Paulo Freire propôs educação que une vivência e conhecimento

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Junho 2019

Estudado em Harvard e um dos mais citados no mundo, Paulo Freire dizia que a educação deve estar ligada ao cotidiano das pessoas

A reportagem é de Valéria Dias, publicado por Jornal da USP, 05-06-2019.

O educador Paulo Freire tem sido muito criticado por alguns setores da sociedade e apontado como o grande culpado pelo atual estado da educação no Brasil. Na coluna desta semana, Renato Janine Ribeiro fala sobre o grande legado do educador: mostrar que a educação, a começar pela alfabetização, deve estar ligada ao mundo em que o educando vive e com o cotidiano dele. Para Janine, isso hoje parece ser tão óbvio que mal faz sentido discutir isso.

“O que Paulo Freire trouxe foi uma atenção extraordinária voltada para as vivências, sobretudo das crianças, e perceber que, em vez de essas vivências serem problemas, podem ser fatores positivos”, destaca. Para Janine, essa é a mensagem de Paulo Freire que não pode ser desconsiderada e que o leva a ser um dos autores mais citados no mundo, inclusive, na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

O professor comenta a fala recente de um outro educador, Mário Sergio Cortella, que falou de uma lição habitual no ensino fundamental: pedir ao aluno para falar com o pai e perguntar como era o bairro onde ele passou a infância. Por mais estranho que pareça, essa questão causa um extraordinário incômodo, pois muitas crianças não têm pai. Então, essas crianças ficam envergonhadas e faltam na aula ou não fazem a lição, e são acusadas pelos professores, muitas vezes, de serem preguiçosas. “Mas, na verdade, são as condições concretas de vida que tornam difícil para essa criança responder uma pergunta que, para uma pessoa que venha de uma família estável, é muito mais fácil é trivial”, explica o colunista.

Essa forma de educar é a chamada Pedagogia do Oprimido, ou seja, de pessoas oprimidas que devem vencer a opressão. É por esse lado que Paulo Freire foi acusado de ser esquerdista, subversivo, e é por isso que alguns setores conservadores têm verdadeiro ódio dele. “Mas alguém quer, em sã consciência, uma sociedade de pessoas oprimidas, humilhadas? Uma pessoa de bem, uma pessoa decente, honesta, pode querer isso? Ou, ao contrário, para que a nossa sociedade seja boa, você precisa que as pessoas estejam realmente diante de oportunidades parecidas, iguais. Porque, se não for isso, o que vamos fazer? Vamos ser injustos com cada criança em específico e vamos desperdiçar talentos em relação à sociedade como um todo.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Paulo Freire propôs educação que une vivência e conhecimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU