América Latina: IV Congresso da Vida Religiosa

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

07 Fevereiro 2024

Na sede da Universidade La Salle de Bogotá, começaram os trabalhos do IV Congresso da Vida Religiosa na América Latina e no Caribe. Mais de 400 participantes estiveram presentes pessoalmente, vindos das Américas, aos quais se somaram outras 3.000 pessoas conectadas online. Juntos, eles discutiram sobre a cultura do cuidado baseada em sete "C": Cuidado, Criação, Compaixão, Comunidade, Contemplação, Comunicação e Celebração.

A reportagem foi publicada por Settimana News, 05-02-2024.

O Congresso contou com a participação da vida religiosa dos Estados Unidos e do Canadá. Em representação, Irmã Carol Zinn, secretária executiva da LCWR (Conferência de Liderança de Mulheres Religiosas dos Estados Unidos), expressou sua solidariedade com as religiões da América Latina e do Caribe: "Sentimos uma grande unidade com vocês, e isso nos deixa muito felizes". Ela enfatizou que a contemplação "toca o coração de nós, da vida consagrada", e é por isso que, quando "o papa fala da vida religiosa, destaca que deve sempre haver alegria, porque onde há religiosos, a alegria deve prevalecer. É a alegria do serviço dos homens e mulheres de Alba, que ajuda a superar os obstáculos nos desafios e nas trevas, confiantes aos pés da cruz e convencidos de que a ressurreição virá, a vida vencerá".

Irmã Liliana Franco, presidente da CLAR (Conferência Latino-Americana de Religiosas), agradeceu aos mais de 3.500 participantes por "sua presença física e virtual" como "testemunho de sua escolha de atenção".

A alegria do Evangelho é central, especialmente quando "existem estruturas que sufocam". Por não colocar as pessoas no centro, surge um forte sentimento de fracasso, desanimando, e formas de vida que não preservam e retiram liberdade e flexibilidade.

A arte de cuidar nasce "reconhecendo que o outro existe e que sua vida é importante. A fronteira onde é possível estar disposto a cuidar é o ponto em que os comportamentos egocêntricos, a autorreferencialidade e o individualismo superficial se apagam. Somente lá é possível um movimento e uma formação autônoma".

Para irmã Liliana, a vida religiosa deve "validar a existência do outro, reconhecendo suas possibilidades e deficiências, compartilhando o caminho e o destino - sofrendo com sua dor e celebrando sua alegria, sabendo que assim caminhamos para uma mesma história e compartilhamos um destino".

Portanto, as pessoas consagradas têm como horizonte o cuidado da dignidade humana e do bem comum, de modo que "inspirem, animem e orientem a consagração" - o que significa "enfrentar a vida com um coração de misericórdia. A compaixão não pode ser um apêndice derivado da sensibilidade, mas deve ser uma consequência das escolhas. Da nossa escolha de seguir Jesus e trabalhar pelo Reino".

Teresa, mexicana, membro da Congregação das Irmãs da Caridade do Verbo Encarnado desde 1994, com vasta experiência ministerial na área da educação, abordou o tema "A comunidade em sua dimensão relacional", fazendo a pergunta: "Com o que devemos nos preocupar para tornar possível a arte de ser irmãs e irmãos?". Ela descreveu os desafios para os religiosos: aquecimento global, problemas sociais, violência, migrações, refugiados e guerras. "E se formos honestos, devemos nos perguntar se não estamos indo em direção ao fim do mundo". A irmã mexicana falou de um mundo "assolado por dúvidas". Por isso, ela citou a imagem do Colosso, obra do espanhol Francisco de Goya: "Nesta pintura, há uma humanidade que foge aterrorizada". Em seguida, ela associou a essa imagem o trecho evangélico de Marcos 4,40: "Por que vocês têm medo? Ainda não têm fé?".

Ela afirmou: "Como vida consagrada, é importante nos fazer essa pergunta: Qual é a sua história com o medo? Por exemplo, quando os migrantes chegam às nossas fronteiras. Que arquitetura de cuidado oferecemos? Talvez uma desenhada pela estrutura do medo? Devemos reconhecer que alguns irmãos e irmãs têm medo do futuro, e é exatamente aqui que devemos praticar a arte da cultura do cuidado".

Portanto, "o chamado a ser artífices do cuidado implica a perda do medo. A palavra de Deus ressoa em nosso tempo como um mandamento, não como uma recomendação. Um dos presentes mais importantes que oferecemos ao processo sinodal é a colaboração de uma década de nossos apostolados com os leigos".

No contexto dos trabalhos promovidos pela CLAR nos últimos dias, como dehonianos, também somos convidados a revisitar nossa união oblata com Jesus, nossa vida comunitária e nosso estilo de comunicação, para sermos homens de coração compassivo e comunicadores do Amor de Deus em nossa humanidade atual.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

América Latina: IV Congresso da Vida Religiosa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU