Desconsiderar mudança climática fez Brasil gastar R$ 17 bi a mais com térmicas

Mais Lidos

  • Informação falsa envolve Catedral de Brasília e primeira-dama

    LER MAIS
  • O Rito Amazônico toma forma a partir de baixo e das Igrejas locais

    LER MAIS
  • Milei está no fundo do poço de uma esquerda envelhecida. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Outubro 2021

 

A Conferência das Partes (COP) começa dia 31 em um cenário de escassez e preço alto de energia que ameaça a retomada da economia mundial. No Brasil, a crise energética é agravada por planejamentos que ignoram as mudanças climáticas e o “novo normal” – a redução de chuvas que tem se evidenciado nos últimos anos.

A reportagem é de Mario Ferreira, publicada por EcoDebate, 22-10-2021.

A falta de água custa caro à União, ao setor produtivo e ao consumidor. Um estudo apresentado em mesa redonda promovida pelo iCS (Instituto Clima e Sociedade) estima que o Brasil gastou R$ 17 bilhões a mais do que teria gasto se tivesse agido de forma preventiva, acionado há mais tempo térmicas a gás, mais baratas, para economizar a água das hidrelétricas.

Esse “seguro contra a seca” teria custado R$ 20 bilhões. Como não foi feito, os reservatórios chegaram ao menor nível em 90 anos, e o governo, agora, tem de gastar R$ 37 bilhões para acionar todas as térmicas, inclusive as mais caras, a diesel. Os cálculos são do engenheiro Donato Filho, diretor da Volt Robotics e professor de pós-graduação da USP em Modelagem Computacional e Sistemas Inteligentes. A apresentação do estudo contou com a participação o do matemático Sérgio Margulis e do engenheiro Luiz Eduardo Barata, ex-diretor do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), entre outros especialistas convidados pelo iCS.

O estudo mostra também que a conta poderia ser ainda menor caso o governo tivesse investido antes na ampliação da geração solar e eólica. Essas fontes renováveis teriam evitado o esvaziamento dos reservatórios, cumprindo a mesma função que as térmicas, só que a um custo muito menor e sem aumentar as emissões. Um investimento anual de R$ 10,7 bilhões, metade do valor gasto com as térmicas, seria o melhor “seguro contra a seca” disponível. “Em vez disso, leis e emendas obrigam a contratar térmicas, um malabarismo para passar o custo da energia suja ao consumidor. É uma espiral da morte: aumentamos as emissões de CO2, que aceleram as mudanças climáticas. As térmicas deveriam ser a última opção, mas se tornaram prioridade nas emendas do Congresso à MP de privatização da Eletrobras, com o consumidor sendo forçado a comprá-las a preços altos”, critica Donato.

Sérgio Margulis reforça que o planejamento não pode mais ignorar as mudanças climáticas: “As secas não são mais eventos extraordinários, são para sempre e cada vez mais frequentes e intensas. O setor agrícola também vai ter que se adaptar a mais temperatura e menos chuva, todos temos de conviver com o novo normal.” Margulis, que foi economista do meio ambiente do Banco Mundial em Washington por 22 anos e trabalhou com o tema em mais de 40 países, é autor de “Mudanças climáticas: tudo o que você queria e não queria saber”. Ele apresentou uma série de mapas evidenciando a tendência de redução da chuva em todo o Brasil, com exceção do Sul.

“O fator fundamental desta grande crise é que o planejamento não considera as mudanças climáticas. Quem paga é o contribuinte, e isso impacta toda a economia”, complementa a diretora programática do iCS, Teresa Liporace. Ela lembra que, às vésperas da COP, o Brasil dá uma “pedalada” em sua própria vantagem competitiva, adotando ações poluentes quando deveria mitigar riscos climáticos. “A quem interessa adotar medidas de curto prazo que vão ter impactos a longo prazo para todos?” O ex-ministro José Goldemberg, que presidiu quatro estatais do setor elétrico, comparou a atitude do governo em não evitar o esvaziamento dos reservatórios à de quem não faz seguro do carro. “Se você paga o seguro, vê que é muito menos do que o prejuízo de perder o carro. Não fazer seguro contra a incerteza tão grande de chuvas é um absurdo.”

Ex-diretor do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) e ex-secretário-executivo do Ministério das Minas e Energia, Luiz Eduardo Barata lembra que o problema das mudanças climáticas é mundial, mas o Brasil procura agravá-lo ao contratar fontes poluentes em vez de se adequar à realidade. “O problema não é divino, é da natureza. Começa com crise climática, se transfere para a hídrica e, no Brasil, vira crise elétrica. O caminho é quebrar o paradigma e viabilizar a contratação em grande escala das renováveis, mas insistimos em negar o que o mundo nos apresenta”, disse o engenheiro.

Muitos estudos, segundo Barata, demonstram que o Brasil pode recuperar os reservatórios, tirando-os da situação crítica, com energias renováveis. “O esquema que vivemos desde o início do sistema, década de 50, não serve mais, e o uso das renováveis no período seco permitiria manter as hidrelétricas em condições de modular a carga elétrica o ano todo, sem esvaziar os reservatórios”. Donato reitera que o Brasil precisa observar como as mudanças climáticas estão alterando decisões governamentais pelo mundo. “O governo da China, um país comunista, está falando em adotar preço de mercado para a energia, para as pessoas sentirem o que estão gastando. E nós estamos com tarifa fixa”, compara.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desconsiderar mudança climática fez Brasil gastar R$ 17 bi a mais com térmicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU