Edgar Morin: “A guerra é sempre uma espiral para o abismo”

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Março 2023

A invasão da Ucrânia leva o filósofo e sociólogo francês de 101 anos a refazer os acontecimentos bélicos que atravessaram sua vida: a Segunda Guerra Mundial, Argélia, Iugoslávia, Iraque...

A reportagem é de Mauro Ceruti, publicada por Avvenire, 26-02-2023.

Publicamos o prefácio do filósofo Mario Ceruti ao último livro de Edgar Morin, Di Guerra in Guerra: de 1940 à Ucrânia invadida (Raffaello Cortina, 104 páginas). “Quanto mais a guerra piora, mais difícil e mais urgente é a paz. Vamos evitar uma guerra mundial. Seria pior que a anterior", são as últimas linhas do livro. Edgar Morin é um dos pensadores mais importantes do nosso tempo, uma autoridade intelectual e moral reconhecida em todo o mundo.

Mas foi também protagonista, desde muito jovem, dos acontecimentos que marcaram a história europeia e mundial, tanto com a ação como com o pensamento. E, regenerando a nobre tradição do ensaísmo à la Montaigne, ele aceitou essas suas experiências também por meio de um diário e da escrita de memórias. Neste pequeno mas profundo livro, com a sua singular capacidade de conceber a complexidade do humano, reflete sobre a tragédia da guerra que voltou a assolar o coração da Europa, através da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Hoje, com 101 anos, esta nova guerra traz de volta as terríveis memórias das guerras que marcaram a sua longa vida: a Segunda Guerra Mundial, a Guerra da Argélia, a Guerra da Iugoslávia, a Guerra do Iraque, o persistente conflito israelo-palestino... Aqui ele conta como a guerra na Ucrânia o faz reviver os horrores das guerras que conheceu: a destruição em massa, cidades destruídas, edifícios destruídos, inúmeras mortes de militares e civis, influxo de refugiados, tortura, crimes de guerra... E ele conta como voltar aos horrores de todas essas guerras é sempre essencial para entender os perigos sem precedentes da guerra atual.

Mas para isso, alerta, é urgente dotarmo-nos de um pensamento capaz de compreender como o maniqueísmo absoluto cegante, a propaganda mentirosa, a criminalização não só dos exércitos mas também dos povos inimigos, dos delírios, das ilusões sempre renovadas... E, para isso, mais uma vez põe-nos à disposição não só o seu pensamento crítico, mas sobretudo o seu (complexo) eu: pensamento crítico, lembrando-se de seus erros e de suas ilusões; seus autoenganos; suas auto-ocultações; suas justificativas; a difícil consciência da barbárie dos bombardeios em nome da civilização contra a barbárie nazista; o horror vivido em Pforzheim completamente destruída, um horror que, hoje ele escreve, "eu rapidamente me contive, dizendo a mim mesma: “É a guerra”; o horror sentido pelas atrocidades nazis e racistas, nos países ocupados, e sobretudo na URSS, que, escreve aqui, "escondeu de nós resistentes e antinazis o horror dos bombardeamentos para aterrorizar as populações civis, o horror dos campos de Hitler que então, ele escreve novamente, "nos fizeram ignorar o horror do Gulag soviético"; em suma, refletindo sobre a difícil compreensão de como, “por mais certa que tenha sido a resistência ao nazismo, a guerra do Bem acarreta o Mal em si”. Este exercício de auto-observação torna-se assim o laboratório de um pensamento complexo, que visa buscar em si, antes mesmo nos outros, a origem recorrente do erro, da ilusão e da mentira.

Morin reflete como, face aos horrores da guerra, é fundamental saber não simplificar, porque "toda a guerra encarna o maniqueísmo, a propaganda unilateral, a histeria bélica, a espionagem, a mentira, a preparação de armas cada vez mais mortíferas, os erros e as ilusões, inesperados e surpresas". E chama a atenção para um fato incontornável: a nova guerra acontece no momento em que domina por toda parte um pensamento incapaz de conceber a complexidade dos fenômenos, um pensamento linear, mecanicista, que fragmenta o que na realidade está intimamente ligado. Um pensamento incapaz de conceber o inesperado, os efeitos perversos e imprevistos de nossas intenções.

É sobretudo um pensamento incapaz de reconhecer o caráter inédito da condição humana em nosso tempo, surgida de forma inesperada e explosiva em Hiroshima em 1945, com a explosão da primeira arma nuclear, que tornou a humanidade capaz de autossupressão. Esta ameaça de morte para toda a humanidade tornou-se agora mais forte com a difusão e sofisticação das armas nucleares em um contexto planetário cada vez mais interligado, mas não solidário. E é precisamente esse aumento simultâneo de poder e interdependência que torna o contexto global perigosamente sensível à possibilidade de uma catástrofe.

Refazendo suas experiências, Edgar Morin relembra as formas como se deu a radicalização dos conflitos e identifica na radicalização o traço comum e mais perigoso das guerras de seu século, como nos casos exemplares da Guerra da Argélia e da Guerra da Iugoslávia. Soa o alarme, destinado a despertar as consciências, enquanto correm o risco de cair no mesmo tipo de sonambulismo que acompanhou a descida ao abismo da Segunda Guerra Mundial: hoje aumentou a possibilidade de derivar para um abismo catastrófico, possibilidade alimentada por erros e ilusões, de capilares e sofisticadas propagandas unilaterais, senão enganosas da mídia.

Com a crescente espiral de ódio entre agressor e agredido, na Guerra Ucraniana, a radicalização do conflito agrava-se e amplifica-se cada vez mais, e assim, não só, como sempre, conduz às piores atrocidades, como pode hoje conduzir às mais trágicas para toda a humanidade. Estas páginas são o testemunho lúcido e apaixonado de um século de vida excepcional. Um texto esclarecedor para nos guiar neste momento de perigo para a nossa humanidade, escrito, como observa o próprio autor, "para que estes oitenta anos de lições de história nos ajudem a enfrentar o presente com total lucidez, a compreender a urgência de trabalhar para paz e evitar a pior tragédia de uma nova guerra mundial".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Edgar Morin: “A guerra é sempre uma espiral para o abismo” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU