Estado do Amazonas lidera (de novo) desmatamento na floresta amazônica

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Mai 2023

Em todo bioma, desmatamento acumulado no ano foi o 3º pior da série histórica do Imazon. Ações emergenciais são necessárias para enfrentar o “verão amazônico”, diz Instituto.

A reportagem é de Cristiane Prizibisczky, publicada por ((o))eco, 17-05-2023.

O estado do Amazonas ficou, pelo segundo mês consecutivo em 2023, com a liderança no desmatamento na Amazônia, segundo o Sistema de Alertas do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (SAD-Imazon). Somente em abril, foram desmatados 92 km² de floresta nesta unidade da federação, o que representou 27% do total perdido no período em todo o bioma. Em março, o estado foi responsável por 30% dos alertas registrados. Os números foram divulgados nesta quarta-feira (17).

Segundo o Instituto, 84% do desmatamento computado no Amazonas ocorreu somente em cinco municípios da região sul: Canutama, Lábrea, Apuí, Manicoré e Novo Aripuanã. Além disso, o estado teve a terra indígena mais desmatada da Amazônia, a Tenharim Marmelos (Gleba B), que fica nos municípios de Humaitá e Manicoré.

“Estamos reiteradamente alertando sobre o avanço do desmatamento no sul do Amazonas, na região de divisa com os estados do Acre e Rondônia, conhecida como Amacro, onde atualmente existe uma forte pressão pela expansão agropecuária. São necessárias medidas urgentes de fiscalização e destinação de terras públicas no local para evitar novas derrubadas, como infelizmente estamos vendo todos os meses”, alerta Bianca Santos, pesquisadora do Imazon.

O segundo estado que mais desmatou a Amazônia em abril foi o Pará, com 81 km² (24%), seguido pelo Mato Grosso, com 72 km² (21%), e Rondônia, com 52 km² (16%).

No total, a floresta amazônica perdeu 336 km² para o desmatamento, o que representou uma redução de 72% em relação a abril de 2022, quando o desmatamento somou 1.197 km².

Apesar do número positivo, pesquisadores do Imazon alertam que este foi o quarto pior abril da série histórica do SAD, iniciada em 2008, perdendo somente para 2022 (1.197 km²), 2021 (778 km²) e 2020 (529 km²).

“Essa redução observada em abril é positiva, porém a área desmatada ainda foi a quarta maior desde 2008 para o mês. Isso indica que precisamos implantar ações emergenciais de fiscalização, identificação e punição aos desmatadores ilegais nos territórios mais pressionados, focando nas florestas públicas que ainda não possuem uso definido e nas áreas protegidas, principalmente com a chegada do verão amazônico, onde historicamente o desmatamento tende a aumentar”, afirma Larissa Amorim, pesquisadora do Imazon, em referência ao período de maior estiagem no bioma, que vai de julho a setembro.

Além disso, quando considerado o acumulado do ano, a cifra só fica atrás de 2021 e 2022. Conforme o monitoramento por satélites do Instituto, a destruição entre janeiro e abril foi de 1.203 km², a terceira maior desde 2008, quando a medição foi implantada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estado do Amazonas lidera (de novo) desmatamento na floresta amazônica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU