A vida secreta de missionários chineses no norte do Iraque

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Julho 2017

A execução no mês passado de dois missionários chineses por militantes do Estado Islâmico – EI, no Paquistão, deixa óbvio os perigos desta atividade na região, porém dois jovens cristãos chineses que viveram próximo a um reduto controlado pelo grupo terrorista, no norte do Iraque por mais de um ano, disseram que a vida pode ser mais pacífica aí do que em sua terra natal. O South China Morning Post entrevistou, com exclusividade, o casal, morador de um condomínio fechado que serve de refúgio para mulheres e crianças que fogem do EI.

A reportagem é de Mimi Lau, publicada por The South China Morning Post, 16-07-2017. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Michael, de 25 anos, e Christy, 23, deixaram a China há pouco mais de um ano, logo após se casarem para ir morar numa das regiões mais atormentadas pela guerra no mundo. As preocupações com a segurança, no Iraque e na China, significam que detalhes de suas identidades não podem ser revelados.

“Aqui não é tão preocupante como muitas das pessoas imaginam quando leem os jornais. Na verdade, eu me sinto mais seguro neste local”, diz Michael, ao comparar sua experiência no Iraque com a vida na China. “A vida aqui pode ser descrita como normal”.

Não há estatísticas oficiais sobre o número de missionários chineses trabalhando no exterior, e frequentemente eles se passam por empresários ou professores diante das autoridades alfandegárias. Estimativas feitas por pesquisadores e igrejas locais dizem que pode haver centenas de missionários no exterior, ou mesmo alguns milhares.

Pastores que trabalham em suas igrejas na China dizem que o país tem o maior número de cristãos convertidos no mundo, e isso apesar de contar com um governo comunista oficialmente ateu. A China está a caminho de se tornar o maior “exportador da fé cristã”.

Espelhando-se em missionários ocidentais que praticaram o proselitismo na China séculos atrás, a maior parte dos missionários chineses servem em países em desenvolvimento, especialmente nações muçulmanas, onde atividades desse tipo são perigosas.
A lua de mel preferida dos casais chineses seria algo como as Maldivas, porém Michael e Christy passaram a sua lua de mel e o primeiro aniversário de casamento em um vilarejo iraquiano, dizendo que simplesmente se viram chamados pela fé.

“Uns podem achar que isso é extraordinário, mas não é grande coisa”, explicou Michael. “É apenas a coisa certa a fazer”.

O casal trabalha como voluntário em um projeto a somente 60 quilômetros daquele que era, até recentemente, um território controlado pelo EI. Os militantes usaram civis como escudos humanos e realizaram execuções em massa dos que tentavam fugir.

Prometendo dedicar suas vidas à obra missionária, Michael e Christy dizem que estão preparados para permanecer no Iraque por tempo indeterminado.

“O que fazemos não é raro entre os cristãos chineses”, informou Chisty. “Há tantos outros por aí que amam a Cristo e que dedicam suas vidas ao Reino de Deus”.

Armados com a fé, o idioma inglês e o árabe, que aprenderam por conta própria, Michael e Christy trabalham com refugiados yazidis, membros de uma minoria religiosa perseguida pelo EI como adoradores do demônio. Um estudo divulgado em maio afirma que, pelo menos, 9.900 yazidis iraquianos morreram ou foram sequestrados em um ataque em 2014 perpetrado pelo Estado Islâmico. Cerca de 3.100 foram mortos – a maior parte dos quais assassinados com tiro, degolados ou queimados vivos – e aproximadamente 6.800 foram sequestrados para se tornarem escravas sexuais ou combatentes.

Christy costura roupas com viúvas yazidis para ajudá-las a ter renda, e ela e Michael também ministram aulas de inglês a crianças locais, muitas sendo órfãs ou filhas de famílias monoparentais.

“Estamos felizes por passar o tempo com estas pessoas”, diz Christy. “Cada uma delas tem a sua própria história e tudo o que precisam é de amor. Então, estamos aqui para levar o amor de Cristo a elas”.

Michael disse que não falam explicitamente sobre religião, porque acham que compartilhar o amor através de suas vidas é mais importante do que com palavras, e que querem respeitar a cultural local. O casal está também tentando aprender o dialeto curdo, falado pelos yazidis.

Segundo ele, coisas pequenas como ensinar o vocabulário básico de inglês, fazer desenhos juntos das crianças ou brincar com elas podem fazer uma enorme diferença em infundir valores positivos.

“Muito embora não preguemos o Evangelho, pelos menos plantamos uma semente em seus corações”, disse Michael.

Porém o casal também enfrenta outros perigos, além do extremismo islâmico. Recentemente Christy sobreviveu a um problema sério de saúde, tendo passado dois meses em recuperação após uma infecção, resultado de médicos iraquianos que a operaram com instrumentos sem esterilização em um teatro que se assemelhava a uma garagem mal-cuidada.

Michael e Christy estão longe das imagens estereotipadas dos chineses que vão ao exterior como turistas culturalmente insensíveis. Os dois fazem parte de uma tendência crescente de chineses ao redor do mundo que se põem em viagem por outros motivos que não os negócios, exemplo disso sendo as mortes dos dois missionários chineses, identificados pelas autoridades paquistanesas como Lee Zing Yang, de 24 anos, e Meng Li Si, de 26, mortos por atiradores do EI após sequestro na cidade de Quetta, no final de maio.

Em resposta ao incidente, o Paquistão encrudesceu a liberação de novos vistos e mandou de volta para a China onze missionários que faziam parte do mesmo grupo de Lee e Meng.

“Estamos bastante tristes com o que ouvimos dos missionários no Paquistão”, disse Michael. “Eram bem jovens, tínhamos praticamente a mesma idade”.

Ele disse que o incidente servia como uma lembrança aos missionários de seu país de que, em primeiro lugar, é preciso respeitar a cultura local e evitar ser visto como se estivesse impondo a própria religião aos outros.

“Pregar o Evangelho em um país muçulmano é ilegal”, disse Michael. “Se convertemos um filho, estamos literalmente pedindo que o seu pai o mate”.

Michael disse também que ter sido criado num lar cristão na China, onde igrejas independentes foram suprimidas, o ajudou a se adaptar ao trabalho missionário num ambiente difícil.

“Na China, a nossa religião foi severamente suprimida”, falou. “Quando a fé é resultado de um grande esforço, ela é mais genuína e sincera”.

“Só desejamos difundir valores positivos. Mesmo se viermos a construir uma igreja algum dia, ela seria tão sutil quanto aquela que temos na China. Não haveria estruturas extravagantes, o foco estaria na conexão interior com Deus e na qualidade do companheirismo”.

Missionários protestantes e católicos criaram muitas organizações de caridade, escolas e igrejas na China durante o século XIX, com James Hudson Taylor, que visitou o país onze vezes a partir de 1854, dizendo: “Se eu tivesse mil vidas, a China deveria as ter”.

No entanto, todos os missionários estrangeiros foram expulsos da China quando os comunistas subiram ao poder em 1949.

Embora o número de missionários chineses que trabalham no exterior permaneça pequeno comparado ao de missionários americanos ou sul-coreanos, muitos preveem que a China venha a se tornar o principal país de origem de tais pessoas no futuro.

O Centro de Estudos sobre o Cristianismo Global, do Seminário Teológico Gordon-Conwell, dos EUA, disse que, em 2010, o número de missionários internacionais era de 400 mil. Informou que os EUA, o Brasil, a Coreia do Sul e a Índia estavam entre os principais países de origem. Segundo a Associação Coreana de Missão Mundial, no ano passado havia mais de 27 mil missionários sul-coreanos atuando no exterior, com a maior parte atuando nos países do norte e do sul asiáticos.

Estatísticas oficiais chinesas põem o número de cristãos no país na casa dos 28 milhões, em 2014, com 23 milhões sendo protestantes espalhados por 56.000 igrejas com 48 mil pastores e pregadores. No entanto, estudiosos e analistas estrangeiros estimam, por baixo, que o número de protestantes evangélicos chineses está entre os 70 e 100 milhões.

Um pastor taiwanês que recentemente participou de um congresso cristão em Hong Kong falou que a China se impôs como um país exportador de capital ao se transformar numa fonte de investimento estrangeiro a países da Rota da Seda, mas que está pronto para se tornar o maior exportador da fé cristã agora.

“O reavivamento por vir na China é grande demais para ignorar”, disse o pastor, que tem trabalhado na formação de lideranças cristãs há quase duas décadas e que não quis se identificar.

As igrejas locais protestantes da China trabalham de forma independente das organizações religiosas sancionadas pelo Estado, com membros de suas congregações sofrendo perseguições e com as autoridades tendo aumentado a pressão contra elas nos últimos anos.

Michael e Christy são cristãos de terceira geração, nascidos em áreas rurais, mas que cresceram em ambientes urbanos. Eles e seus pais testemunharam o crescimento resiliente de igrejas protestantes, apesar de décadas de supressão intensa.

Provavelmente os seus avós se converteram ao cristianismo quando o número de cristãos rurais aumentou drasticamente durante e após a Revolução Cultural, quando os fiéis passaram a ser ilegais no país, sendo submetidos a uma severa perseguição.

Michael disse que seus pais compreenderam a escolha feita por ele e que, às vezes, sente saudades de casa.

As investigações em torno das mortes de Lee e Meng no Paquistão continuam, porém as autoridades chinesas e a imprensa os consideram pregadores ilegais que acabaram sendo coagidos por uma igreja sul-coreana.

Estas mortes vêm sendo lembradas de forma anônima em postagens nas mídias sociais por comunidades cristãs locais, que continuam dispostas a mandar missionários ao exterior, apesar de uma repressão acirrada nas fronteiras, informou o Dr. Brent Fulton, analista americano para assuntos asiáticos e autor de “China’s Urban Christians: A Light that Cannot be Hidden”.

Segundo Fulton, em grande parte o esforço foi local, com apenas algumas igrejas cooperando com os organismos internacionais ou chineses no exterior.

“Sugerir que este casal em particular foi, de alguma forma, coagido a ir para o Paquistão por missionários coreanos me parece errado”, falou.

Um missionário americano que tem documentado as lutas das igrejas chinesas no país há mais de uma década diz que os missionários chineses alimentam-se da paixão, mas que não têm nenhuma agenda por trás.

“Eles não estão tentando estabelecer bairros chineses em Bagdá”, disse, concordando com a afirmação de que as igrejas locais na China são as principais promotoras do movimento missionário.

Uma cristã de Wenzhou, na China, em treinamento para ser missionária, falou que os missionários chineses passam por uma formação, dada por igrejas ou seminários não reconhecidos pelo Estado, antes de ir ao exterior. Uma formação básica inclui estudos bíblicos e saber como viver em um ambiente transcultural; alguns dos formandos recebem aconselhamentos ou formação de missionários estrangeiros na China.

“Para que alguém se qualifique para trabalhar como missionário de longo prazo, levam-se anos”, disse ela. “Centenas iniciam um programa de treinamento que pode durar até três anos, mas pode acontecer que só dois se qualificam para ir ao exterior”.

“O movimento de enviar missionários da China ao exterior está só começando. Muitas das missões existentes são de curto prazo”.

É compreensível que algumas turmas foram canceladas após os assassinatos no Paquistão, em decorrência do medo de haver uma repressão por parte do governo chinês.

Mas em lugar de se deixar dissuadir, os cristãos aqui têm circulado mensagens nas redes sociais dizendo que a tragédia somente irá encorajá-los ainda mais a viver a fé.

Acostumado a trabalhar no limiar de uma zona de guerra, Michael não se vê como um mártir potencial.

“A situação aqui não é tão ruim”, diz. “O sacrifício não deve ser um objetivo. É um dom de Deus, portanto se ele está nos dando este dom, também nos dará a força para seguir em frente”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A vida secreta de missionários chineses no norte do Iraque - Instituto Humanitas Unisinos - IHU