O Papa e o Apostolado com os LGBT+. Artigo de Luís Corrêa Lima

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Garimpo e barbárie: uma história de genocídio e de luta dos Yanomami. Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Agosto 2022


"Apostolado do padre James Martin e da irmã Jeannine Gramick com os LGBT+ é a linha de apostolado que o papa tem demonstrado apoio". 

 

O artigo é de Luís Corrêa Lima, sacerdote jesuíta, professor da PUC-Rio e autor do livro Teologia e os LGBT+: perspectivas históricas e desafios contemporâneos (Ed. Vozes), publicado por Dom Total, 17-08-2022. 

 

Eis o artigo. 

 

O papa Francisco escreveu novamente ao padre jesuíta norte-americano James Martin, conhecido por seu trabalho com os LGBT+. Uma novidade importante nesta carta é a referência explícita ao “Outreach 2022”, um evento cujo folheto o papa recebeu semanas antes. Trata-se da Conferência do Ministério Católico LGBTQ, planejada para se realizar na Universidade de Fordham, em Nova Iorque, nos dias 24 e 25 de junho, mês do Orgulho LGBT+. Francisco felicita Martin por conseguir realizá-la presencialmente e conclui: “Encorajo-vos a continuar trabalhando na cultura do encontro, que encurta distâncias e nos enriquece com as diferenças, tal como fez Jesus, que se aproximou de todos”.

 

Sobre a realização da Conferência, participantes testemunharam que todo o evento foi edificante e criou um ambiente em que católicos LGBT+, pais e aliados se reunissem, criassem comunidade e se sentissem bem-vindos em um espaço eclesial seguro. Constatam que há muito poucos espaços na Igreja onde eles podem ser plenamente quem são, expressando sua pertença sem reservas. Sentiram-se à vontade para discutir problemas e oposições que enfrentam neste ministério. Comentaram que muitos na liderança da Igreja possuem uma compreensão incompleta de quem são os católicos LGBT+ e de que necessidades têm, especialmente quando estes não são brancos, homens e privilegiados.

 

Um dos depoimentos mais marcantes e encorajadores foi o da irmã Jeannine Gramick, fazendo um balanço de seus 50 anos neste ministério. É uma vida de muita luta que enfrentou muitos anos de duras oposições, incluindo condenações eclesiásticas. Ela disse:

 

“Cada pessoa tem a responsabilidade de contar sua história, mas contar nossas histórias pode ser muito assustador. Muitas pessoas LGBTQ sentiram medo durante grande parte de suas vidas. O que minha família vai dizer se eu contar minha história? Os paroquianos que me conhecem ainda me respeitarão e não me excluirão? Contar nossas histórias envolve risco. Pode significar pular de um galho sem ninguém para nos amparar se cairmos.

 

[...] Deus cuida de nós se confiarmos, mesmo quando tivermos medo de falar ou realizar ações que acreditamos serem corretas, embora possam não garantir um resultado bem-sucedido. Proclamar a nossa verdade, especialmente quando ocupamos uma posição minoritária, seguindo por onde acreditamos que Deus nos chama, mesmo que o caminho pareça sombrio, enfrentando uma situação injusta na igreja ou na sociedade – essas e outras circunstâncias parecem nos levar para além de onde ‘pessoas sensatas’ vão.

 

Mas Deus está sempre conosco. Somos chamados a arriscar subir e ir àqueles galhos de árvores porque é aí que encontraremos uma recompensa frutífera. Eu colhi este fruto em 2021, quando o papa Francisco me escreveu parabenizando-me pelos meus 50 anos de ministério com os LGBTQ”.

 

O apostolado do padre James Martin e da irmã Jeannine Gramick com os LGBT+ é a linha de apostolado que o papa tem demonstrado apoio. Nesta mesma linha está a Rede Global de Católicos Arco-íris e a Rede Nacional de Católicos LGBT. Assim se promove a cultura do encontro que nos enriquece com as diferenças, a exemplo de Jesus que se aproximou de todos.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa e o Apostolado com os LGBT+. Artigo de Luís Corrêa Lima - Instituto Humanitas Unisinos - IHU