Mudança Climática – Europa aquece o dobro da média global

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

22 Junho 2023

O ano de 2022 foi marcado por calor extremo, seca e incêndios florestais. As temperaturas da superfície do mar em toda a Europa atingiram novos máximos, acompanhadas por ondas de calor marinhas. O derretimento da geleira foi sem precedentes.

A reportagem é publicada por EcoDebate, 21-06-2023. 

O relatório State of the Climate in Europe 2022, o segundo de uma série anual, foi produzido em conjunto pela Organização Meteorológica Mundial e pelo Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da União Europeia. Mostra como a Europa tem aquecido o dobro da média global desde a década de 1980, com impactos de longo alcance no tecido socioeconômico e nos ecossistemas da região. Em 2022, a Europa estava aproximadamente 2,3 °C acima da média pré-industrial (1850-1900) usada como linha de base para o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

Mas, em sinal de esperança para o futuro, a energia renovável gerou mais eletricidade do que o poluente gás fóssil pela primeira vez no ano passado. A energia eólica e solar gerou 22,3% da eletricidade da União Europeia (UE) em 2022, ultrapassando o gás fóssil (20%). “Pela primeira vez, mais eletricidade foi gerada por energia eólica e solar do que por gás fóssil na UE. O aumento do uso de fontes de energia renováveis ​​e de baixo carbono é crucial para reduzir a dependência de combustíveis fósseis”, disse o Secretário-Geral da OMM, Prof. Petteri Taalas. “Os serviços climáticos desempenham um papel fundamental em garantir a resiliência dos sistemas de energia a choques relacionados ao clima, no planejamento de operações e em informar medidas para aumentar a eficiência energética”, disse ele.

O relatório tem um foco especial em energia e destaca como condições meteorológicas mais extremas, incluindo calor intenso, fortes precipitações e secas, têm implicações crescentes para a oferta, demanda e infraestrutura do sistema de energia da Europa.

“O estresse térmico recorde que os europeus experimentaram em 2022 foi um dos principais impulsionadores do excesso de mortes relacionadas ao clima na Europa. Infelizmente, isso não pode ser considerado uma ocorrência pontual ou uma estranheza do clima. Nossa compreensão atual do sistema climático e sua evolução nos informa que esses tipos de eventos fazem parte de um padrão que tornará os extremos de estresse térmico mais frequentes e intensos em toda a região”, disse o Dr. Carlo Buontempo, diretor do Copernicus Climate Change Service.

Com base nas informações do banco de dados de eventos de emergência (EM-DAT), os riscos meteorológicos, hidrológicos e climáticos na Europa em 2022 resultaram em 16.365 mortes relatadas e afetaram diretamente 156.000 pessoas. Cerca de 67% dos eventos foram relacionados a inundações e tempestades, representando a maior parte dos danos econômicos totais de cerca de US$ 2 bilhões. Muito mais graves, em termos de mortalidade, foram as ondas de calor, que supostamente levaram a mais de 16.000 mortes em excesso.

“Em 2022, muitos países do oeste e sudoeste da Europa tiveram seu ano mais quente já registrado. O verão foi o mais quente já registrado: as altas temperaturas exacerbaram as condições de seca severa e generalizada, alimentaram violentos incêndios florestais que resultaram na segunda maior área queimada já registrada e levaram a milhares de mortes associadas ao excesso de calor”, disse o Prof. Taalas.

Impactos de eventos climáticos em números (Imagem: Reprodução | EcoDebate)

Mensagens-chave

Temperaturas

A Europa viu seu verão mais quente já registrado. Vários países, incluindo Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, Espanha, Suíça e Reino Unido tiveram seu ano mais quente já registrado.

A temperatura média anual de 2022 para a Europa ficou entre a segunda e a quarta mais alta já registrada, com uma anomalia de cerca de 0,79 °C acima da média de 1991-2020. Esta linha de base é usada como referência padrão para comparar as variações de temperatura, precipitação, etc. com a média de 30 anos e, assim, fornecer informações para setores sensíveis ao clima. A precipitação esteve abaixo da média em grande parte da região em 2022. Foi o quarto ano seco consecutivo na Península Ibérica e o terceiro ano seco consecutivo nas regiões montanhosas dos Alpes e Pirenéus.

A França teve o janeiro a setembro mais seco, e o Reino Unido e Uccle (Bélgica) tiveram o janeiro a agosto mais seco desde 1976, com consequências de longo alcance para a agricultura e a produção de energia. A reserva de água da Espanha caiu para 41,9% de sua capacidade total até 26 de julho, com capacidade ainda menor em algumas bacias.

As geleiras na Europa perderam um volume de cerca de 880 km 3 de gelo de 1997 a 2022. Os Alpes foram os mais afetados, com uma redução média na espessura do gelo de 34 metros. Em 2022, as geleiras nos Alpes europeus experimentaram um novo recorde de perda de massa em um único ano, causada por quantidades muito baixas de neve no inverno, um verão muito quente e deposição de poeira no Saara.

A camada de gelo da Groenlândia perdeu 5.362 ± 527 Gt de gelo entre 1972 e 2021, contribuindo com cerca de 14,9 mm para o aumento médio global do nível do mar. Ele continuou perdendo massa durante 2022, de acordo com avaliações científicas. As temperaturas médias da superfície do mar em toda a área do Atlântico Norte foram as mais quentes já registradas e grandes porções dos mares da região foram afetadas por ondas de calor marinhas fortes ou mesmo severas e extremas.

As taxas de aquecimento da superfície oceânica, particularmente no leste do Mar Mediterrâneo, nos mares Báltico e Negro e no sul do Ártico foram mais de três vezes a média global. As ondas de calor marinhas levam à migração de espécies e extinções em massa, chegada de espécies invasoras e perturbação dos ecossistemas e da biodiversidade.

Perda de massa da geleira dos Alpes Suíços (Imagem: Reprodução | EcoDebate)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudança Climática – Europa aquece o dobro da média global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU