Temor pelo Papa emérito: “Está frágil”

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Agosto 2020

Retorna o alarme sobre a saúde do Papa emérito Bento XVI, que completou 93 anos em abril: mas é um alarme sem novas evidências clínicas, que insiste na conhecida condição de "fragilidade", que obviamente só piora com o tempo. O jornal alemão Passauer Neue Presse escreveu ontem que Ratzinger agora é "extremamente frágil: seus pensamentos e lembranças são rápidos, mas no momento sua voz é quase imperceptível". O jornal atribuiu essas palavras a Peter Seewald, biógrafo de Bento XVI, que o visitou no sábado na residência do Vaticano para entregar-lhe a biografia publicada em maio: “Benedikt XVI. Ein Leben" (Bento XVI. A vida).

A reportagem é de Luigi Accattoli, publicada por Corriere della Sera, 04-08-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

O alarme é legítimo, dada a idade e a fragilidade da saúde do emérito, já conhecida, mas essa não é uma preocupação nova e imediata, tanto que Seewald relata ter achado seu amigo Papa "otimista", apesar da erupção facial que o aflige, a ponto de mencionar - na mínima conversa que eles tiveram - a "possibilidade de pegar novamente a caneta quando recuperar suas forças".

Quanto à erupção facial, todos vimos pelas fotos divulgadas em 18 de junho, quando Joseph Ratzinger inesperadamente voltou de avião para a Baviera – a única saída da Itália desde que ele renunciou ao papado em 2013 – para "se despedir" de seu irmão Dom Georg, mais velho três anos que ele, cujas condições haviam piorado e que morreria depois em 1º de julho. Mais do que em qualquer outra ocasião, Bento naquelas fotos apareceu com partes vermelhas e inchadas do rosto. Foi explicado pelos especialistas que essas imagens sinalizavam um agravamento da infecção dérmica que o atormenta há anos e nos últimos seis meses de maneira mais aguda, causando inchaço e coceira no rosto, tornando o ato de falar doloroso e forçando-o a um uso contínuo de antibióticos e analgésicos. E esta é precisamente a condição em que Seewald o encontrou no sábado, já que não o via desde o final do ano passado.

Ontem, o site próximo ao Vaticano "Il Sismografo" indicava o nome dessa patologia: seria uma infecção cutânea aguda chamada erisipela (palavra grega que significa vermelhidão da pele), contagiosa e frequente entre os idosos. O diretor do "Sismografo", Luis Badilla, concorda com Seewald ao considerar a situação de Joseph Ratzinger "séria", embora não seja nova.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temor pelo Papa emérito: “Está frágil” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU