Bispos alemães reprimem o “satânico” abuso espiritual – é urgente que a Igreja o trate da mesma forma que os abusos sexuais

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

17 Novembro 2020

O abuso espiritual tem “efeitos sérios sobre o emocional e psicológico das pessoas de boa-vontade”. O abuso espiritual tem “sérios efeitos no bem-estar emocional e psicológico das pessoas. Não é incomum que tal abuso espiritual de poder anteceda o abuso sexual, preparando-se para ele de uma forma espiritualmente manipuladora”, alertou dom Felix Genn, da diocese de Münster, no início de quinta-feira de uma conferência de dois dias sobre abuso espiritual organizada pela Conferência Episcopal Alemã e a Academia Católica da Diocese de Dresden-Meissen.

A reportagem é de Mada Jurado, publicada por Novena News, 13-11-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Vinculando sempre ao abuso de poder, Genn – o presidente da comissão dos bispos alemães para as vocações – definiu o abuso espiritual como a “instrumentalização” das convicções de fé mais profundas da vítima e de seu relacionamento sagrado com um perpetrador.

O perpetrador de abuso espiritual “curva a consciência da vítima para si mesma e para longe de Deus de acordo com seus próprios pontos de vista. Afasta a vítima de outras relações, o que cria um sentimento de impotência e desamparo na vítima, que torna quase impossível libertar-se da dependência do agressor”, denunciou o bispo de Münster.

Abuso espiritual causa “destruição abismal”

Mergulhando mais fundo no fenômeno do abuso espiritual, Genn disse que aquele pecado começa quando um cuidador pastoral ou guia espiritual “assume competência exclusiva sobre o conteúdo da fé e exerce poder sobre os outros através do ensino que somente ele interpreta”.

O abusador espiritual distorce então a relação de confiança e fé que construiu com a vítima ou vítimas “e se eleva a uma posição divina”, explicou o bispo.

Genn explicou que em contraste com o acompanhamento espiritual “saudável” – que sempre pode ser reconhecido por sua abertura de um caminho para Deus em total liberdade – os sinais de alerta de abuso espiritual incluem o uso frequente do “jargão interno” da Igreja, a manipulação de emoções e exigências de prática espiritual extrema por parte de um líder ou guia espiritual.

O bispo teve o cuidado de distinguir a “maravilhosa possibilidade de acompanhamento” da “corruptibilidade e destruição abismal” operada por abusadores espirituais.

A farsa da fé oferecida pelos “autonomeados salvadores humanos” é o que torna o abuso espiritual satânico”, lamentou Genn.

Bispo de Dresden urge aos sobreviventes para seguir em frente: aqueles que denunciam dinâmicas abusivas “fazem um importante serviço à Igreja”.

Em seu comunicado de quinta-feira para a conferência sobre abuso espiritual, Genn enfatizou que “a grande atenção e discernimento é necessária para atingir as tendências abusivas desde a raiz e agir contra elas”.

Os bispos reconheceram que essa prevenção de abuso espiritual não é uma tarefa fácil, desde o acompanhamento espiritual e direcionamento se protegem pelo véu da confidencialidade.

No entanto, o prelado exortou a Igreja a prevenir o abuso espiritual com a participação de todas as partes interessadas e por meio de cursos para uma boa orientação espiritual, uma revisão da lei e da prática da Igreja, um conhecimento mais profundo do abuso espiritual e o estabelecimento de critérios claros quanto ao que o fenômeno consiste e também na abertura de canais de denúncia por parte das vítimas.

Em seu apelo por maior transparência e responsabilidade da Igreja, Genn foi acompanhado pelo bispo de Dresden-Meissen, Heinrich Timmerevers, que exortou a Igreja a “enfrentar a dolorosa realidade” do abuso espiritual em suas fileiras.

Em um artigo sobre abuso espiritual publicado em 9 de novembro, Timmerevers exortou a Igreja a criar mecanismos padronizados para relatar, documentar, processar e compensar casos de abuso espiritual de uma forma análoga ao tratamento de casos de abuso sexual.

Rogando à Igreja que fortaleça suas leis contra abusadores espirituais e expanda seus serviços de aconselhamento para as vítimas, Timmerevers encorajou os sobreviventes a se apresentarem, dizendo que aqueles que denunciam relacionamentos pastorais abusivos “prestam à Igreja um serviço importante”.

O curso da Conferência dos Bispos Alemães e da Academia Católica sobre abuso espiritual, que continua nesta sexta-feira, está reunindo especialistas dos campos da medicina, psicologia, direito, teologia e da Igreja institucional “para fazer uma análise autocrítica” dessas estruturas e atividades da Igreja que possam favorecer o abuso espiritual, e tanto com o objetivo de discutir possibilidades de prevenção, reação e reforma.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos alemães reprimem o “satânico” abuso espiritual – é urgente que a Igreja o trate da mesma forma que os abusos sexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU