“O Papa Francisco está isolado. Nas redes sociais a ala tradicionalista da Igreja está muito mais viva”. Entrevista com Enzo Bianchi

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Dezembro 2023

O monge e teólogo: "Há um hiato entre o pontífice profético e o seu povo. Não acredito que estejamos caminhando para um cisma, mas temo que a Igreja esteja caminhando para uma perda perigosa”.

A entrevista é de Giampiero Rossi, publicada por Corriere della Sera, 30-11-2023.

"O Papa Francisco está isolado, a Igreja não corre o risco de um cisma, mas de uma perda perigosa". Enzo Bianchi – monge de oitenta anos, teólogo, estudioso da Igreja, fundador da comunidade de Bose – não procura frases pomposas para dizer o que pensa. Ele não se refugia em atos de equilíbrio, mesmo quando fala do pontífice com quem teve um conflito aberto no passado recente: critica-o e defende-o sem reservas. Mas o seu pensamento principal, explica ele, é a Igreja, o seu futuro num mundo em rápida mudança. Seu último livro, “Para onde vai a Igreja?”, é dedicado a isso. (edições San Paolo) que será apresentado na quinta-feira, 30 de novembro, às 18h, no Centro Ambrosianeum (via delle Ore 3), em Milão, junto com Ferruccio de Bortoli e Don Antonio Rizzolo.

Eis a entrevista.

Enzo Bianchi, a pergunta é obrigatória. Para onde vai a Igreja?

A Igreja caminha em direção a Jesus Cristo, em direção ao Reino. Ou pelo menos esta é a sua vocação, a sua missão.

No entanto…?

Mas nas últimas décadas ela se colocou no centro, fala-se muito sobre a Igreja e menos sobre Jesus Cristo e o Evangelho.

Quando começou essa atitude, na sua opinião?

Com o Concílio Vaticano II chegamos a uma reforma da Igreja para levar o Evangelho ao mundo, mas depois nos concentramos fortemente nas próprias atividades da Igreja, que sempre se posicionou como governante da história, acreditando que tudo dependia dela, esquecendo a escolha de espoliação que até Cristo fez da sua condição de filho de Deus. Aqui, em vez de ter a pretensão de ter e poder dizer tudo sobre tudo e todos, de ser professor e guiar os homens, o A Igreja deveria voltar a despir-se e caminhar ao lado dos homens, com compaixão e humildade, para oferecer a todos a grande esperança da ressurreição.

Você não acha que a partir do Papa Luciani muitos gestos e passos foram dados nessa direção?

Conheci-os todos de perto e posso dizer que sim, João Paulo I realizou gestos de espoliação, que estiveram então completamente ausentes no pontificado subsequente e também no de Ratzinger, que não tinha força suficiente nem dentro da Igreja nem perante o povo de Deus, portanto Francisco teve coragem e determinação, mas devemos dizer uma verdade que ninguém quer dizer abertamente... .

Qual?

Francisco está isolado, fora os mais próximos dele, não é seguido pelos cardeais, os bispos, os sacerdotes e o próprio povo de Deus parecem surdos à sua proposta sinodal, deixam tudo passar quase na indiferença. E assim nos encontramos nesta espécie de hiato, entre um Pontífice profético e o seu povo, e isso me preocupa muito porque então na comunicação através das redes sociais a ala tradicionalista é muito mais viva.

Então você defende o caminho traçado pelo Papa Bergoglio, embora tenha tido divergências bastante abertas e duras com ele?

Critiquei a todos, nunca tive tendência a idolatrar nenhum papa, mas agora vejo uma situação muito difícil. Não acredito que estejamos caminhando para um cisma, mas temo que a Igreja esteja caminhando para uma perda perigosa.

Mas não existe já um conclave construído para dar continuidade futura ao caminho indicado por este papa?

Mas não, não é de todo verdade que Francisco criou um conclave à sua imagem, ele também nomeou cardeais chatos e tradicionalistas, então o risco para o futuro é precisamente que para manter o equilíbrio entre as diferentes almas, o conclave acabe escolhendo um pai chato. Além disso, vimos como, ao mesmo tempo, optou por beatificar João XXII e Pio IX ao mesmo tempo: um golpe no círculo e outro no barril.

Falando de cardeais, aqui em Milão alguém levanta ciclicamente a questão da não nomeação de Dom Mario Delpini. O que você acha?

Francisco não escolhe grandes cidades, grandes personagens, mas segue uma lógica suburbana. Basta pensar na nomeação do bispo da Mongólia, na extrema periferia do mundo e com cerca de três mil fiéis. Porque ele quer dizer que até o pequeno, até o pouco importa. E não é uma escolha política, mas evangélica. Caso contrário, ele teria feito todo o seu povo cardeal.

Outra questão muito sensível na diocese ambrosiana e em toda a Igreja é o declínio das vocações. No livro você também fala sobre isso, mas inverte o ponto de partida.

Claro, porque antes de nos perguntarmos pela crise das vocações, devemos fazê-lo pela crise da fé. E volto ao ponto de partida: a Igreja, demasiado concentrada nas suas próprias atividades - todas belas e preciosas, tantas como nunca em dois mil anos de história - perdeu de vista a sua mensagem fundamental e extraordinária: a esperança de que a morte não que seja a última palavra, porque com Cristo há a ressurreição. Vamos voltar e dizer isso à humanidade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O Papa Francisco está isolado. Nas redes sociais a ala tradicionalista da Igreja está muito mais viva”. Entrevista com Enzo Bianchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU