“A homofobia e o ódio contra homossexuais não vêm de Deus.” Artigo de James Martin

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Israel poderá continuar devastando Gaza e atacando o Líbano com o apoio e assistência militar dos Estados Unidos

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Julho 2021

 

A exposição da homossexualidade alheia, o desprezo pelas pessoas gays em geral, a confusão entre homossexualidade e pedofilia: no cerne de tudo isso, está uma homofobia profunda, mascarada como preocupação com a Igreja.

A opinião é do jesuíta estadunidense James Martin, SJ, colunista da revista America, consultor do Dicastério para a Comunicação do Vaticano e autor, em português, de “Jesus: a peregrinação” (Ed. Harper Collins) e “A sabedoria dos jesuítas para (quase) tudo” (Ed. Sextante).

O artigo foi publicado em sua página pessoal no Facebook, 22-07-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

 

Talvez não seja surpreendente, mas eu fui atacado nos últimos dias por causa de meus comentários sobre a renúncia do Mons. Burrill, da USCCB [Conferência dos Bispos dos Estados Unidos] (então, de novo, eu provavelmente seria atacado se dissesse: “Deus te ama”). Obviamente, os padres que não vivem o celibato ou que usam aplicativos de “relacionamento” representam algo problemático de muitas formas.

Como um aparte, os membros de ordens religiosas fazem votos de castidade, e os padres prometem o celibato em suas ordenações (os padres de ordens religiosas – como eu – vivem tanto o voto quanto a promessa). Os membros de ordens religiosas e padres que não vivem de acordo com os seus votos e promessas são um sério problema moral.

Mas também o são as táticas imorais usadas pela The Pillar para expor a orientação gay do Mons. Burrill, assim como a falsa confusão entre homossexualidade e pedofilia (muitas mídias seculares também ficaram perturbadas com essas táticas). Portanto, ambas as coisas são problemáticas: as atividades do padre e a chamada “investigação”.

Já estou acostumado com os ataques nas redes sociais, e elas não me incomodam, mas também revelam algo essencial sobre a Igreja nos Estados Unidos hoje.

O volume e a crueldade dos ataques (“Você é o próximo, sua b*cha!”, “Estamos atrás de você, Jimmy”, “Quando você vai ser expulso do armário, seu sodomita?”) revelam o nível de homofobia na Igreja hoje. Porque quase todos os ataques vinham de usuários que se identificam como católicos.

Esse mesmo ódio era evidente no texto da The Pillar: a “saída do armário” do Mons. Burrill, o desprezo pelas pessoas gays em geral, a confusão entre homossexualidade e pedofilia, e assim por diante. No cerne de tudo isso, está uma homofobia profunda, mascarada como preocupação com a Igreja.

Artigos como esse, e táticas como essa, por parte de um sítio supostamente católico, dão a muitos católicos (e a outros) a permissão para odiar. Ou para odiar ainda mais.

E nada disso vem de Deus.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A homofobia e o ódio contra homossexuais não vêm de Deus.” Artigo de James Martin - Instituto Humanitas Unisinos - IHU