Conferência de Lambeth: juntos, mas divididos. Artigo de Marcello Neri

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Agosto 2022

 

"A proposta de Welby veio após a aprovação unânime do documento 'Uma Igreja segura' seguindo essa forma de proceder. Resta ver se será tão eficaz mesmo chegar a tratar de questões que causam maior divisão e discussão dentro da Comunhão Anglicana", escreve o teólogo e padre italiano Marcello Neri, professor da Universidade de Flensburg, na Alemanha, em artigo publicado por Settimana News, 02-08-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Eis o artigo.

 

No dia 26 de julho, foi aberta a XV Conferência de Lambeth, com a presença de mais de 600 bispos da Comunhão Anglicana, que tem como tema de base "A Igreja de Deus para o mundo de Deus: caminhar, escutar e testemunhar juntos" – os trabalhos terminarão no domingo, 7 de agosto.

 

Prevista para 2018, havia sido adiada devido a tensões internas da Comunhão Anglicana ligadas à indicação de mulheres para o ministério episcopal e, sobretudo, a visões profundamente diferentes entre as Igrejas que compõem a Comunhão em matéria de moral sexual individual (com a escolha de algumas dioceses e províncias ocidentais para proceder à eleição de bispos homossexuais coabitantes). Remarcada para 2020, devido à pandemia, se teve que esperar até 2022.

 

O quanto a questão continue a causar divisão, em um eixo que divide a parte ocidental da Comunhão Anglicana daquela do sul global, ficou imediatamente claro já nos primeiros dias da Conferência. De fato, em 29 de julho, foi emitido um comunicado pela "Global South Fellowship of Anglican Churches" afirmando que os bispos que fazem parte dela se recusarão a receber a comunhão das mãos de bispos que vivem com parceiros homossexuais e daqueles que são a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

 

Os bispos da "Global South Fellowship" também pedem que seja claramente reafirmada a doutrina sobre o casamento na Comunhão Anglicana, conforme estabelecida na resolução 1.10 da Conferência de Lambeth de 1996, - que afirma que o casamento é um vínculo vitalício entre um homem e uma mulher. Por isso, pede-se a aplicação de sanções canônicas contra aquelas Igrejas e dioceses nacionais em que vigora uma disciplina diferente quanto à doutrina sobre o matrimônio e que admitem a nomeação episcopal de pessoas que vivem em relações homossexuais.

 

Os bispos que se recusaram a participar da Conferência de Lambeth pela maneira como é abordada e gerenciada a questão da moral sexual e a ordenação de pessoas homossexuais coabitantes ultrapassa a centena. Em especial, a Comunhão Anglicana é criticada por não respeitar e ouvir as razões das Igrejas não-ocidentais e que defendem a doutrina tradicional – ressaltando o fato de que agora se trata da maioria dentro da própria Comunhão Anglicana.

 

No início da Conferência, o Arcebispo de Canterbury Justin Welby afirmou que “A resolução 1.10 ainda faz parte da Comunhão Anglicana, mesmo que não seja universalmente aceita. Existe uma divisão profunda a respeito. A decisão sobre como proceder cabe a cada diocese e província da Comunhão”.

 

Dividida em três fases, uma preparatória (2021-2022), uma de encontro e debate (julho-agosto de 2022) e uma de testemunho comum após a Conferência, a estrutura do momento de celebração e discussão foi alterada no decorrer dos trabalhos.

 

De fato, em 31 de julho, Welby anunciou que os documentos sobre os quais os bispos devem discutir não levarão a uma votação formal, mas as observações feitas pelos bispos serão registradas e integradas e transmitidas ao grupo de trabalho responsável pela organização da terceira etapa da própria Conferência. Desta forma, ela poderá se abrir levando em conta as vozes dos bispos e as posições das diferentes províncias e dioceses da Comunhão Anglicana.

 

Ao final de cada debate sobre os diversos documentos haverá uma indicação verbal de concordância - se o documento tiver recebido um consenso claro será entregue ao grupo de trabalho para a terceira fase para posterior elaboração.

 

A proposta de Welby veio após a aprovação unânime do documento "Uma Igreja segura" seguindo essa forma de proceder. Resta ver se será tão eficaz mesmo chegar a tratar de questões que causam maior divisão e discussão dentro da Comunhão Anglicana.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conferência de Lambeth: juntos, mas divididos. Artigo de Marcello Neri - Instituto Humanitas Unisinos - IHU