Os bajuladores. Artigo de Gianfranco Ravasi

Mais Lidos

  • “O Papa Francisco está isolado. Nas redes sociais a ala tradicionalista da Igreja está muito mais viva”. Entrevista com Enzo Bianchi

    LER MAIS
  • “A Economia, ela está morta, porque ela deveria estar a serviço das pessoas”, afirma cardeal Steiner na inauguração da 1ª Casa de Francisco e Clara na Amazônia

    LER MAIS
  • São Charles de Foucauld. O irmão universal, místico do silêncio no deserto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Julho 2021

 

Um pouco de urbanidade, de generosidade e de confiança infundida no interlocutor é algo bom. Mas a subserviência, a prostração e a cortesia até à falsidade e à impudência são uma doença que infecta as relações sociais e, não raramente, também as eclesiais.

O comentário é do cardeal italiano Gianfranco Ravasi, prefeito do Pontifício Conselho para a Cultura, em artigo publicado em Il Sole 24 Ore, 04-07-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

 

“Os aduladores são hábeis leitores do pensamento. Dizem-lhe exatamente aquilo que você pensa.”

Ao menos uma vez na vida, quem não se deixou encantar por uma lisonja ou por um elogio, mesmo que evidentemente exagerado ou enfático? E, em sentido contrário, quem nunca recorreu ao incensamento ou à bajulação para conquistar o favor de uma pessoa importante?

Poderíamos distorcer o célebre lema de Voltaire sobre a calúnia no seu antípoda: “Louvem, louvem: alguma coisa restará!”.

Um escritor moralista francês do século XVIII, Luc de Clapiers, marquês de Vauvernagues, observava que “nós amamos até os elogios que sabemos que não são sinceros”, tão doce é a adulação.

Mais acima, porém, citamos uma frase presente na “História da Inglaterra” do barão Thomas Babington Macaulay, político e historiador britânico do século XIX. As suas palavras são sacrossantas, e deveríamos repeti-las quando nos sentimos celebrados e exaltados demais, cientes de que essa mesma atitude talvez tenha sido praticada por nós em relação a quem queríamos conquistar ou agradar.

É claro, um pouco de urbanidade, de generosidade e de confiança infundida no interlocutor é algo bom. Mas a subserviência, a prostração e a cortesia até à falsidade e à impudência são uma doença que infecta as relações sociais e, não raramente, também as eclesiais.

É necessário manter a dignidade e a sinceridade, mesmo que às vezes isso possa custar em termos de sucesso, carreira e popularidade.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bajuladores. Artigo de Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU