Bätzing reconhece que a Igreja na Alemanha está sofrendo de uma “profunda crise de credibilidade”

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

20 Dezembro 2022

 

  • O presidente da Conferência Episcopal Alemã, Georg Bätzing, reconhece em entrevista que a instituição vive uma "profunda crise de credibilidade", da qual "nós mesmos somos os grandes culpados, devido aos escândalos, especialmente os abusos crianças e jovens";


  • Esta crise de credibilidade afeta a participação nos cultos de Natal, reconheceu, “mas sou a favor de não lamentar os que não vêm, mas de dar boas notícias e acolher calorosamente os que vêm. A Igreja tende a se preocupar demais consigo mesma e não da mensagem de Jesus”.

A reportagem é de Jose Lorenzo, publicada por Religión Digital, 17-12-2022. 

Na Alemanha, a Igreja está se tornando "menor e mais humilde". O presidente da Conferência Episcopal Alemã, Georg Bätzing, reconheceu isso em entrevista ao Focus. A instituição vive uma "profunda crise de credibilidade", da qual "nós mesmos somos os grandes culpados, por causa dos escândalos, especialmente o abuso de crianças e jovens", segundo o resumo da entrevista coletada pelo Süddeutsche Zeitung.

No entanto, o Bispo de Limburg também expressou sua esperança de que a palavra da Igreja continue sendo solicitada "muito além das margens da Igreja". Nesse sentido, e de acordo com o portal Katholisch, "por exemplo, a Igreja tem muito a dizer sobre as questões da liberdade e da democracia, os desafios éticos em um mundo de digitalização, guerra e paz, a proteção da vida e a integridade da criação", por isso espera que isto sirva também para "atrair as pessoas de volta à Igreja".

Referindo-se ao Caminho Sinodal, Bätzing, um de seus promotores, e que há um mês esteve no Vaticano, juntamente com os demais bispos alemães, analisando com a Congregação para os Bispos e a Congregação para a Doutrina da Fé alguns postulados da esse processo, afirmou: "Procuramos deixar claro que, em questões importantes e globalmente relevantes, coletamos os argumentos e os colocamos à disposição da Igreja universal".

Todos os envolvidos têm certeza de que "não poderemos decidir essas questões aqui [na Alemanha]", mas também alertou que "o Caminho Sinodal mostra um impulso que não permite voltar atrás".

Menos participação nos serviços de Natal

E sobre a crise de credibilidade, garantiu que também afeta a participação nos cultos de Natal. "Mas sou a favor de não lamentar por aqueles que não vêm, mas de dar boas notícias e acolher calorosamente aqueles que vêm. A Igreja tende a se preocupar muito consigo mesma e não com a mensagem de Jesus", acrescentou o bispo, de acordo com Katholisch.

Na quinta-feira passada, um estudo mostrou o declínio contínuo do número de membros em igrejas cristãs na Alemanha, em grande parte por causa da crise de abuso sexual dentro dela. Nesse sentido, a Igreja Católica é afetada "desproporcionalmente", segundo o Religious Monitor 2023 da Fundação Bertelsmann, que afirma que apenas 14% da população frequenta um serviço religioso pelo menos uma vez por mês.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bätzing reconhece que a Igreja na Alemanha está sofrendo de uma “profunda crise de credibilidade” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU