Povo Kaingang realiza manifestação contra o marco temporal em Porto Alegre (RS)

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Novembro 2020

Indígenas foram às ruas da capital gaúcha nesta quarta (04) para protestar em favor de seus direitos territoriais e contra a tese do marco temporal.

A reportagem é de Daniela Huberty, publicada por Conselho de Missão entre Povos Indígenas - Comin e reproduzida por Conselho Indigenista Missionário - Cimi, 06-11-2020.

Com cantos, faixas e gritos de “demarcação já” e “marco temporal não”, comunidades indígenas Kaingang foram às ruas de Porto Alegre (RS), na manhã desta quarta-feira (04), para protestar em favor de seus direitos territoriais. O grupo, que ocupou pontos importantes do centro da capital gaúcha, também se manifestou contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e sua política anti-indígena.

“A Constituição de 1988 nos dá o direito de exigir o que é nosso sobre as demarcações de terra. Nós precisamos da terra para sobreviver e temos ela como a nossa mãe: ela nos cria e nos leva”, afirmou o cacique da Terra Indígena Por Fi Ga, de São Leopoldo (RS), José Vergueiro. “Enquanto existir uma vida de povo indígena no Brasil, a luta vai continuar e ela não vai parar. Que nosso direito venha a ser respeitado, somos os primeiros habitantes dessa terra”, completou a liderança.

Foto: Daniela Huberty/COMIN

Moisés Kaingang, vice-cacique da aldeia Fág Nhin, de Porto Alegre, lembrou que a luta dos povos vem de centenas de anos. “Nossa luta não começa em 1988. Somos contra o marco temporal e sim à demarcação de terras indígenas, onde envolve a vida de todo o povo indígena, não importa a etnia”. Além das duas comunidades, esteve presente no ato indígenas da comunidade Kaingang Sor Magá, de Bento Gonçalves (RS), lideradas e liderados pelo cacique Isaias da Silva, e indígenas Guarani Mbya.

Foto: Daniela Huberty/COMIN

O reconhecimento do direito à terra indígena será decidido no julgamento do Recurso Extraordinário 1.017.365, no Supremo Tribunal Federal (STF), que discute uma reintegração de posse movida contra o povo Laklãnõ-Xokleng, em Santa Catarina. Primeiramente marcado para o dia 28 de outubro, o julgamento foi retirado da pauta pelo presidente do STF, ministro Luiz Fux, na noite do dia 22 de outubro.

Considerada como de repercussão geral, a decisão terá consequências para todos os povos indígenas do Brasil. De um lado, está a “teoria do indigenato” que reconhece o direito territorial dos povos como originário, segundo os termos da Constituição Federal; e, de outro, a chamada “tese do marco temporal”, que limita o direito da demarcação das terras indígenas a quem estivesse sob sua posse no dia 5 de outubro de 1988 – data da promulgação da Constituição –, ou que, nessa data, estivessem sob disputa física ou judicial comprovada.

Foto: Daniela Huberty/COMIN

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Povo Kaingang realiza manifestação contra o marco temporal em Porto Alegre (RS) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU