Aborto gratuito até o quinto mês. Um bispo e um teólogo explicam por quê

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Novembro 2022

Ele foi o primeiro a reconhecer que a tese por ele defendida consegue "subverter a concepção de aborto da Igreja". Ou seja, a tese de que só se é "pessoa humana" "após o quarto/quinto mês" de gravidez, e portanto antes desta data o aborto não é mais homicídio e nem mesmo pecado, se praticado com justa causa.

A reportagem é de Sandro Magister, publicada por Settimo Cielo, 23-11-2022. 

Esta tese é sustentada por um conhecido e estimado bispo, Luigi Bettazzi, 99 anos, último bispo italiano ainda vivo que participou do Concílio Vaticano II, quando era auxiliar do cardeal e arcebispo de Bolonha Giacomo Lercaro que desempenhou um papel de destaque naquele Conselho.

Fez isso num artigo de duas páginas na Rocca de 15 de agosto, revista da Pro Civitate Christiana de Assis, voz histórica do catolicismo progressista e pacifista. Artigo apresentado como "Reflexões sobre o aborto" e intitulado "Posterius", advérbio latino que significa "depois".

O eco de sua postura foi inicialmente tênue. Mas em meados de novembro, ainda em Rocca, teólogo moralista dos mais lidos e estudados, Giannino Piana, ex-professor de ética nas universidades de Turim e Urbino, retomou e desenvolveu os argumentos de Bettazzi, assumindo que ele os compartilhava. Também ele, reconhecendo que a sua tese “contrasta com a doutrina tradicional da Igreja”, mas para de imediato acrescentar que “a autêntica tradição cristã não pode e não deve ser pensada como um bloco monolítico, a ser transmitido de forma mumificada e repetitiva” . Com efeito, é «uma tradição aberta e inovadora, em constante crescimento» e «a coragem de mudar, no pleno respeito da substância evangélica, é o caminho a seguir para a tornar credível e universalizável».

Isso é suficiente para perceber a força disruptiva da tese de Bettazzi e Piana. Mas não menos reveladores são os argumentos com que a sustentam.

Bettazzi começa por distinguir entre "razão" e "intuição", ou seja, entre uma forma de conhecimento da realidade de natureza intelectualista e calculista, cartesiana, inteiramente centrada no "eu", e outra - a valorizar - mais atenta ao "esprit de finesse" pascaliano, às razões do coração, e mais centrado no "nós".

Em seguida, cita o Gênesis onde lemos que "Deus formou o homem com o pó da terra e soprou em suas narinas o sopro da vida e o homem se tornou um ser vivente", para derivar disso que a narração bíblica identifica no que se molda com o pó do solo "algo preliminar que ainda não é o único ser humano", que só o será mais tarde, com o sopro da vida.

E ele se pergunta: “Qual seria o momento do sopro da vida que torna o que é preliminarmente uma pessoa humana?”.

“A razão”, responde Bettazzi, “nos diz que aquele seria o momento em que o esperma masculino fecunda o óvulo feminino”. Mas a "intuição" é mais incerta e aberta ao mistério. Ele hesita em dizer que essa nova realidade já é uma pessoa. É talvez após o assentamento do ovo fertilizado no útero da mãe? São três meses de gravidez, quando as várias partes do corpo já estão configuradas?

Não. responde o bispo. Muito mais convincente, escreve, é o que "um cientista moderno", cujo nome é omitido, defendeu que "o ser humano só se torna um indivíduo autónomo, uma pessoa, quando se torna capaz, ainda no seio materno, de poder viver como ser humano e respirar autonomamente: portanto, não antes do quarto/quinto mês, como João Batista que saltou no ventre de Isabel ao saudar Maria no sexto mês".

Por sua vez, o teólogo Piana, especialista em bioética e ex-presidente da Associação Italiana de Teólogos Morais, ao retomar a tese de Bettazzi, insiste sobretudo no "sentimento" particular da mulher, "marcada por um envolvimento existencial único" na conhecer "o processo humano em que alguém se torna pessoa", que "nunca pode ser encerrado em esquemas pré-definidos" e "apresenta-se como perpetuamente aberto".

O que é certo, escreve Piana, é que "o momento do início da vida pessoal deve ser antecipado bem antes do ato da fecundação e não se pode falar em sentido estrito de aborto senão a uma distância considerável desse acontecimento". O que implica que "o suicídio ocorrido nos primeiros meses de gravidez, por mais grave que seja, não pode ser qualificado como homicídio".

Até agora, Roma respondeu a essa tese perturbadora com silêncio. No entanto, Francisco é muito drástico neste assunto. Ele disse e escreveu várias vezes que fazer um aborto é "eliminar uma vida humana", é "contratar um assassino para resolver um problema". E sempre deixou claro que para ele e para a Igreja toda nova vida humana é uma "pessoa" a partir da concepção, não quatro ou cinco meses depois.

Mas talvez o papa não saiba - ou mostre que não sabe - o que um de seus bispos disse publicamente, com uma voz que certamente não era isolada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aborto gratuito até o quinto mês. Um bispo e um teólogo explicam por quê - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV