Temperaturas na Europa aumentam mais que o dobro da média global

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Novembro 2022

As temperaturas na Europa aumentaram mais que o dobro da média global nos últimos 30 anos – as mais altas de qualquer continente do mundo.

A reportagem é da Organização Meteorológica Mundial (OMM), publicada por EcoDebate, 04-11-2022.

À medida que a tendência de aquecimento continua, calor excepcional, incêndios florestais, inundações e outros impactos das mudanças climáticas afetarão a sociedade, as economias e os ecossistemas, de acordo com um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

O relatório Situação do Clima na Europa, produzido em conjunto com o Copernicus Climate Change Service da União Europeia, focado em 2021. Ele fornece informações sobre o aumento das temperaturas, ondas de calor terrestres e marinhas, clima extremo, mudança nos padrões de precipitação e recuo do gelo e da neve.

As temperaturas na Europa aumentaram significativamente no período 1991-2021, a uma taxa média de cerca de +0,5 ° C por década. Como resultado, as geleiras alpinas perderam 30 metros de espessura de gelo de 1997 a 2021. A camada de gelo da Groenlândia está derretendo e contribuindo para acelerar o aumento do nível do mar. No verão de 2021, a Groenlândia viu um evento de derretimento e a primeira chuva registrada em seu ponto mais alto, a estação Summit.

Anomalia de temperatura média anual para 1900-2021

Em 2021, eventos climáticos de alto impacto causaram centenas de mortes, afetaram diretamente mais de meio milhão de pessoas e causaram danos econômicos superiores a US$ 50 bilhões. Cerca de 84% dos eventos foram inundações ou tempestades.

Nem tudo são más notícias. Vários países da Europa têm sido muito bem sucedidos na redução das emissões de gases com efeito de estufa. Em particular, na União Europeia (UE), as emissões de gases de efeito estufa diminuíram 31% entre 1990 e 2020, com uma meta líquida de redução de 55% para 2030.

A Europa é também uma das regiões mais avançadas na cooperação transfronteiriça na adaptação às alterações climáticas, em particular nas bacias hidrográficas transnacionais. É um dos líderes mundiais no fornecimento de sistemas eficazes de alerta precoce, com cerca de 75% das pessoas protegidas. Os planos de ação para a saúde do calor salvaram muitas vidas do calor extremo.

Mas os desafios são formidáveis.

“A Europa apresenta uma imagem ao vivo de um mundo em aquecimento e nos lembra que mesmo sociedades bem preparadas não estão a salvo dos impactos de eventos climáticos extremos. Este ano, como 2021, grandes partes da Europa foram afetadas por extensas ondas de calor e seca, alimentando incêndios florestais. Em 2021, inundações excepcionais causaram morte e devastação”, disse o secretário-geral da OMM, Prof. Petteri Taalas.

“Do lado da mitigação, o bom ritmo de redução das emissões de gases de efeito estufa na região deve continuar e a ambição deve ser aumentada ainda mais. A Europa pode desempenhar um papel fundamental para alcançar uma sociedade neutra em carbono até meados do século para cumprir o Acordo de Paris”, disse o Prof. Taalas.

O Copernicus Climate Change Service (C3S) da UE, implementado pelo ECMWF em nome da Comissão Europeia, fornece dados e ferramentas de monitoramento climático de última geração para apoiar a mitigação e adaptação climática e iniciativas como o Pacto Verde Europeu.

“A sociedade europeia é vulnerável à variabilidade e mudança climática, mas a Europa também está na vanguarda do esforço internacional para mitigar as mudanças climáticas e desenvolver soluções inovadoras para se adaptar ao novo clima com o qual os europeus terão que conviver”, disse o Dr. Carlo Buontempo, Diretor, Copernicus Climate Change Service, Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo (ECMWF).

“À medida que os riscos e o impacto das mudanças climáticas se tornam cada vez mais aparentes na vida cotidiana, cresce a necessidade e o apetite por inteligência climática, e com razão. Com este relatório, pretendemos preencher a lacuna entre os dados e a análise para fornecer informações baseadas na ciência, mas acessíveis, ‘prontas para decisões’, em todos os setores, em todas as profissões”, disse ele.

O relatório State of the Climate in Europe baseia-se no C3S European State of the Climate publicado em abril e nas informações fornecidas pela WMO RA VI Regional Climate Center Network. É um de uma série de relatórios regionais compilados pela OMM para fornecer informações científicas localizadas aos formuladores de políticas. Foi apresentado em uma conferência regional de diretores de serviços meteorológicos e hidrológicos nacionais europeus.

O relatório e um roteiro que o acompanha incluem contribuições de serviços meteorológicos e hidrológicos nacionais, especialistas em clima, órgãos regionais e agências parceiras da ONU. Foi emitido antes das negociações anuais da ONU sobre Mudanças Climáticas, COP27, em Sharm-El Sheikh.

Desastres naturais relacionados ao clima, clima e água na Europa durante 2021

Cenários Futuros

Prevê-se que os desastres climáticos e relacionados à água aumentem no futuro, de acordo com o Sexto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (Grupo de Trabalho I, IPCC AR6 WGI). Ele avaliou que havia “alta confiança” de que:

  • Independentemente dos níveis futuros de aquecimento global, as temperaturas aumentarão em todas as áreas europeias a uma taxa superior às alterações da temperatura média global, semelhante às observações anteriores.

  • A frequência e a intensidade de extremos quentes, incluindo ondas de calor marinhas, aumentaram nas últimas décadas e devem continuar aumentando, independentemente do cenário de emissões de gases de efeito estufa. Prevê-se que os limites críticos relevantes para os ecossistemas e os seres humanos sejam excedidos para um aquecimento global de 2 °C e superior.

  • As observações têm um padrão sazonal e regional consistente com o aumento projetado da precipitação no inverno no norte da Europa. Uma diminuição da precipitação é projetada no verão no Mediterrâneo, estendendo-se para as regiões do norte. Prevê-se que a precipitação extrema e as inundações pluviais aumentem em níveis de aquecimento global superiores a 1,5°C em todas as regiões, exceto no Mediterrâneo.

Impactos climáticos

Saúde: a saúde da população europeia é afetada pelas mudanças climáticas de várias maneiras, incluindo morte e doenças causadas por eventos climáticos extremos cada vez mais frequentes (ondas de calor), aumento de zoonoses e doenças transmitidas por alimentos, água e vetores e problemas de saúde mental.

Os eventos climáticos extremos mais mortais na Europa são as ondas de calor, particularmente no oeste e no sul da Europa. A combinação de mudanças climáticas, urbanização e envelhecimento da população na região cria e exacerbará ainda mais a vulnerabilidade ao calor.

Alterações induzidas pelas mudanças climáticas na produção e distribuição de pólens e esporos podem levar ao aumento de distúrbios alérgicos. Mais de 24% dos adultos que vivem na região europeia sofrem de várias alergias, incluindo asma grave, enquanto a proporção entre as crianças na região é de 30 a 40% e está aumentando. A mudança climática também afeta a distribuição de doenças transmitidas por vetores. Exemplos incluem carrapatos (Ixodes ricinus), que podem espalhar a doença de Lyme e encefalite transmitida por carrapatos.

De acordo com o Escritório Regional da OMS para a Europa, cerca de meio milhão de mortes prematuras na Região Europeia da OMS foram causadas pela poluição do ar ambiente por partículas finas antropogênicas em 2019, das quais uma parte importante estava diretamente ligada à queima de combustíveis fósseis. Estima-se que cerca de 138.000 mortes prematuras poderiam ser evitadas por ano por meio da redução das emissões de carbono, potencialmente resultando em economias de US$ 244–564 bilhões.

As crianças são mais vulneráveis ​​aos impactos das mudanças climáticas do que os adultos, tanto física quanto psicologicamente. De acordo com o Índice de Risco Climático Infantil da UNICEF (CCRI), quase 125 milhões de crianças na Europa vivem em países com países de risco ‘médio a alto’ (o terceiro dos cinco níveis de classificação usados ​​globalmente).

Ecossistemas: A maioria dos danos causados ​​por incêndios florestais é devido a eventos extremos para os quais nem os ecossistemas nem as comunidades estão adaptados. As alterações climáticas, os comportamentos humanos e outros fatores subjacentes estão a criar as condições para incêndios mais frequentes, intensos e devastadores na Europa, com consequências socioeconómicas e ecológicas significativas.

Transporte: A infraestrutura e as operações de transporte estão em risco tanto de mudanças climáticas incrementais quanto de eventos extremos (por exemplo, ondas de calor, chuvas fortes, ventos fortes e níveis e ondas extremas do mar). Muitas infraestruturas de transporte foram construídas com base em valores históricos para vários limites de fenômenos climáticos e, portanto, não são resilientes aos extremos atuais.

Exemplos dos impactos das mudanças climáticas nas afirmações e operações de transporte

Política Climática

As contribuições determinadas nacionalmente (NDCs) estão no centro do Acordo de Paris e na realização desses objetivos de longo prazo. As NDCs incorporam os esforços de cada país para reduzir as emissões nacionais e se adaptar aos impactos das mudanças climáticas. Em março de 2022, 51 países europeus e a UE apresentaram uma NDC.

A mitigação das mudanças climáticas tem sido o foco principal de muitas Partes Europeias, conforme refletido em suas NDCs, destacando as seguintes áreas prioritárias: fornecimento de energia; agricultura; desperdício; e uso da terra, mudança no uso da terra e silvicultura como principais prioridades para mitigação.

Em 2021, a União Europeia (UE) em sua lei climática tornou a neutralidade climática, a meta de zero emissões líquidas até 2050, juridicamente vinculativa na UE. Estabeleceu uma meta provisória de 55% de redução de emissões até 2030.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temperaturas na Europa aumentam mais que o dobro da média global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU