Limite de 2°C de aquecimento pode ser ultrapassado antes de 2050

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Setembro 2022

 

A temperatura média global perto da superfície entre 2012 e 2021 foi de 1,11 a 1,14°C mais quente do que o nível pré-industrial, o que a torna a década mais quente já registrada. As temperaturas terrestres europeias aumentaram ainda mais rápido no mesmo período de 1,94 a 1,99°C, dependendo do conjunto de dados usado.

 

Os países membros da UNFCCC se comprometeram no Acordo de Paris a limitar o aumento da temperatura global bem abaixo de 2°C acima do nível pré-industrial e a limitar o aumento a 1,5°C.

 

Sem cortes drásticos nas emissões globais de gases de efeito estufa, mesmo o limite de 2°C já será ultrapassado antes de 2050.

 

A reportagem é publicada por European Environment Information and Observation Network (Eionet) e reproduzida por EcoDebate, 23-09-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

Figura 1. Temperaturas médias globais (esquerda) e europeias (direita) próximas à superfície em relação ao período pré-industrial 1850-1900. (Foto: EcoDebate)

 

As tendências da temperatura global são um importante indicador da magnitude das mudanças climáticas e seus possíveis impactos. A temperatura global anual próxima à superfície tem aumentado constantemente desde o final do século XIX. A taxa de aumento tem sido particularmente alta desde a década de 1970, cerca de 0,2°C por década.

 

Nesse período, a temperatura global aumentou mais rapidamente do que em qualquer outro período de 50 anos em pelo menos 2.000 anos , sendo os últimos 7 anos (2015-2021) os mais quentes já registrados. Todos os conjuntos de dados de temperatura usados ​​aqui colocam o ano de 2021 como um dos seis anos mais quentes já registrados, com variações de anomalia entre 1,09°C e 1,16°C acima dos níveis pré-industriais.

 

As atividades antrópicas, principalmente as emissões de gases de efeito estufa (GEE), são as grandes responsáveis ​​por esse aquecimento.

 

Para evitar sérios impactos ambientais, econômicos e sociais das mudanças climáticas, todos os signatários da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) se comprometeram no Acordo de Paris de 2015 a limitar o aumento da temperatura global bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais, 2050 e prosseguir os esforços para limitar o aumento a 1,5°C. O aquecimento observado até agora já equivale a mais da metade do aumento máximo de 2°C que seria compatível com o Acordo de Paris.

 

A modelagem climática tem sido usada para estimar as mudanças climáticas futuras para diferentes cenários de emissões e caminhos socioeconômicos subjacentes a esses cenários (Caminhos Socioeconômicos Compartilhados, SSP). Sem esforços significativos para reduzir as emissões, o aumento da temperatura global continuará rapidamente e até se acelerará.

 

As temperaturas globais estão projetadas para aumentar em 2,1-3,5°C acima dos níveis pré-industriais sob SSP2-4,5 e em 3,3-5,7°C sob SSP5-8,5 até o final do século XXI . Os únicos cenários com chance de permanecer dentro dos limites estabelecidos pelos Acordos de Paris são SSP1-1,9 com aquecimento projetado de 1,0–1,8°C e SSP1-2,6 com faixas entre 1,3 a 2,4°C até o final do século XXI em comparação aos níveis pré-industriais. Esses cenários pressupõem uma redução drástica das emissões nas próximas décadas e o declínio das emissões de CO2 para zero e, posteriormente, emissões líquidas negativas por volta do ano 2050 (cenário SSP1-1.9) ou por volta de 2080 (cenário SSP1-2.6).

 

Figura 2. Tendência de temperatura média anual observada de 1960 a 2021 (painel esquerdo) e mudança de temperatura projetada para o século 21 em diferentes cenários SSP (painéis direito) na Europa. (Foto: EcoDebate)

 

A Europa está aquecendo mais rápido do que a média global. A temperatura média anual sobre as áreas terrestres europeias na última década foi de 1,94 a 2,01°C mais quente do que durante o período pré-industrial. O ano de 2020 foi o ano mais quente na Europa desde que os registros instrumentais começaram de acordo com todos os conjuntos de dados utilizados, com a faixa de anomalia entre 2,51°C e 2,74°C acima dos níveis pré-industriais. Um aquecimento particularmente alto foi observado na Europa Oriental, Escandinávia e na parte oriental da Península Ibérica.

 

As projeções da iniciativa CMIP6 sugerem que as temperaturas nas áreas terrestres europeias continuarão a aumentar ao longo deste século a uma taxa superior à média global. Prevê-se que as temperaturas terrestres na Europa aumentem ainda mais de 1,2 a 3,4° no cenário SSP1-2,6 e de 4,1 a 8,5°C no cenário SSP5-8,5 (até 2071-2100, em comparação com 1981-2010). O nível mais alto de aquecimento é projetado no nordeste da Europa, norte da Escandinávia e áreas do interior dos países mediterrâneos, enquanto o aquecimento mais baixo é esperado na Europa Ocidental, especialmente no Reino Unido, Irlanda, oeste da França, países do Benelux e Dinamarca.

 

Referências e notas de rodapé:

 

[1] Masson-Delmotte, V., Zhai, P., Pirani, A., Connors, S. L., Péan, C., Berger, S., Caud, N., Chen, Y., Goldfarb, L., Gomis, M. I., Huang, M., Leitzell, K., Lonnoy, E., Matthews, J. B. R., Maycock, T. K., Waterfield, T., Yelekçi, Ö., Yu, R. and Zhou, B., eds., 2021, ‘Summary for policymakers’, in: Climate Change 2021: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Cambridge University Press.

 

[2] WMO, 2022, ‘2021 one of the seven warmest years on record, WMO consolidated data shows’, (disponível aqui) accessed May 17, 2022.

 

[3] UNFCCC, 2016, ‘The Paris Agreement’, (http://unfccc.int/paris_agreement/items/9485.php) accessed January 4, 2017.

 

[4] The range expresses the interval between the 5th and 95th percentile of territorial grid values.

 

[5] Morice, C. P., Kennedy, J. J., Rayner, N. A., Winn, J. P., Hogan, E., Killick, R. E., Dunn, R. J. H., Osborn, T. J., Jones, P. D. and Simpson, I. R., 2021, ‘An Updated Assessment of Near-Surface Temperature Change From 1850: The HadCRUT5 Data Set’, Journal of Geophysical Research: Atmospheres 126(3), pp. e2019JD032361 (disponível aqui) accessed December 14, 2021.

 

[6] Karl, T. R., Arguez, A., Huang, B., Lawrimore, J. H., McMahon, J. R., Menne, M. J., Peterson, T. C., Vose, R. S. and Zhang, H.-M., 2015, ‘Possible artifacts of data biases in the recent global surface warming hiatus’, Science 348(6242), pp. 1469–1472 (disponível aqui).

 

[7] Zhang, H.-M., Lawrimore, J., Huang, B., Menne, M., Yin, X., Sanchez-Lugo, A., Gleason, B., Vose, R., Arndt, D., Rennie, J. and Williams, C., 2019, ‘Updated Temperature Data Give a Sharper View of Climate Trends’, Eos 100 (disponível aqui) accessed September 7, 2020.

 

[8] Lenssen, N. J. L., Schmidt, G. A., Hansen, J. E., Menne, M. J., Persin, A., Ruedy, R. and Zyss, D., 2019, ‘Improvements in the GISTEMP Uncertainty Model’, Journal of Geophysical Research: Atmospheres 124(12), pp. 6307–6326 (disponível aqui) accessed September 7, 2020.

 

[9] UN, 2015, ‘Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015 – 2030’, (disponível aqui).

 

[10] UN, 2015, Resolution adopted by the General Assembly on 25 September 2015: transforming our world: the 2030 agenda for sustainable development, A/RES/70/1.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Limite de 2°C de aquecimento pode ser ultrapassado antes de 2050 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU