50 Anos com os LGBTQ: irmã Jeannine Gramick

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Janeiro 2022

 

"Recentemente o papa Francisco escreveu ao New Ways Ministry e se referiu à ir. Gramick: 'eu sei o quanto ela sofreu'. E acrescentou: 'Ela é uma mulher valente que tomou sua decisão em oração'", escreve Luís Corrêa Lima, sacerdote jesuíta, professor da PUC-Rio e autor do livro Teologia e os LGBT+: perspectiva histórica e desafios contemporâneos (Ed. Vozes), em artigo publicado por Dom Total, 24-12-2021.

 

Eis o artigo.

 

Em 1971, uma religiosa norte-americana de uma congregação de educadoras fazia seu doutorado em matemática. Ela encontrou um jovem gay que lhe perguntou: “irmã, o que a Igreja Católica está fazendo por minhas irmãs lésbicas e meus irmãos gays”? Ela se deu conta de que a Igreja fazia muito pouco. Resolveu então pôr mãos à obra e se engajar neste apostolado.

Pouco depois, junto com o padre Robert Nugent, começaram um apostolado com os LGBTQ. Em 1977, eles fundaram o New Ways Ministry (Ministério dos Novos Caminhos), como um movimento católico de construir pontes, através da educação e da militância, a fim de promover justiça social e atendimento pastoral a pessoas LGBTQ, bem como sua reconciliação com outras pessoas.

Criaram cursos, retiros e publicações, fizeram palestras, disponibilizaram material e promoveram ações de defesa, mostrando uma outra face da Igreja nos EUA. Formaram líderes religiosos, teólogos, agentes pastorais, pessoas LGBTQ e fiéis em um imperativo de inspiração católica de tratar os LGBTQ com igualdade e justiça.

Este apostolado enfrentou por muito tempo uma forte resistência da alta hierarquia da Igreja, especialmente por divergências a respeito da inclinação e dos atos homossexuais. Ao final dos anos 1990, ir. Gramick e pe. Nugent foram proibidos permanentemente de exercer qualquer atividade pastoral com pessoas homossexuais. Ir. Gramick fez um discernimento, apoiado em sua vida espiritual, e decidiu não obedecer e prosseguir. Ela se baseou no próprio ensino da Igreja Católica, expresso no Concílio Vaticano II, de que a consciência é o sacrário em que Deus se manifesta ao fiel. A pessoa tem o direito de agir segundo a norma reta da sua consciência, e o dever de não agir contra ela. Pela fidelidade à voz da consciência, os cristãos estão unidos aos outros seres humanos no dever de buscar a verdade, e de nela resolver os problemas morais que surgem na vida individual e social. E se baseou também no ensino sobre a hierarquia de verdades na doutrina, de que há uma ordem de importância nos conteúdos doutrinais, em que uns são mais importantes do que outros. Divergir sobre algo menos importante é diferente de divergir sobre algo mais importante.

Como consequência de sua decisão, ir. Gramick teve que deixar sua congregação religiosa. Mas outra congregação a acolheu, as Irmãs de Loreto. Desta forma ela permaneceu na Igreja Católica, na vida religiosa e no trabalho com os LGBTQ. Em 2005 foi lançado em festivais de cinema um documentário sobre sua vida, Em Boa Consciência (In Good Conscience). Perguntaram-lhe por que ela não deixa a Igreja Católica, uma vez que tem sofrido tanta oposição. Ela respondeu que a Igreja é a sua família religiosa, onde ela nasceu e cresceu, e que esta faz parte dos seus ossos. Se você discorda de sua família, deve dizê-lo e procurar tornar sua família melhor, e não abandoná-la.

Pe. Nugent faleceu em 2014. Ir. Gramick continuou seu trabalho e regularmente fazia peregrinações a Roma com um grupo de gays e lésbicas. Em 2015, na Quarta-feira de Cinzas, eles estavam na Praça de São Pedro para a audiência pública do papa Francisco. Eram 49 pessoas. Como um gesto de apreço, o papa mandou convidar o grupo a subir na plataforma onde ele estava, junto à porta da Basílica, para lá se sentar durante a audiência. Ir. Gramick explica que isto foi muito significativo porque isso não havia acontecido durante os dois pontificados anteriores, quando ela trouxe outros peregrinos lésbicas e gays para a audiência papal. Para eles, isto significou a acolhida pela Igreja institucional de um grupo marginalizado, aproximando o grupo dos representantes da Igreja. Para os que se sentiam excluídos, esse tratamento excepcional foi como um abraço caloroso (aqui).

Recentemente o papa Francisco escreveu ao New Ways Ministry e se referiu à ir. Gramick: “eu sei o quanto ela sofreu”. E acrescentou: “Ela é uma mulher valente que tomou sua decisão em oração”(aqui). Este é um belíssimo reconhecimento de quem dedicou 50 anos ininterruptos ao apostolado com os LGBTQ. Em 2005 eu vi o documentário Em Boa Consciência. A figura desta irmã me marcou profundamente, como um anjo do Senhor portador de uma mensagem. Sou imensamente grato a Deus por sua vida e vocação, e a ela pelo seu sim corajoso, perseverante e resiliente.

Parabéns pelo seu jubileu apostólico, ir. Jeannine Gramick! Que Deus lhe abençoe ricamente!

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

50 Anos com os LGBTQ: irmã Jeannine Gramick - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV