Papa Francisco destitui bispo conservador da Diocese de Tyler, Texas

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

11 Novembro 2023

O Papa Francisco destituiu Dom Joseph Strickland, o polêmico bispo de Tyler, no Texas, depois que este se recusou a renunciar ao cargo, de acordo com uma declaração pública de seu bispo metropolitano, o cardeal Daniel DiNardo, de Galveston-Houston. Uma nova função para Strickland não foi anunciada na carta do cardeal DiNardo. Dom Joe Vazquez, de Austin, Texas, foi nomeado administrador apostólico da Diocese de Tyler.

A reportagem é de Colleen Dulle, publicada por America, 11-11-2023.

Dom Joseph Strickland foi alvo de uma investigação do Vaticano em junho. Seguindo a sua prática habitual, o Vaticano não divulgou o que motivou a investigação, oficialmente chamada de visitação apostólica. Aconteceu apenas seis semanas depois de Strickland ter chamado a atenção de alguns no Vaticano ao tuitar que rejeita o que chamou de “programa de minar o depósito da fé” do Papa Francisco.

O correspondente americano do Vaticano, Gerard O'Connell, relatou que fontes do Vaticano com quem ele conversou acreditavam que o tuíte de Strickland havia ultrapassado os limites. O bispo já havia recebido um aviso sobre sua conta no Twitter do embaixador do papa nos Estados Unidos em 2021, segundo o Religion News Service. Um podcaster próximo de Strickland disse que o bispo fora explicitamente advertido para “parar de falar sobre o depósito da fé”.

Fontes do Vaticano, que desejaram permanecer anônimas porque não estavam autorizadas a falar sobre o assunto, disseram à revista America que os comentários do bispo no Twitter sobre o papa não foram a única razão para a sua remoção, mas que a visita revelou problemas importantes com o seu governo da diocese.

Na sua carta desta manhã, o cardeal DiNardo revela que, como resultado da visitação apostólica, “a recomendação foi ao Santo Padre que a continuação no cargo de Strickland não era viável”. Após vários meses “de consideração cuidadosa por parte do Dicastério para os Bispos e do Santo Padre”, a renúncia de Strickland foi solicitada em 09-11-2023. Strickland recusou-se a renunciar, e o Papa Francisco posteriormente destituiu o bispo em 11 de novembro.

Dom Joseph Strickland liderava a diocese de 33 condados desde 2012, quando foi nomeado pelo Papa Bento XVI. Ele foi padre da diocese de Tyler e serviu em vários pontos como diretor vocacional da diocese, administrador apostólico e vigário geral.

Quando foi nomeado pela primeira vez, ele era conhecido como o “bispo blogueiro”, escrevendo postagens incontroversas em seu site pessoal sobre fé e seu hobby de correr. Ele tornou-se mais aberto como crítico do Papa Francisco ao longo do tempo, encaminhando a explosiva carta de Dom Carlo Maria Viganó de 2018 pedindo a renúncia do Papa a “todos os Santos Fiéis da Diocese de Tyler” e dizendo que considerava “credíveis” as alegações da carta de que o Papa Francisco encobriu conscientemente o abuso sexual de menores e seminaristas cometido pelo ex-cardeal Theodore McCarrick. Depois que o Vaticano publicou a sua investigação sobre o caso McCarrick em 2020, Strickland voltou atrás no seu apoio. 

Strickland também criticou veementemente as restrições à pandemia de Covid-19 e a vacina. Ele assinou uma petição, supostamente preparada por Viganó, chamando a pandemia de “pretexto” por parte de atores não identificados para manipular as pessoas e restringir as suas liberdades, incluindo a liberdade de culto. A petição chamou as restrições à pandemia de “um prelúdio perturbador para a realização de um governo mundial fora de qualquer controle”.

Joseph Strickland não é o único bispo dos EUA que esteve sob o escrutínio do Vaticano este ano. Dom Richard Stika, de Knoxville, Tennessee, foi investigado em 2022 por sua suposta gestão de casos de abuso sexual e finanças em sua diocese. Em junho, o bispo, então com 65 anos, apresentou a sua renúncia ao Papa, que a aceitou.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco destitui bispo conservador da Diocese de Tyler, Texas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU