Visita de Francisco a Áquila alimenta rumores sobre seus planos de renunciar

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Junho 2022

 

O Papa Francisco alimentou rumores sobre o futuro de seu papado ao anunciar que visitaria a cidade italiana de Áquila em agosto. Áquila é a cidade onde está o túmulo do Papa Celestino V, um dos poucos pontífices a renunciar antes de Bento XVI deixar o cargo em 2013.

 

A mídia italiana e católica publicou especulações sem fontes de que Francisco, de 85 anos, pode ter planos de seguir os passos de Bento XVI, devido aos crescentes problemas de mobilidade, que o forçaram a usar uma cadeira de rodas no mês passado.

 

Esses rumores ganharam força na semana passada, quando Francisco anunciou um consistório para criar 21 novos cardeais, agendado para 27 de agosto. Dezesseis desses cardeais têm menos de 80 anos e podem votar em um conclave para escolher o sucessor de Francisco.

 

A reportagem é publicada por Religión Digital, 05-06-2022.

 

 

Ao anunciar o consistório de 27 de agosto, Francisco também anunciou que realizaria dois dias de reuniões na semana seguinte para informar os cardeais sobre sua recente constituição apostólica para reformar a burocracia do Vaticano.

 

Francisco foi eleito papa em 2013 com mandato para reformar a Cúria Romana. Agora que o projeto de nove anos foi apresentado e pelo menos parcialmente implementado, de certa forma, a principal tarefa de Francisco como papa foi concluída.

 

Tudo isso significou que o anúncio rotineiro de sábado de uma visita pastoral a Áquila alimentou mais especulações do que em outras circunstâncias.

 

A data era notável: o Vaticano e o resto da Itália normalmente estão de férias em agosto e meados de setembro, e poucos negócios não essenciais permanecem abertos. Convocar um consistório em meados de agosto para criar novos cardeais, reunir religiosos por dois dias para discutir a aplicação da reforma e fazer uma visita pastoral simbólica indicam que Francisco poderia ter em mente algo mais do que a atividade cotidiana de seu cargo.

 

"Com as notícias de hoje de que (o papa) irá a Áquila no meio do consistório de agosto, tudo se tornou ainda mais intrigante", tuitou o especialista do Vaticano Robert Mickens, com link para um ensaio publicado no jornal La Croix International com rumores sobre o futuro do papado.

 

A basílica de L'Aquila abriga o túmulo de Celestino V, um papa eremita que renunciou após cinco meses em 1294, sobrecarregado pela tarefa. Bento XVI visitou Áquila em 2009, depois de ter sido devastada por um terremoto, e rezou no túmulo de Celestino, onde deixou sua estola.

 

Ninguém apreciou a importância do gesto na época. Mas quatro anos depois, Bento XVI, de 85 anos, seguiu os passos de Celestino e renunciou, dizendo que não tinha mais força mental e corporal para arcar com as tarefas do papado.

 

O Vaticano anunciou no sábado que Francisco visitará L'Aquila para celebrar a missa em 28 de agosto e abrir a "Porta Santa" na basílica onde Celestino está enterrado. As datas coincidem com a celebração da Festa do Perdão no templo, criada por Celestino em uma bula papal.

 

Nenhum papa viajou a Áquila desde então para encerrar a festa anual, que celebra o sacramento do perdão que Francisco valoriza tanto, disse o atual arcebispo de Áquila, cardeal Giuseppe Petrocchi.

 

"Confiamos que todos, especialmente os feridos por conflitos e divisões internas, possam (vir) e encontrar o caminho da paz e da solidariedade", disse em comunicado anunciando a visita.

 

Francisco elogiou a decisão de Bento XVI de renunciar, dizendo que "abre a porta" para que futuros papas façam o mesmo. A princípio ele previu que seu papado seria curto, dois ou cinco anos.

 

Nove anos depois, Francisco não deu sinal de querer se demitir, e ainda tem projetos importantes em andamento.

 

Além de suas próximas viagens este ano à República Democrática do Congo, Sudão do Sul, Canadá e Cazaquistão, ele programou uma grande reunião de bispos de todo o mundo em 2023 para discutir a crescente descentralização da Igreja Católica, bem como a aplicação de suas reformas.

 

Esta semana, um de seus amigos e conselheiros mais próximos, o cardeal hondurenho Óscar Rodríguez Maradiaga, disse que as conversas sobre uma renúncia papal ou o fim do papado de Francisco eram infundadas, descrevendo-as como "ilusões óticas".

 

Christopher Bellitto, historiador da Igreja da Universidade Kean em Union, Nova Jersey, observou que a maioria dos especialistas do Vaticano espera que Francisco renuncie em algum momento, mas não antes da morte de Bento. O papa emérito de 95 anos está em uma forma física delicada, mas ainda está consciente e recebe visitantes ocasionais em sua casa nos jardins do Vaticano.

 

“Você não terá dois papas eméritos por perto”, disse Bellitto em um e-mail. Referindo-se à visita planejada de Francisco a Áquila, ele sugeriu não tirar muitas conclusões, observando que quase todos os observadores foram pegos de surpresa com o gesto de Bento XVI em 2013.

 

"Não me lembro de muitas notícias dizendo que a visita de Bento XVI em 2009 nos fez pensar que ele iria renunciar", disse ele, sugerindo que a visita pastoral de Francisco a Áquila poderia ser apenas isso: uma visita pastoral.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Visita de Francisco a Áquila alimenta rumores sobre seus planos de renunciar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU