Marielle e Monica, por todas as famílias

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Março 2018

Vereadora deixa a viúva e uma filha de 19 anos. Dar visibilidade às lésbicas era uma de suas bandeiras: “Esse tema não será colocado para debaixo do tapete”, dizia.

Na última quinta-feira, 15, embaixo do vão do MASP, enquanto milhares de pessoas começavam a se reunir para uma manifestação em repúdio ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), um microfone era revezado entre lideranças e militantes femininas. As falas emocionadas exigiam uma explicação do Governo, criticavam a intervenção militar no Rio de Janeiro, mas, principalmente, lembravam o legado de Marielle. Entre tudo o que foi dito, ficaram ecoando ao longo dos dias algumas palavras: mulher, negra, pobre e lésbica.

A reportagem é de André de Oliveira, publicada por El País, 18-03-2018.

A sexualidade da vereadora, ressaltada na manifestação, não era apenas parte importante e indissociável de sua história pessoal.

Marielle costumava publicar fotos ao lado da mulher Monica Benício. Eram declarações de amor, como de qualquer outro casal, mas sempre acompanhadas de uma mensagem clara: dar visibilidade às mulheres lésbicas. Não à toa, vez ou outra, publicava fotos acompanhadas da hashtag #nossasfamiliasexistem, que, como lembrou a revista Claudia, era uma referência ao Estatuto da Família, que define o núcleo familiar como formado apenas pela união entre homens e mulheres.

Em 2017, a então vereadora levou a questão para a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Em agosto do ano passado, apresentou um projeto de lei que incluía o Dia da Visibilidade Lésbica no calendário oficial da capital carioca. A iniciativa foi rejeitada por 19 a 17 votos, apesar da intensa mobilização promovida por coletivos LGBT.

À época da rejeição do projeto, Marielle comentou que o esforço tinha valido à pena, pois era uma forma de tirar a Câmara da zona de conforto. “Não é à toa que buscamos representatividades das mulheres, mulheres negras, mulheres lésbicas, mulheres das favelas. Vai ter muita luta e mulher lésbica na Câmara. “Esse tema não será colocado para debaixo do tapete. Sim. Nossas vidas importam”, disse após o resultado.

Em sua coluna no jornal O Globo, a jornalista Dorrit Harazim lembra que a vereadora, um exemplo nos cargos legislativos, tocou a vida privada e o mandato político com absoluta coerência. “Em 13 meses, apresentou 16 projetos de lei. Com foco em políticas públicas para mulheres, negros e a defesa da comunidade LGBT”, escreve Harazim. O amor de Marielle, como tudo ao seu redor, era também político.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marielle e Monica, por todas as famílias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU