São Charles de Foucauld. O irmão universal, místico do silêncio no deserto

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Dezembro 2023

Estamos diante de um místico contemplativo do nosso tempo, que nos trouxe a chamada “Espiritualidade do deserto”. Nasceu em Estrasburgo em 15 de setembro de 1858, descendente de uma família que detinha o título de Viscondes de Foucauld. Aos 6 anos, ainda criança, ficou órfão de pai e mãe, e dele cuidou seu avô, que se esbanjaria de amor e carinho pelo pequeno Charles. A vida continuou e ele teve que enfrentar a situação tal como ela se apresentava. Em 28 de abril de 1872, fez a Primeira Comunhão e foi confirmado no mesmo dia, mas logo se tornaria vítima de uma sociedade sem Deus e se afastou para pensar apenas em si mesmo e em como satisfazer seus próprios desejos.

A reportagem é de Ángel Gutiérrez Sanz, publicada por Religión Digital, 30-11-2023. 

Em 1876, ingressou na Academia de Oficiais. Após terminar os estudos militares, seu avô morre e ele recebe uma grande herança. É um jovem de 20 anos que só pensa em viver bem e comer melhor, por isso o chamam de “Fat Foucauld”. "Durmo muito. Como muito. Acho pouco”, ele mesmo nos dirá. Em outubro de 1880, Charles foi enviado para a Argélia, de onde foi demitido por comportamento nada exemplar.

 (Foto: Religión Digital)

Mais tarde trabalharia incógnito em Marrocos como explorador e geógrafo realizando um excelente trabalho de investigação o que lhe valeu a medalha de ouro da Sociedade Geográfica de Paris e o que é mais importante a publicação desta obra no ano de 1883-84, sob o título “Reconnaissance au Maroc” o catapultaria para a fama, mas nessa altura já estava envolvido em outros assuntos. Uma crise espiritual o tirou da cabeça. “Meu Deus, se você existe, deixe-me conhecê-lo.” Esta foi a oração desesperada de uma alma que procurava Deus em todos os lugares e não conseguia encontrá-lo. Procurou-o nas ruas, procurou-o nas igrejas, procurou-o dentro de si; até que um dia, exatamente em 30 de outubro de 1886, conheceu o padre Henri Huvelin e foi aí que tudo começou a mudar. Pediu para ser ouvido em confissão e, uma vez reconciliado com Deus, a conselho de Huvelin, empreendeu imediatamente uma viagem à Terra Santa para conhecer mais de perto Jesus de Nazaré. Sua vida havia sido transformada e ele não sabia como agradecer a Deus por isso. “Como você me manteve sob suas asas enquanto eu nem acreditava na sua existência!” “Forçado pelas circunstâncias, você me forçou a ser casto. Foi necessário preparar minha alma para receber a verdade: o diabo é senhor demais de uma alma que não é casta”. “Como você tem sido bom! “Como estou feliz!”

Regressou da Terra Santa com fervor, com a firme promessa de encerrar-se nos muros de um convento e viver só para Deus, mas o seu confessor pôs fim a esta explosão e fê-lo esperar três anos de reflexão, que pareciam intermináveis. Finalmente chega o dia desejado e em 15 de janeiro de 1890, Foucauld entra no trappe, retoma a vida monástica, aprende a viver em comunidade, ali se sente confortável, mas pensa que pode dar ainda mais a Nosso Senhor e à ideia de fundar uma congregação que atenda às suas aspirações passa pela sua mente. “Eu me perguntei se não haveria a possibilidade de procurar algumas almas com as quais uma pequena congregação pudesse ser formada”. Em 23 de janeiro de 1897, o Superior Geral concedeu-lhe permissão para sair da armadilha.

Charles chega a Nazaré. Vive numa humilde cabana e trabalha como jardineiro para algumas freiras, passando longas horas em frente ao sacrário. Ele percebe que só sendo padre pode desfrutar do privilégio de viver separado apenas com a companhia do Santíssimo Jesus, então vai para a França. Lá ele consegue se organizar após um ano de preparação. Sente-se chamado a dar a vida pelas almas abandonadas e pensa em Marrocos, que conhece bem. A sua vida já não lhe pertence, entregou-a inteiramente a Deus:

Pai, coloco-me nas tuas mãos
Faça comigo o que quiser
Seja o que for, agradeço
Estou pronto para tudo
Aceito tudo
Com tal que a tua vontade

Se cumpra em mim
E em todas as tuas criaturas
Não desejo mais
Pai
Confiei-te a minha alma
Dou-lha com todo o meu amor
Porque te amo
E eu preciso me entregar a você.

No dia 28 de outubro de 1901, Charles chega a Béni Abbès, uma pequena e abandonada localidade do Sahara argelino, perto da fronteira marroquina, onde é bem recebido e lhe constroem uma pequena casa, com uma pequena capela e algumas celas para hóspedes. Charles não se cansa de estar diante do tabernáculo. “A Eucaristia é Jesus, é tudo Jesus.” Desde o primeiro dia quer ser irmão de todos e para todos no amor de Jesus Cristo. Todos os tipos de pessoas vêm até ele: peregrinos, necessitados, doentes, escravos. Ele sozinho não aguenta, precisa de outros irmãos para ajudá-lo, mas ninguém vai lá, o único que vem visitá-lo é o bispo do Saara, que o informa da falta de padres nos tuaregues e Charles se oferece para ir para lá . Ele se sente feliz por levar Jesus Sacramentado até lá. “Hoje tenho a felicidade de colocar – pela primeira vez na área tuaregue – a Reserva Sagrada no Tabernáculo.” As conversões não chegam, mas a presença de Jesus Sacramentado preenche tudo. A última guerra mundial chega à África. O pai do deserto e o irmão mais velho dos pobres ficaram ali, onde seria assassinado em 1º de dezembro de 1916. Anos depois, o padre Congar pediu aos padres conciliares que prestassem atenção a Teresa de Lisieux e a Charles de Foucauld: “dois faróis que Deus colocou em nosso caminho”. VERDADEIRO; embora tivesse esquecido outro farol para formar a lista que era San Rafael Arnaiz, o carinhoso “Irmão Rafael”.

Reflexão a partir do contexto atual: Padre Foucauld exorta-nos a continuar o trabalho que iniciou, pede-nos que continuemos a lutar pela fraternidade universal, para além das fronteiras, convida-nos a fazer uma opção preferencial pelos marginalizados e esquecidos, exorta-nos a amar e não para julgar, sobretudo pede-nos que testemunhemos o Evangelho com a nossa vida mais do que com palavras, porque os homens do nosso tempo, mais do que professores, precisam de testemunhas. Hoje, depois de há pouco mais de um século ter se sacrificado no deserto, Foucauld foi declarado santo pelo Papa Francisco que presidiu a cerimônia de canonização numa esplendorosa manhã de 15 de maio de 2022. Sua família espiritual dispersa e heterogênea, já bastante numerosa, espalhada pelo mundo, alegra-se e celebra com alegria, irmão. A sua memória permanece viva aqui embaixo entre todos nós que queremos continuar trabalhando e nos esforçando para fazer de todos os homens uma grande família humana. Charles Foucauld foi e continuará a ser aquele exemplo de humanismo, que só viveu pensando nos outros. Obrigado irmão.

Leia mais 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

São Charles de Foucauld. O irmão universal, místico do silêncio no deserto - Instituto Humanitas Unisinos - IHU