Mudança Climática – Ondas de calor aumentam a demanda por energia

Mais Lidos

  • A hierarquia se opõe à abertura aos fiéis LGBT, mas o Espírito sopra onde quer

    LER MAIS
  • Racismo anti-indígena e a nova faceta do agrogolpe: o pacto narcísico da branquitude ‘aliada’

    LER MAIS
  • O que é e como opera o negacionismo? Entrevista com Donatella Di Cesare

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

31 Agosto 2022

 

Devido às mudanças climáticas, ondas de calor mais frequentes aumentarão a demanda global por eletricidade em 7% até 2050 e em 18% até 2100, exigindo investimentos consideráveis em energia ou fortes estratégias de mitigação.

 

A reportagem é publicada por Fondazione Centro Euro-Mediterraneo sui Cambiamenti Climatici e reproduzida por EcoDebate, 27-08-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

Um novo estudo publicado hoje na Nature Communications por pesquisadores do Centro Euro-Mediterrâneo de Mudanças Climáticas, da Universidade Ca’ Foscari de Veneza, do Instituto Europeu de Economia e Meio Ambiente e da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres conclui que a adaptação às mudanças climáticas exigirá mais energia do que o estimado anteriormente, levando a maiores investimentos e custos de energia. Evitar essa carga energética adicional é outro benefício importante da mitigação ambiciosa que até agora permaneceu negligenciada na academia, no debate público e nas negociações internacionais.

 

Este novo estudo lança luz sobre um ponto cego da transição energética e da implementação de políticas climáticas: as necessidades de adaptação reduzirão a eficácia da política de mitigação do clima, sendo, portanto, necessário rever essas políticas levando em conta as mudanças evidentes nas condições climáticas. Os pesquisadores envolvidos examinaram como as respostas às mudanças climáticas afetarão os sistemas de energia e, portanto, o alcance das metas de mitigação, incluindo seus custos econômicos. Estimar o tamanho das necessidades futuras de energia para adaptação às mudanças climáticas tem implicações importantes para a transição para a sustentabilidade e economias descarbonizadas.

 

Francesco Pietro Colelli, principal autor do estudo, destaca que “a adaptação às mudanças climáticas por meio de ajustes nos hábitos energéticos, como fizemos no passado, aumentará a demanda global por eletricidade em 7% até 2050 e em 18% em 2100. Como grande parte de nossa energia ainda vem de carvão, gás e petróleo, existe o risco de que esse aumento leve a que mais capital físico seja bloqueado em combustíveis fósseis, correspondendo a cerca de 30 a 35 novas grandes usinas a gás e 10-15 novas grandes usinas a carvão e óleo a cada ano entre agora e 2050”.

 

Na Europa, o aumento da procura de eletricidade para arrefecimento será mais do que compensado pela diminuição da procura de combustíveis para aquecimento, conduzindo a uma redução de 6% na procura final de energia até ao final do século. Ainda assim, entre agora e 2050, sob as atuais políticas climáticas, são necessários € 235 bilhões adicionais em investimentos e despesas operacionais em geração e transmissão de energia para fornecer a eletricidade adicional necessária para resfriamento.

 

Foto: Reprodução | EcoDebate

 

Enrica De Cian, coautora do estudo e líder de um projeto ERC europeu dedicado à crise de resfriamento, ENERGYA, explica que “a adaptação através do ar condicionado também exigiria mais recursos para investimentos na rede e geração de energia. Os custos gerais de geração de eletricidade, incluindo investimentos em capacidade, redes, combustível, custos de operação e manutenção, aumentarão 21% ao longo do século. Os custos adicionais do lado da oferta serão repassados ​​aos consumidores por meio de aumentos no preço da eletricidade em torno de 2%-6% devido ao feedback de adaptação-energia em diferentes regiões”.

 

“Políticas ambiciosas de mitigação podem reduzir em mais da metade o aumento dos custos do sistema energético induzido pela adaptação, dependendo do rigor da meta climática. Por causa dos benefícios em termos de necessidades de adaptação reduzidas, os custos para descarbonizar o sistema elétrico em cenários ambiciosos de mitigação seriam menores do que as estimativas anteriores, e se tornariam negativos em cenários bem abaixo de 2 graus, apontando para ganhos líquidos em termos dos custos do sistema de energia”.

 

Colelli salienta por fim que “a adaptação induz variações nos mercados de energia que acabam por resultar em uma mudança nas emissões globais e regionais de gases de efeito estufa de cerca de 7% cumulativamente de 2020 a 2100. Como consequência da variação nas emissões, caminhos de mitigação ambiciosos veem um aumento no preço global do carbono entre 5% e 30%”. Esse aspecto pode e deve ter implicações importantes para as negociações internacionais sobre mudanças climáticas.

 

Detalhes técnicos

 

Ao integrar o “loop de feedback de adaptação-energia” no modelo Híbrido de Mudança Técnica Induzida pelo Mundo – WITCH, o estudo é um dos primeiros a integrar totalmente as necessidades de energia para adaptação endogenamente nas vias de mitigação, de modo que o desenho da política climática seja diretamente influenciado por necessidades de energia de adaptação. Os resultados indicam que a adaptação climática pode levar a uma maior demanda de energia, custos do sistema de energia e preços de carbono, com os benefícios da mitigação compensando os custos de descarbonização.

 

Foto: Reprodução | EcoDebate

 

Link para o artigo científico

Colelli, F.P., Emmerling, J., Marangoni, G. et al. Increased energy use for adaptation significantly impacts mitigation pathways. Nat Commun 13, 4964 (2022). Disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudança Climática – Ondas de calor aumentam a demanda por energia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU