Por que o Papa Francisco se recusa a convocar um novo Concílio Ecumênico da Igreja. Artigo de Juan Arias

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Agosto 2023

"A confissão de Francisco de que um novo Concílio hoje seria inútil e dirigido pela Igreja conservadora que nem absorveu a novidade do Vaticano II, é o melhor exemplo da visão que o papa tem do atual momento do catolicismo", escreve Juan Arias, jornalista, em artigo publicado por El País, 11-08-2023.

Eis o artigo.

As jornadas multitudinárias do Papa Francisco em Portugal por ocasião da Jornada Mundial da Juventude que tão bem nos contou a correspondente em Lisboa, Teseira Constela, ofuscaram a importante e explosiva entrevista do Papa à revista católica espanhola Vida Nueva antes da sua ida para Portugal. O Papa Francisco foi longamente questionado por toda a redação da revista, algo que teria parecido uma loucura com os outros pontífices. Os papas só falavam oficialmente por meio de documentos oficiais. Francisco foi o primeiro na Igreja a quebrar esse tabu.

O doce e sorridente Francisco que pediu a uma multidão de um milhão e meio de fiéis em Lisboa que gritasse com ele que Deus "perdoa e ama sempre e a todos sem distinção", na entrevista espanhola, foi duro e contundente e fez uma série de revelações sobre os problemas que deve enfrentar com a atual Igreja conservadora.

Questionado sobre por que não convocou um novo Concílio Ecumênico como o Vaticano II, convocando todos os bispos do mundo a Roma para analisar o momento atual da Igreja Católica, ele foi direto: “Os tempos não estão maduros para este novo Concílio”. E acrescentou com ironia: “não é necessário porque o Vaticano II ainda não começou”.

É grave o Papa dizer que o Concílio mais revolucionário da história da Igreja, realizado na década de 1960, quase 200 anos depois do Concílio Vaticano I, que tantas esperanças suscitou na renovação de uma Igreja ancorada no passado, nem começou.

Se assim for, é compreensível que Francisco se recuse a convocar novamente toda a Igreja para discutir os problemas de hoje. Para ele, a verdadeira revolução seria a Igreja voltar às suas origens revolucionárias e se livrar de todo o lastro teológico conservador que se acumulava século após século. E sabe que neste momento um Concílio sem dúvida seria conservador.

Na entrevista, o Papa chega a dizer aos jornalistas de Vida Nueva que está consciente de que supõe na Igreja hoje "um soco no estômago". E acrescenta uma dura confissão referindo-se às reformas que gostaria de fazer e não pode: "Ainda não consegui acabar com a cultura do tribunal na Cúria", dando a entender que ainda se sente prisioneiro da burocracia, aparato conservador e até corrupto do governo central do Vaticano. Até seu antecessor, o alemão e conservador Papa Ratzinger, chegou a descrever a Cúria como uma "matilha de lobos" e acabou renunciando ao papado.

Depois de ter criticado tão duramente a Cúria Romana, cujos impulsos conservadores não conseguiu domar, lançou outro desabafo: “A Igreja não pode ser reformada sem o Evangelho”. E esse desejo de voltar à Igreja do primeiro século do cristianismo e os esforços que Francisco está fazendo para alcançá-lo é o que faz com que o aparato da Cúria resista a ele. Isso instila medo neles.

O Papa, como tem demonstrado nos seus discursos em Portugal, onde tem apresentado uma Igreja do perdão para todos, sem distinção, porque Deus não discrimina e nos aceita a todos tal como somos, está convicto de que, como disse nas suas entrevistas : “Devemos desarmar os profetas da confusão”. Ele não disse quem são. Seguramente aqueles que gostariam de um novo Concílio para detê-lo em seus sonhos de profunda renovação de uma Igreja que perde forças diante do surgimento de seitas evangélicas.

O papa também condenou os movimentos dentro da Igreja que se recusam a aceitar a conversão quando retornam às suas origens. "É fácil a ideologia se insinuar nesses movimentos com muito misticismo aparente mas também com muita corrupção", disse.

É conhecida a luta de Francisco para que as mulheres na Igreja voltem a ter o poder e a importância que tiveram na época de sua fundação. Em seus 10 anos de pontificado, ficou evidente seu desejo pela liderança feminina, assim como a resistência que encontra na Igreja conservadora.

Na entrevista com Vida Nueva, ele contou sobre seu espanto quando um grupo de transexuais o visitou em Roma: “Eles saíram chorando dizendo que eu tinha dado a mão, um beijo. Como se ele tivesse feito algo excepcional para eles. "Mas elas são filhas de Deus!"

A confissão de Francisco de que um novo Concílio hoje seria inútil e dirigido pela Igreja conservadora que nem absorveu a novidade do Vaticano II, é o melhor exemplo da visão que o papa tem do atual momento do catolicismo.

Talvez Francisco, ao conversar com os jornalistas espanhóis a quem confessou que o Vaticano II ainda nem começou, lembre-se de que acabara de terminar o Concílio, no qual o episcopado da Espanha havia sido justamente um dos mais conservadores e reacionários a uma modernização da  Igreja, o então cardeal de Sevilha, Bueno e Monreal, em seu retorno à diocese disse à família: “E agora esperar que as águas retornem ao seu curso”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que o Papa Francisco se recusa a convocar um novo Concílio Ecumênico da Igreja. Artigo de Juan Arias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU