Comer Deus. Da última ceia à hóstia entregue: a história não só política da Eucaristia

Mais Lidos

  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Novembro 2021

 

"No ensaio, os milagres eucarísticos são lembrados e descritos (quando a hóstia em algumas circunstâncias se transmutava literalmente em um pedaço de carne) e se chega aos dias de hoje com a diatribe 'política' sobre a comunhão. Os clérigos de direita, por exemplo, nesta emergência pandêmica contestam a obrigação da comunhão dada nas mãos dos fiéis. Liturgicamente foi um desdobramento do Concílio Vaticano II e é um retorno às origens do cristianismo, antes da 'clericalização' da Eucaristia que inseriu uma distância entre o sacerdote e os participantes da missa", escreve Fabrizio D'Esposito, em artigo publicado por Il Fatto Quotidiano, 08-11-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo.

 

Corpus Domini. A Eucaristia. O corpo e sangue de Cristo. O pão partido por Jesus na última ceia, na Quinta-feira Santa, antes da sexta-feira da crucificação e da morte. A hóstia consagrada é o centro da fé de todo católico e sobreviveu a vinte séculos de disputas teológicas, codificações da Santa Sé, até mesmo sacrilégios nos ritos satânicos ou mágicos no século XVI das bruxas e da Inquisição.

Mas de que forma está Cristo na Eucaristia? Católicos e reformadores protestantes de várias origens (não apenas luteranos) discutiram por décadas sobre a presença de Jesus na hóstia preparada com trigo.

Uma questão complexa. Para Roma, São Tomás de Aquino codificou a doutrina. Uma palavra difícil, talvez ouvida sem compreender seu sentido ou significado: transubstanciação. Ou seja, o momento da missa em que o pão e o vinho não mudam “suas propriedades químicas, visto que a substância” que se transforma não é “entendida em sentido físico, mas sim metafísico”. Em suma, o pão e o vinho mantêm as suas qualidades organolépticas, mesmo mudando a substância.

Mangiare Dio. Una storia dell’eucarestia

Intitula-se Mangiare Dio. Una storia dell’eucarestia (Comer Deus. Uma história da Eucaristia, em tradução livre, Einaudi, 251 páginas, 28 euros) o belo ensaio que o estudioso Matteo Al Kalak dedicou a um levantamento histórico e cultural do pão e do vinho que há quase dois mil anos se transformam no altar no corpo e sangue de Cristo. Al Kalak descreve em detalhes todas as etapas desse sacramento.

A Idade Média será decisiva por muitos motivos, onde duas tendências se chocaram na Igreja de Roma na era da Contrarreforma sancionada pelo Concílio de Trento. Por um lado, o rigorismo que combatia o laxismo eucarístico. Na prática, apenas aqueles que eram verdadeiramente "dignos" podiam se aproximar da comunhão. Por outro lado, ilustres prelados que depois se tornaram santos - o arcebispo Alfonso Maria de Liguori e o cardeal Carlo Borromeo - e sobretudo os jesuítas que lutaram para aproximar o maior número possível de fiéis ao corpo de Cristo, lembrando também o valor "medicinal" para a alma da Eucaristia.

No ensaio, os milagres eucarísticos são lembrados e descritos (quando a hóstia em algumas circunstâncias se transmutava literalmente em um pedaço de carne) e se chega aos dias de hoje com a diatribe "política" sobre a comunhão. Os clérigos de direita, por exemplo, nesta emergência pandêmica contestam a obrigação da comunhão dada nas mãos dos fiéis. Liturgicamente foi um desdobramento do Concílio Vaticano II e é um retorno às origens do cristianismo, antes da "clericalização" da Eucaristia que inseriu uma distância entre o sacerdote e os participantes da missa.

De qualquer forma, a ideia que deu origem ao ensaio é chocante. Começa a partir de um conhecido evento trágico em outubro de 1972, quando uma aeronave da Força Aérea Uruguaia caiu nos Andes, na fronteira entre o Chile e a Argentina. Os sobreviventes do acidente, para sobreviver, comeram a carne de seus companheiros. Canibalismo. Naquele avião estavam os jovens de um time de rúgbi de uma escola de Montevidéu: os Old Christians. Eles eram católicos e para ganhar força pensaram no paralelo entre a carne invisível do Cristo-hóstia e aquela de seus amigos mortos. Comer Deus, justamente.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comer Deus. Da última ceia à hóstia entregue: a história não só política da Eucaristia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU