Temporada de queimadas trará mais doenças respiratórias em hospitais já sobrecarregados na Amazônia por Covid-19, diz Ipam

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Junho 2020

Pesquisadores alertam que 4,5 mil km² de floresta desmatada estão ‘prontos para queimar’.

A reportagem é publicada por G1, 08-06-2020.

As internações por doenças respiratórias deverão aumentar durante a “temporada do fogo” na Amazônia, que ocorre geralmente a partir de junho e julho. De acordo com relatório do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) divulgado nesta segunda-feira (8), quanto mais queimadas na floresta, maior será a poluição do ar. O número de pacientes nos hospitais já sobrecarregados pela Covid-19 irá subir nos próximos meses.

“Coibir as queimadas e o desmatamento neste ano, além de uma ação de proteção ambiental, é também uma medida de saúde”, afirma o pesquisador Paulo Moutinho, do Ipam, um dos autores do documento.

Hoje, na Amazônia, uma área de 4,5 mil km² – equivalente a três vezes o município de São Paulo — está pronta para queimar, de acordo com o relatório. Esse é o resultado das derrubadas do fim de 2019, com a soma do que foi desmatado em 2020. Essa vegetação pode virar fumaça com a chegada da estação seca.

Quatro estados concentram 88% da área desmatada e que ainda não foi queimada: Pará (42%), Mato Grosso (23%), Rondônia (13%) e Amazonas (10%). “O fogo é o próximo passo no processo de conversão de uma floresta em outro uso da terra, como pasto”, explica a diretora de ciência do Ipam, Ane Alencar.

A preocupação com a saúde pública é um reflexo do que ocorreu em 2019, quando os municípios que mais queimaram na Amazônia apresentaram o ar 53% mais poluído, em média, em relação a 2018.

“Durante a temporada de fogo, extensas áreas da Amazônia têm qualidade do ar pior que no centro da cidade de São Paulo devido às queimadas. Isso tem forte efeito na saúde, especialmente em crianças e idosos, que são as populações mais vulneráveis”, explicou o físico Paulo Artaxo, da Universidade de São Paulo, que colaborou com o trabalho.

O Ipam cobra que as autoridades responsáveis tomem medidas contra o aumento do fogo na região: “Uma não ação dos poderes públicos na prevenção do desmatamento e das queimadas poderá representar perdas de vidas humanas para além das previstas com a pandemia”, afirmou Paulo Moutinho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temporada de queimadas trará mais doenças respiratórias em hospitais já sobrecarregados na Amazônia por Covid-19, diz Ipam - Instituto Humanitas Unisinos - IHU