Agro aciona “máquina de desinformação” para defender marco temporal

Mais Lidos

  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS
  • Frente à carnificina, testemunhar. O quê? Uma resposta do cristianismo de libertação. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Setembro 2023

Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) recorre a informações distorcidas e fake news para defender a tese do marco temporal em posts impulsionados nas redes sociais.

A informação é publicada por ClimaInfo, 04-09-2023.

Para surpresa de zero pessoas, a bancada ruralista no Congresso Nacional mobilizou sua máquina de desinformação para distorcer o debate público sobre o marco temporal nas redes sociais. Por meio de postagens impulsionadas, a FPA espalhou informações de origem duvidosa e mentiras deslavadas para defender a tese que restringe o direito dos Povos Indígenas à demarcação de suas terras no Brasil.

Na Agência Pública, Giovana Girardi mostrou alguns exemplos da “campanha de medo” promovida pelos ruralistas. No post mais absurdo (e essa é uma disputa acirrada), o material da FPA fala de uma jovem mulher negra que conseguiu conquistar o “sonho da casa própria”, mas que perdeu tudo porque o bairro onde ela mora, no meio de uma cidade grande, virou território indígena. A FPA gastou quase R$ 800 nesse anúncio, que obteve ao menos 100 mil impressões. Meghie Rodrigues também escreveu sobre este absurdo na revista Piauí.

A desinformação aconteceu principalmente em maio, durante a tramitação do projeto de lei que legaliza a tese do marco temporal na Câmara dos Deputados. A proposta acabou sendo aprovada e atualmente está em discussão no Senado. Mais recentemente, as fake news voltaram a inundar as redes sociais com a retomada do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a constitucionalidade da tese.

Por falar no STF, o julgamento sobre o marco temporal deve ser retomado no próximo dia 20, informou a Agência Brasil. Na semana passada, a Corte reiniciou a análise do caso, com os ministros Cristiano Zanin e Luís Roberto Barroso votando contra a tese, e o ministro André Mendonça, a favor. O julgamento foi interrompido com o placar de 4×2 contra o marco temporal.

Já no Senado, o relator do projeto de lei, Marcos Rogério (PL-RO), reconheceu que a votação da proposta só deve acontecer depois do julgamento sobre o marco temporal no Senado. De acordo com o Valor, o senador resiste a modificar o texto aprovado pela Câmara, mas diz estar aberto a eventuais vetos do presidente Lula a trechos da proposta.

Enquanto isso, o Estadão mostrou a opinião de gente que acompanha de perto o assunto sobre os reflexos de uma eventual aprovação do marco temporal em projetos comerciais entre empresas e populações indígenas. De acordo com a análise, o marco temporal pode enfraquecer os interesses indígenas e tornar essas comunidades ainda mais vulneráveis. “[A aprovação] pode incentivar ações de grilagem e violência, além de prejudicar os direitos conquistados dos Povos Indígenas”, afirmou Virgílio Viana, da Fundação Amazônia Sustentável (FAS).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Agro aciona “máquina de desinformação” para defender marco temporal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU