Cardeal alemão pede mudança no ensino da Igreja sobre homossexualidade

Mais Lidos

  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • Frente à carnificina, testemunhar. O quê? Uma resposta do cristianismo de libertação. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Abril 2022

 

O cardeal de Munique Reinhard Marx pediu uma mudança no ensino católico sobre a homossexualidade, informou a agência de notícias católica alemã KNA.

 

A reportagem é publicada por National Catholic Reporter, 31-03-2022. 

 

"O catecismo não está gravado em pedra. Pode-se questionar também o que ele diz", disse Marx à revista semanal Stern em entrevista publicada em 31 de março.

“A homossexualidade não é um pecado. Corresponde a uma atitude cristã quando duas pessoas, independentemente do gênero, se defendem, na alegria e na tristeza”, disse ele. O valor do amor também foi demonstrado em "não fazer da outra pessoa um objeto, não usá-la ou humilhá-la".

Marx acrescentou: “As pessoas LGBTQ+ são parte da criação e amadas por Deus, e somos chamados a lutar contra a discriminação”. Ele também disse: "Aqueles que ameaçam homossexuais e qualquer outra pessoa com o inferno não entenderam nada".

No início de março, em uma missa comemorando o 20º aniversário dos "serviços queer" em Munique, Marx se desculpou pela discriminação da Igreja contra os homossexuais. Em seu sermão, o cardeal promoveu uma "igreja inclusiva".

O cardeal disse a Stern que há apenas 10 anos ele não poderia imaginar realizar tal serviço.

"Durante anos me senti mais livre para dizer o que penso e quero levar adiante o ensino da Igreja", disse ele à revista.

O cardeal disse que essas questões já foram discutidas há seis anos no Sínodo dos Bispos sobre a família no Vaticano. Mesmo assim ele havia dito: "As pessoas vivem em uma relação amorosa íntima que também tem uma forma de expressão sexual. E queremos dizer que isso não vale nada?"

O arcebispo admitiu que havia abençoado casais do mesmo sexo.

"Alguns anos atrás, em Los Angeles, depois de um culto, dois vieram pedir minha bênção. Então eu pedi. Não foi uma cerimônia de casamento. Não podemos oferecer o sacramento do casamento."

Marx também indicou que não seria fácil chegar a um consenso sobre o assunto na igreja.

"Na África ou nas igrejas ortodoxas, há visões completamente diferentes em alguns lugares. Não adianta as pessoas se nos dividirmos nesta questão, mas também não devemos ficar parados."

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal alemão pede mudança no ensino da Igreja sobre homossexualidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU