Polêmica da maçonaria mostra a existência de movimento antibolsonarista orgânico nas redes

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

06 Outubro 2022

 

Especialista avalia que a divulgação de vídeo de 2017 ultrapassou o âmbito da esquerda.

 

A reportagem é de Nara Lacerda, publicada por Brasil de Fato, 05-10-2022.

 

Desde segunda-feira (3) as redes sociais vêm discutindo um tema inusitado: o discurso de Jair Bolsonaro (PL) em uma loja maçônica, atestada em um vídeo de 2017. O movimento aconteceu em resposta às fake news bolsonaristas que acusavam Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de envolvimento com o satanismo.

 

A divulgação do vídeo, usado para questionar a adesão de Bolsonaro ao cristianismo, foi realizada por usuários de diversos perfis ideológicos. Esse processo foi fruto da reagrupação e reação de antibolsonaristas após o segundo turno e não se limita à esquerda ou ao petismo.

 

Em entrevista ao Brasil de Fato, o analista de dados Pedro Barciela afirma que o movimento contrário a Bolsonaro é maior do que a rede de apoio ao presidente nas redes sociais. Entretanto, a base bolsonarista é "extremamente coesa, disciplinada e hierarquizada", que consegue pautar mais as discussões, compensando a desvantagem numérica.

 

No início desta semana, no entanto, o jogo virou. "O que acontece é que o antibolsonarismo para de ser pautado pelo bolsonarismo. Acho importante deixar bem explícito que não é um movimento de esquerda. O antibolsonarismo é algo muito mais amplo. Ele vai unir diversos atores de diversas correntes, porque o antibolsonarismo por si só não produz essa filiação ideológica."

 

Barciela sinaliza que a repercussão aconteceu de maneira orgânica, no "vácuo de uma linha política", enquanto a campanha oficial de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reorganizava.

 

"Esse movimento não tem nenhum indicativo de partir, primeiro, da campanha oficial do ex-presidente Lula e, segundo, de ser um movimento exclusivo ou ligado a esquerda nas redes sociais. Ele é muito mais amplo e ligado ao antibolsonarismo."

 

A resposta do campo de apoio de Jair Bolsonaro não foi consistente, na avaliação de Barciela. Ele aponta que havia uma expectativa de que o presidente da República ficasse à frente de Lula no resultado do pleito ou até mesmo ganhasse em primeiro turno. A resposta para a frustração nas redes sociais foi permeada por mais do mesmo.

 

"Para essa frustração, o bolsonarismo tem uma resposta muito mais pronta que o antibolsonarismo, que é questionar as urnas. Em um segundo momento, eles começam a emular uma série de apoios que são reciclados. Isso vai ter uma participação da imprensa muito grande. Eles vão tentar divulgar Cláudio Castro (PL) como um novo apoio, sabemos que o Castro vem há anos fazendo parte da base bolsonarista. Romeu Zema (Novo), que se reelegeu com base no bolsonarismo, sendo anunciado como alguém novo, quando na verdade é apenas reciclado. A gente vê o bolsonarismo muito mais focado nessa ideia de emular uma união em cima do Bolsonaro do que necessariamente respondendo a essa questão da maçonaria em alto volume."

 

Entenda a polêmica

 

Logo após o primeiro turno, perfis bolsonaristas nas redes sociais intensificaram a propagação de notícias falsas afirmando que Lula é contra o cristianismo. Esse tipo de informação mentirosa já havia sido explorada ao longo da campanha.

 

Em reação, perfis contrários à reeleição do atual presidente passaram a divulgar o vídeo de Bolsonaro discursando entre maçons, em um local com vários símbolos da organização. Entre uma parcela dos evangélicos, a maçonaria é entendida como ligada ao satanismo. Já a igreja católica considera que o movimento não é alinhado ao cristianismo.

 

"De certa forma, as redes bolsonaristas que começam esse fluxo. Tentaram emular, em um primeiro momento, uma fake news ligando o ex-presidente Lula ao satanismo. Como resposta, alguns usuários recuperam essa questão da maçonaria", explica Pedro Barciela.

 

As respostas dos apoiadores de Bolsonaro vieram do pastor Silas Malafaia, que disse que a polêmica não tem potencial de tirar votos de Bolsonaro. Também houve reação por parte do vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos). Sem citar diretamente a polêmica, ele publicou nas redes sociais uma crítica à propagação de fake news e questionou a falta de fiscalização.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polêmica da maçonaria mostra a existência de movimento antibolsonarista orgânico nas redes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU