“Não acreditamos na solução pela força”: os bispos do Níger se opõem a uma intervenção militar

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • “Será a coragem de viver o presente que nos salvará do contágio do tédio”. Catequese do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Agosto 2023

Em mensagem divulgada no dia 4 de agosto, a Conferência Episcopal de Burkina Faso e Níger expressou sua firme oposição à intervenção militar no Níger.

A reportagem é de Lucie Sarr, publicada por La Croix Africa, 06-08-2023. A tradução é do Cepat.

“Não acreditamos de forma alguma na solução pela força, à qual nos opomos claramente”, disseram os bispos de Burkina Faso e do Níger em mensagem de 4 de agosto. Pela voz de seu presidente, dom Laurent Dabiré, bispo de Dori, no nordeste de Burkina Faso, os bispos desses dois países expressam sua “grande preocupação” diante dos acontecimentos que abalaram o Níger.

“Com efeito, como não nos preocuparmos quando o espectro da guerra surge entre as soluções que se vislumbram para acabar com a crise, fazendo pensar numa possível ‘segunda Líbia’, ainda que as consequências fatais e desastrosas da desestabilização destes países continuem a fazer com que o povo do Sahel sofra terrivelmente”, acrescentam.

Intervenção militar

O Níger foi alvo de um golpe militar no dia 26 de julho. O presidente Mohamed Bazoum foi destituído por uma junta militar liderada pelo general Abdourahamane Tiani. Há vários dias, a situação é tensa entre os golpistas nigerenses e a Comunidade Econômica de Estados da África Ocidental (CEDEAO), da qual o Níger é membro. Esta instituição havia dado um ultimato, que expira no dia 6 de agosto, aos golpistas para restaurar o poder ao presidente Bazoum. Após esse período, ameaça enviar tropas para restabelecer a ordem constitucional.

“A opção militar é a última que está sobre a mesa, o último recurso, mas devemos estar preparados para esta eventualidade”, declarou, no dia 2 de agosto, Abdel-Fatau Musah, comissário da CEDEAO responsável pelos assuntos políticos e de segurança. As forças que devem intervir no Níger são um contingente de manutenção da paz e antiterrorismo estabelecido pelos chefes de Estado da CEDEAO em dezembro de 2022. A Nigéria deve desempenhar um papel central. Será auxiliada por Costa do Marfim, Senegal e Benin.

Os governos golpistas de Burkina Faso e do Mali, por sua vez, manifestaram o seu apoio ao general Abdourahamane Tiani, responsável por este golpe militar e prometeram responder a qualquer ataque militar contra o Níger.

Bispos da África Ocidental

Os bispos da África Ocidental, reunidos na Conferência Episcopal Regional da África Ocidental (CERAO), também enviaram uma mensagem aos dois bispos do Níger dom Laurent Lompo, arcebispo de Niamey, e dom Ambroise Ouedraogo, bispo de Maradi – para expressar seu apoio.

“Acompanhamos com preocupação o desenrolar dos acontecimentos dos últimos dias no Níger, desde o golpe de Estado ocorrido no dia 26 de julho de 2023, escrevem em mensagem divulgada no dia 3 de agosto e assinada por dom Alexis Touabli Youlo, seu presidente. Nós, seus irmãos no episcopado da CERAO, gostaríamos de assegurar-lhes que não somos indiferentes ao sofrimento que seu país está passando neste momento difícil”. Eles também os encorajam a desempenhar um papel mediador na manutenção da paz, “a começar pelo mais importante, o ministério da oração”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Não acreditamos na solução pela força”: os bispos do Níger se opõem a uma intervenção militar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU