decidiram, por meio de iniciativas legislativas, proibir descaradamente e cinicamente as atividades da Igreja Ortodoxa Ucraniana e privar milhões de ucranianos do direito à liberdade de religião”.

 

Palavras duríssimas são usadas hoje pela Igreja Ortodoxa Ucraniana (ligada ao Patriarcado de Moscou) para criticar dois projetos de lei apresentados ao parlamento ucraniano: o primeiro é datado de 22 de março passado e está relacionado à "proibição do Patriarcado de Moscou no território da Ucrânia" enquanto o segundo data de 26 de março e propõe modificar a lei "Sobre a liberdade de consciência e as organizações religiosas" de forma a proibir as atividades daquelas organizações religiosas cujo centro de governo esteja localizado fora da Ucrânia e "em um estado reconhecido pela lei como agressor militar contra a Ucrânia”.

 

A reportagem é publicada por SIR, 31-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Assim dizia o comunicado divulgado esta manhã: "Embora as forças da ordem não tenham apresentado denúncias à Igreja Ortodoxa Ucraniana sobre a violação da segurança nacional, soberania e integridade territorial da Ucrânia, os deputados em sua nota explicativa ao projeto de lei fazem deliberadamente acusações falsas contra a Igreja Ortodoxa Ucraniana na tentativa de enganar os parlamentares ucranianos”. "Além disso, proibir as pessoas de pertencerem à Igreja Ortodoxa Ucraniana viola seu direito à liberdade de religião, o que é contrário à Convenção Europeia dos Direitos Humanos e à Constituição da Ucrânia".

 

No comunicado, ressalta-se também como o Primaz da Igreja Ortodoxa Ucraniana, Sua Beatitude Onufriy, Metropolita de Kiev e de toda a Ucrânia, convidou todos os fiéis a “defender nosso Estado e sua integridade territorial e soberania”. Iniciativas legislativas deste tipo correm o risco de "quebrar essa unidade ao provocar polêmicas por motivos políticos, linguísticos e religiosos".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ucrânia: Igreja Ortodoxa ligada a Moscou contra iniciativas de lei que "visam descaradamente privar milhões de ucranianos do direito à liberdade de religião" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU