Esquerda democrática e direita liberal se unem pelo Fora Bolsonaro neste sábado

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Outubro 2021

 

Na Avenida Paulista, em São Paulo, representantes de 21 partidos participam das manifestações pelo impeachment de Bolsonaro. “Impossível suportar esse governo até 2023”, diz Raimundo Bonfim, da Central de Movimentos Populares.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 01-10-2021.

 

Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

 

A Campanha Fora Bolsonaro confirmou a realização de 260 atos pelo Fora Bolsonaro neste sábado (2). As manifestações pelo impeachment do atual presidente ocorrerão em 256 cidades do Brasil e de outros 15 países. Em São Paulo, o ato nacional deve reunir representantes de 21 partidos, simbolizando a unidade entre esquerda democrática e a direita liberal. Além disso, 10 centrais sindicais e ampla gama de movimentos sociais que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo também participam.

Para o coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP) e da Frente Brasil Popular, Raimundo Bonfim, a união entre a esquerda democrática e a direita liberal não significa que as diferenças políticas foram apagadas. Mas o somatório de forças é “fundamental”, segundo ele, para pressionar pela abertura do processo de impeachment contra Bolsonaro.

No primeiro grupo, constam partidos que integram o Fórum de Oposição, como PT, PCdoB, Psol, Rede, PV, Cidadania, Solidariedade, PSB e PDT. A direita não bolsonarista será representada por figuras do PSDB, DEM, MDB, PSD, Avante, Podemos, entre outras legendas.

“É importante, nesse momento, a somatória desses dois campos, porque precisamos de 342 votos na Câmara dos Deputados para aprovar o impeachment. Portanto, a unidade é fundamental”, disse Raimundo, em entrevista a Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta sexta-feira (1º). O desafio, segundo ele, é atrair para as mobilizações os cerca de 70% dos brasileiros que desaprovam o atual governo.

Ele afirmou que é fundamental intensificar a luta pela saída de Bolsonaro, “porque é impossível suportar esse governo até janeiro de 2023”. Caso o governo não seja interrompido, Raimundo prevê o aumento do desemprego, da fome e da miséria no país. Além disso, a democracia brasileira segue ameaçada.

 

Crimes em série

 

Além da crise econômica e social e dos ataques contra a democracia, Bonfim afirma que Bolsonaro comete crimes em série. A longa lista inclui de crimes de responsabilidade a delitos comuns. Passam também por crimes contra a humanidade, em função da atuação de Bolsonaro durante a pandemia, que são objetos de investigação da CPI da Covid.

Por exemplo, Raimundo definiu como “nazismo” as práticas adotadas pela Prevent Senior, realizando experimentos não consentidos pelos pacientes com medicamentos ineficazes. Em “aliança” com o governo Bolsonaro, essas práticas foram utilizadas com o intuito de evitar a interrupção das atividades econômicas.

Por outro lado, ele também citou o episódio ocorrido no Rio de Janeiro, quando pessoas se aglomeraram em torno de um caminhão para disputar ossos que eram distribuídos. “É inaceitável”, disse Raimundo, destacando que o Brasil é o quarto maior produtor mundial de alimentos. Ele também lembrou que são cerca de 15 milhões de brasileiros desempregados. Já a miséria atinge mais de 40 milhões de pessoas pelo país.

 

Programação

 

Em São Paulo, os manifestantes devem se concentrar na Avenida Paulista a partir das 13h, em frente ao vão livre do Masp. O ato político tem início marcado para as 14h. Mais tarde, às 16h30, o evento contará com a participação de uma série de artistas. Além do recado contra Bolsonaro, eles também devem apresentar canções para animar os manifestantes.

Bonfim ressaltou ainda a necessidade de cumprir as regras sanitárias para evitar a disseminação da covid-19. Nesse sentido, os manifestantes devem utilizar máscaras de alta proteção (PFF2/N95) e álcool em gel, além de manter o distanciamento.

Ao longo de todo o sábado, a Rede TVT, a Rádio Brasil Atual e o portal Rede Brasil Atual seguem as mobilizações pelo Fora Bolsonaro. A partir das 14h30, haverá transmissão especial da manifestação na Avenida Paulista.

 

Assista à entrevista

 

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Esquerda democrática e direita liberal se unem pelo Fora Bolsonaro neste sábado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU