Garimpo, água contaminada e ultraprocessados estão na raiz da desnutrição de crianças Yanomami

Mais Lidos

  • “Passamos da etapa do aquecimento, estamos em uma emergência climática ou de ebulição global”. Entrevista com Paulo Artaxo

    LER MAIS
  • Milhares de pessoas foram resgatadas de trabalho escravo contemporâneo em 2023 no Brasil. Entrevista com Frei Xavier Plassat

    LER MAIS
  • Um histórico encontro de oração entre protestantes, ortodoxos e católicos na Roma papal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Fevereiro 2023

Estudo da Fiocruz mostra peso de questões sociais como obstáculo para solução do problema.

A reportagem é de Nara Lacerda, publicada por Brasil de Fato, 15-02-2023.

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) indica que a desnutrição entre crianças Yanomami não é um problema recente. A questão tem bases históricas e já era crítica nos primeiros anos do governo de Jair Bolsonaro (PL).

Entre 2018 e 2019, o estudo avaliou 350 crianças com menos de 5 anos. Foram medidos peso e tamanho, feitos exames para medir níveis de anticorpos e as famílias foram entrevistadas. A intenção da equipe da Fiocruz era ter informações também sobre a situação do domicílio, o acesso a água potável, banheiro, coleta e tratamento de lixo.

Em 80% das crianças foi identificado déficit de estatura para a idade. Metade delas estava abaixo do peso por desnutrição aguda e 70% tinham anemia. O levantamento se concentrou em duas regiões da terra Yanomami: Awaris, no extremo norte de Roraima, e Maturacá, em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas.

A professora-pesquisadora da Escola Politécnica da Fiocruz, Ana Claudia Santiago, que participou da pesquisa, explica que até os seis meses de idade, as crianças apresentaram desenvolvimento apropriado. O problema começa quando a dieta passa a não ser formada apenas pelo aleitamento materno. 

“A criança mama no peito da mãe o tempo todo e isso também a distancia do contato com o chão e com a terra. Ela está protegida no colo da mãe. Nesse contexto ela cresce normalmente. Quando ela vai para o chão, começa a ter contato com outros alimentos, beber água e a ter quadros de diarreia sistemáticos.”

Os quadros recorrentes criam cenários de desnutrição e perda de peso, agravados pela água contaminada e pela falta de saneamento, fatores determinantes para o cenário atual.

Ana Claudia Santiago cita um estudo deste ano que avalia a qualidade da água na região, realizado por pares da Fiocruz. Segundo ela, os resultados preliminares já apontam grande concentração de coliformes fecais nos igarapés e rios.

A falta de alimentos de qualidade completa a equação perversa.

“Também tem a fome. Combinado a isso, temos mudanças nos hábitos alimentares. Era uma população que comia peixe, mandioca, outros alimentos cultivados na roça. Hoje, por conta da proximidade com a população, existem outros alimentos circulando ali. Biscoitos, refrigerantes. Então, você vê uma criança que não tem acesso à comida saudável matando a fome com um biscoito que não tem nenhum valor nutricional. Isso tem a ver com a proximidade com o garimpeiro, que mudou a dieta desse povo.” 

A pesquisadora ressalta que a presença do garimpo ilegal na região não é nova e leva mazelas ao povo Yanomami desde a década de 1970. No últimos quatro anos, no entanto, a atividade se intensificou de uma forma inédita.

“Essa proliferação da atividade provocou problemas que, até então, também eram inéditos. O território destruído por conta do garimpo aumentou muitíssimo. Não temos dúvida de que que os últimos quatro anos foram decisivos, foram muito importantes para que a situação ficasse do jeito que ficou.”

Como desdobramento da pesquisa, as equipes da Fiocruz trabalham agora para criar sistemas de abastecimento de água potável na região, com a comunidade envolvida no processo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Garimpo, água contaminada e ultraprocessados estão na raiz da desnutrição de crianças Yanomami - Instituto Humanitas Unisinos - IHU