O novo cenário político venezuelano

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 16 Outubro 2012

“Desde a sua chegada ao poder, o governo de Chávez provocou transformações que mudaram a sociedade venezuelana. Agora que a oposição também mudou, pois conseguiu certa representação, o próximo desafio está em incorporá-la neste cenário”, afirma o sociólogo Ariel Goldstein, em artigo publicado no jornal Página/12, 15-10-2012. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

Como é sabido, o presidente Chávez venceu uma disputada eleição, no dia 7 de outubro, com 55% dos votos frente ao candidato opositor Henrique Capriles Randonski (44%), da Mesa de Unidade Democrática (MUD). O resultado reafirma o processo conduzido por Chávez, que produziu desde o início – com a aprovação de uma nova Constituição, com as políticas sociais das Missões, entre muitas medidas – a instituição de reformas que modificaram profundamente a sociedade venezuelana. É claro que, com a reeleição do presidente para o período 2013-2019, a maioria aprovou o rumo assumido.

Apesar disto, nestas eleições a novidade está no desempenho de uma coalizão heterogênea com a Mesa de Unidade Democrática, composta por partidos de esquerda e de direita, que obteve representação no eleitorado venezuelano. Neste ponto, a análise não é separável da nova liderança emergente de Capriles, que constituiu sua candidatura a partir de uma retórica “progressista” – identificação com a figura de Lula, promessa de preservar as Missões – que apresentava um suposto “comedimento” e o não conflito como forma de se diferenciar de seu adversário Hugo Chávez.

Esta modalidade poderia marcar uma nova tendência para a constituição de espaços de oposição diante dos governos progressistas que, ao mesmo tempo em que incorporam e se apropriam das reformas que contam com grande consenso popular, oferecem-se como alternância “domesticada”. A estratégia apresenta diferenças em relação ao oposicionismo radicalista, assumido anos atrás pela oposição venezuelana, que incluía o golpe de Estado de 2002 e a renúncia, em 2005, de apresentar candidatos parlamentares com o objetivo de diminuir a legitimidade do chavismo. A nova modalidade é astuta posto que, uma vez alcançados os importantes avanços que os governos progressistas produziram a partir da mobilização popular e do conflito com os setores dominantes destas sociedades, os candidatos de oposição se apresentam como os reconciliadores “herdeiros” destas conquistas.

Para além das estratégias, a partir destes novos resultados poderiam mudar as características do cenário político, que agora possui uma liderança com capacidade de aglutinar o espaço opositor. Neste sentido, a polarização – que foi uma característica distintiva da política venezuelana dos últimos anos – pode aumentar se o governo reeleito não interpretar sua diferença de mais de um milhão e meio de votos, em relação ao candidato opositor, bem mais como a expressão de uma reorganização do cenário político – que preserva a hegemonia do governo venezuelano – do que como um triunfo avassalador.

Desde a sua chegada ao poder, o governo de Chávez provocou transformações que mudaram a sociedade venezuelana. Agora que a oposição também mudou, pois conseguiu certa representação, o próximo desafio está em incorporá-la neste cenário, uma vez que o chavismo preserva sua capacidade de transformação. Possivelmente, esta foi a orientação buscada pelo caráter conciliador assumido pelo primeiro discurso pós-eleitoral do presidente venezuelano.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O novo cenário político venezuelano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU